A ex-ministra da Agricultura e Pecuária, Tereza Cristina (PP), do Centrão, lidera a disputa do Senado em Mato Grosso do Sul com 25,4%, segundo a primeira pesquisa realizada pelo IBP (Instituto Brasileiro de Pesquisas), divulgada pelo O Jacaré. O juiz federal aposentado Odilon de Oliveira (PSD) vem em segundo lugar, com 17%, e sinaliza que a disputa com a deputada federal será acirrada.

Os dois pré-candidatos a senador na chapa de Rose Modesto (União Brasil), o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (União Brasil) e o procurador de Justiça, Sérgio Harfouche (Avante), estão em empate técnico na terceira colocação. O pelotão da lanterna tem o ex-prefeito de Costa Rica, Waldeli dos Santos Rosa (MDB), com 3%.

Veja mais:

Advogado de Dourados surge como opção no PT para defender Lula e enfrentar Tereza Cristina

Coligação de Rose pode ter dois candidatos ao Senado se houver saída jurídica

Com concorrência, Tereza perde dez pontos, mas lidera disputa pelo Senado, segundo Ranking

Maioria sem candidato ameaça favoritismo de Tereza Cristina, revela pesquisa Ranking

André e Marquinhos empatam em 1º; Capitão Contar encosta em Riedel, diz pesquisa IBP

Candidato a senador do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o professor universitário e advogado Tiago Botelho (PT), ainda não se decolou e segue abaixo de um dígito, conforme o IBP. Concorrendo com ele pela federação, o publicitário Henrique Medeiros (PV), é o lanterna, com 0,2%.

Realizada entre os dias 18 e 22 deste mês com 2,5 mil eleitores em 25 municípios, a pesquisa tem margem de erro de 2% para mais ou menos e nível de confiança de 95%. O instituto registrou no Tribunal Regional Eleitoral com os números MS-05517/2022 e BR-00261/2022.

Na espontânea, quando o eleitor cita o nome do candidato sem ver o disco, Tereza tem 13,40%, juiz Odilon 7,2%, a senadora Simone Tebet (MDB) com 6,80%, Rose com 5,4%, Mandetta com 3,6%, Harfouche com 2,4%. A maioria absoluta ainda não está convicta da escolha, já que 58% não sabem ou vão votar nulo e branco.

Na estimulada, Tereza surge com 25,40%, contra 17% de Odilon. O ex-ministro da Saúde ficou em 3º, com 10,2%, seguido por Harfouche com 7,6%, Waldeli com 3%, Jeferson Bezerra (Agir 36) com 1,40%, Wilson Joaquim com 0,60%, Tiago Botelho com 0,40%, Adonis Marcos com 0,20% e Medeiros com 0,20%.

Em decorrência das rusgas com o presidente Jair Bolsonaro (PL) em decorrência das medidas de combate à covid-19, Mandetta é o mais rejeitado, por 11,20%, seguido por Odilon com 9,80%, Harfouche com 7,6%, Tereza com 6,40% e Botelho, por 5,2%.

Tereza conta com o apoio de Bolsonaro e do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). No início do ano, o assessor da deputada federal, Marco Santullo, protagonizou um escândalo ao brigar em um boteco com o presidente do Podemos, Sérgio Murilo. Ele foi acusado de usar a máquina estadual tucana para forçar o prefeito a se filiar ao Progressistas. Caso o político se recuasse a filiar ao partido da ex-ministra, a cidade perderia os investimentos, segundo Murilo.

A pressão pode ter funcionado, já que o PP passou a ser a maior bancada na Assembleia Legislativa e ter o segundo maior número de prefeitos em MS, só atrás do PSDB. Só que a ex-ministra ainda vai precisar conquistar o eleitor para garantir o mandato de senadora.

Os votos dos bolsonaristas em MS deverão ser disputados por Odilon e por Harfouche, que fizeram campanha para o presidente em 2018. O procurador inclusive endossou teses polêmicas de Bolsonaro, como a campanha contra a vacinação de crianças para se prevenir da covid-19.

Já Tiago vai ter trabalho para colar em Lula e convencer o eleitor de que precisa ser eleito para ajudar o petista no Congresso Nacional. O principal problema do governante é ser eleito e não ter o apoio dos deputados federais e dos senadores para implementar as propostas de campanha.

No entanto, o caso mais emblemático de que pesquisa não ganha eleição é o de Soraya Thronicke (União Brasil). Ela não apareceu em primeiro no radar dos institutos e surpreendeu ao derrotar caciques regionais, como Zeca do PT, Waldemir Moka, Delcídio do Amaral e Marcelo Miglioli.

Amanhã, O Jacaré publica a pesquisa sobre a disputa presidencial em Mato Grosso do Sul, inclusive sobre os segmentos e localidades que mais preferem Bolsonaro e Lula.