Prefeito diz que, no momento, prioridade é buscar a vacina contra a covid-19 (Foto: Divulgação)

O senador Nelsinho Trad (PSD) ensaia não ser candidato em 2022 e desistir de disputar o Governo do Estado pela 2ª vez. Em entrevista ao jornal O Estado de Mato Grosso do Sul deste sábado (8), o presidente regional do PSD lançou a candidatura do irmão e prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, para a sucessão de Reinaldo Azambuja (PSDB) pelo PSD.

“Se ele (Marquinhos) renunciar, no mesmo dia eu o apoio. Eu gosto muito dele, não só porque é meu irmão, mas porque ele tem luz, é preparado”, justificou o ex-prefeito. A declaração mostra mudança de rota de Nelsinho, que vinha articulando e até tinha feito declaração de que iria ser candidato a governador nas próximas eleições.

Veja mais:

Bolsonaro indica Soraya como vice-líder no Congresso e cria saia justas para “amigos” em MS

Soraya, Nelsinho, André e Riedel são os primeiros nomes lançados para a sucessão estadual

Por Lula, PT cogita apoiar Nelsinho ou candidato do PSDB ao Governo em MS, segundo Zeca

Na entrevista, o senador admitiu o sonho de comandar o Estado. “Eu tenho este desejo. Eu vi isso, Deus colocou no meu caminho, mas não significa que seja desta vez a minha oportunidade de ser governador”, ressaltou. Em 2014, quando disputou o Governo pela primeira vez pelo MDB, com o apoio de André Puccinelli (MDB), Nelsinho ficou em 3º lugar na disputa.

O prefeito da Capital é o plano A do presidente estadual do PSD. Ao sinalizar a candidatura do irmão, Nelsinho dá gás para as articulações nos bastidores da disputa, que promete ser uma das mais acirradas e segue sem um franco favorito. Também já foram lançados os nomes do secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel (PSDB), do ex-vereador Vinicius Siqueira (PROS), da senadora Soraya Thronicke (PSL) e do ex-governador André Puccinelli ou a senadora Simone Tebet pelo MDB.

Caso consiga se destacar nas pesquisas e ter mais força para unificar os aliados do que Riedel, Marquinhos poderá atrair o apoio do PSDB como parte do plano para garantir a eleição de Reinaldo para o Senado ou a Câmara dos Deputados.

O prefeito mantém a cautela sobre as eleições de 2022. “Neste momento, só penso em Campo Grande. Não está em meus planos, neste momento de tempo atual”, ressaltou, sempre deixando claro que está cedo para fazer esta discussão. “Minha preocupação é com a vacina. Tenho busco todos os meios possíveis para ser exemplo nacional”, afirmou.

A Capital já imunizou mais de 25% da população contra a covid-19 e ganhou destaque nacional com exemplos na campanha, como a de recorrer aos vizinhos das unidades de saúde para aplicar as doses extras.

Marquinhos vai precisar renunciar ao mandato caso decida disputar o Governo e deixar a vaga para a Adriane Lopes, do Patriotas, e esposa do deputado estadual Lídio Lopes.

Com a decisão, Nelsinho ganha tempo para tentar se livrar das inúmeras ações por improbidade administrativa na Justiça estadual e federal. Como o mandato de senador vai até 2026, ele tem tempo suficiente para reconstruir a imagem.