Rose, ao lado de Soraya Thronicke, participou da reunião para discutir a implantação da União Brasil em MS (Foto: Divulgação)

A deputada federal Rose Modesto (PSDB) se reuniu com os integrantes da União Brasil, partido a ser criado da fusão do PSL com o DEM, e deu o primeiro passo para confirmar a intenção de disputar o Governo do Estado pela nova sigla. No entanto, os eleitores ficaram divididos sobre a “novidade” e até contestaram o projeto nas redes sociais da senadora Soraya Thronicke.

Rose deve trocar o PSDB pelo União Brasil e disputar o cargo de governadora do Estado com o apoio do Podemos. A participação da tucana do encontro foi postada nas redes sociais de Soraya no fim de semana. “Reunião com os membros do PSL-MS para tratar sobre a criação do União Brasil, que surge da fusão com o DEM”, postou a senadora.

Veja mais:

Soraya lança Rose para disputar pela União Brasil; deputada pode ter apoio do Governo do Estado

Soraya deve assumir partido da fusão DEM-PSL; ministra e deputados podem se filiar ao PP

Nelsinho sinaliza desistência e lança Marquinhos Trad para disputar o Governo em 2022

Por Lula, PT cogita apoiar Nelsinho ou candidato do PSDB ao Governo em MS, segundo Zeca

A deputada ficou balançada porque o novo partido terá o maior tempo de televisão e a maior fatia do fundo eleitoral de 2022. Ela passa a contar com musculatura para enfrentar o secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel (PSDB), o ex-vereador Vinicius Siqueira (PROS) e os ex-governadores André Puccinelli (MDB) e Zeca do PT. O prefeito Marquinhos Trad (PSD) ainda analisa se renuncia à prefeitura para disputar o Governo.

Caso Reinaldo Azambuja (PSDB) renuncie ao mandato para disputar uma vaga na Câmara dos Deputados, como anunciou o presidente regional do PSDB, Sérgio de Paula, o vice-governador Murilo Zauiht (DEM) assume o comando da administração estadual. Neste caso, Rose passaria a contar com o apoio da máquina, um poderoso mecanismo na campanha e apontado como decisivo para garantir o candidato no segundo turno.

No entanto, a filiação da tucana dividiu os eleitores. “O DEM do MS deve ser banido da política, a senhora está encerrando sua carreira política se tocar essa fusão a frente e outros políticos do PSL também”, lamentou William Bogarim, em postagem na rede social de Soraya.

“Não adianta mudar o nome do partido, já sabemos quem são os malandros”, comentou Adriana Araújo. “O DEM nunca foi e não será a favor do Brasil, lembram do Maia?”, questionou Rosinete Francisco, lembrando-se do ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que se transformou no principal alvo dos bolsonaristas e acabou saindo do Democratas.

“O DEM é o do fica em casa? PeloamordeDeus”, criticou Araújo Fla, lembrando o bordão famoso do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM). Apesar do presidenciável ter mudado a orientação antes de ter deixado o Governo Bolsonaro, o mantra repetido a exaustão nas primeiras coletivas ficou marcado e o tornou alvo de críticas eternas.

“O PSL sem o Bolsonaro não é nada , um partido em extinção … Aguardem, esta fusão já é um começo do fim”, previu Valdeci Oliveira Lima. O presidente Jair Bolsonaro deixou o PSL há mais de ano e ainda não definiu em qual partido disputará a reeleição.

Por outro lado, há também eleitores confiantes no sucesso do União Brasil. “Senadora espero que nasça um partido voltado aos interesses da nação brasileira”, torceu Roberto Manabu Anzai.

“Senadora! Apesar de estarmos em posições opostas tenho uma grande admiração e respeito pela sua postura. Sucesso! PARABÉNS”, comentou Nana Barreto.

A expectativa é de que Rose se filie ao União Brasil na abertura da janela partidária, em março de 2022. Ela sonha em contar com o apoio do MDB, de Puccinelli, para disputar o Governo com chances de vitória.