A ex-ministra da Agricultura e Pecuária, Tereza Cristina (PP), cai dez pontos percentuais com a inclusão de mais concorrentes na pesquisa do Instituto Ranking Brasil, realizada entre os dias 2 e 6 deste mês e divulgada neste domingo (8). Contudo, a deputada federal segue na liderança com 28,7%. O ex-juiz federal aposentado Odilon de Oliveira (PSD) subiu três pontos.

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (União Brasil) surge em 3º lugar ao ser incluído na sondagem, em empate técnico com o magistrado. O procurador de Justiça, Sérgio Harfouche (Avante) e o ex-prefeito de Costa Rica, Waldeli dos Santos Rosa (MDB) empatam tecnicamente em 4º lugar.

Veja mais:

Maioria sem candidato ameaça favoritismo de Tereza Cristina, revela pesquisa Ranking

Marquinhos supera Rose e empata com André em 1º; Riedel empaca em 4º, diz Ranking

Harfouche repete tática polêmica e vai ser candidato a senador na chapa de Rose

Líder em pesquisa, André pode ser 1º suplente de Tereza Cristina e apoiar Riedel ao Governo

Advogado de Dourados surge como opção no PT para defender Lula e enfrentar Tereza Cristina

Realizado com 3 mil eleitores, o levantamento tem margem de erro de 1,8% e foi registrado na Justiça Eleitoral com os números BR-01171/2022 e MS-09961/2022. A sondagem considerou nove pré-candidatos ao Senado.

Tereza Cristina lidera com 28,7%, seguida pelo juiz Odilon com 13,10%, Mandetta com 11%, Harfouche com 8,2%, Waldeli com 6,4%, Wilson Joaquim com 0,70%, Jefferson Bezerra (Agir) com 0,50%, o professor universitário Tiago Botelho (PT) com 0,40% e o publicitário Henrique Medeiros (PV) com 0,2%. Brancos, nulos e indecisos somam 30,80%.

A novidade é a diminuição fora da margem de erro da vantagem de Tereza Cristina, que conta com o apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL), do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e vem fazendo dobradinha com o tucano Eduardo Riedel (PSDB).

Na estimulada, ela passou de 38,7% para 28,7%, mas os cenários são diferentes. Nesta pesquisa, houve a inclusão de nove candidatos. Na anterior, o instituto simulou com quatro nomes.

Odilon cresceu três pontos, passando de 10% para 13%, enquanto Waldeli ficou estável, de 6,1% para 6,4%. Apostando na popularidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Botelho ainda não conseguiu pegar carona e surgiu em penúltimo lugar, com 0,4%.

Mandetta surpreendeu ao aparecer na frente de Harfouche, com quem disputa para ser o candidato na chapa da deputada federal Rose Modesto (União Brasil). O procurador ainda corre risco de ter a candidatura impugnada pelo Tribunal Regional Eleitoral, porque optou pela desincompatibilização e não pela aposentadoria. O partido aconselhou ele a se desligar complementar do MPE.

Na espontânea, Tereza Cristina consolidou a liderança, passando de 10,5% para 15,6%, enquanto Rose segue sendo citada, mantendo-se estável com 12,5%. Odilon passou de 3,5% para 5,40%, enquanto Mandetta tem 4,2%, seguido por Harfouche com 2,5% e Waldeli, com 1,2%.

Faltando cinco meses para as eleições, ainda há muita dúvida na disputa da vaga de Simone Tebet (MDB). A própria emedebista é uma dúvida se vai disputar a reeleição ou se mantém na corrida da presidência da República.

Por enquanto, as únicas candidaturas certas são de Tereza Cristina com Riedel, juiz Odilon com Marquinhos Trad (PSD) e Tiago Botelho com Giselle Marques (PT). Mandetta e Harfouche podem concorrer na chapa de Rose. Simone, Waldeli e o ex-ministro Carlos Marun podem ser o candidato do MDB.

As convenções ocorrerão a partir da segunda quinzena de julho e o primeiro turno está previsto para o dia 2 de outubro.

Tiago Botelho aparece em penúltimo lugar e ainda não conseguiu colar no nome no de Lula (Foto: Divulgação)