Gasolina na promoção já custa R$ 5,799 em Campo Grande. Preço deve passar de R$ 6 para testar os nervos dos eleitores (Foto: O Jacaré)

Em meio à queda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a Petrobras anunciou o 9º aumento do ano no preço da gasolina nas refinarias. Apenas em 2021, a estatal elevou em 51% o preço do combustível. Com o aumento de 3,3% a partir de hoje (12), o sul-mato-grossense vai pagar quase R$ 7 pelo litro no interior do Estado.

O reajuste ocorre apesar das críticas de Bolsonaro à política de preços da distribuidora, o atual presidente, general Joaquim Luna e Silva, anunciou o segundo aumento sua gestão, iniciada em abril deste ano. Os consecutivos aumentos levaram à demissão de Roberto Castello Branco.

Veja mais:

Consumidor sente no bolso ICMS de 30% do PSDB e Capital tem 3ª gasolina mais cara do País

Preço da gasolina despenca para até R$ 3,79 com crise do petróleo e coronavírus

Com ICMS de 30%, Reinaldo eleva arrecadação apesar da queda nas vendas de gasolina

Com o novo reajuste, o preço do litro nas refinarias passará de R$ 2,69 para R$ 2,78. O diretor do Sinpetro (Sindicato dos Revendedores de Combustíveis), Edson Lazarotto, diz que houve acréscimo de R$ 0,07 a R$ 0,10 por litro nas distribuidoras. “O mercado é livre, se a distribuidora já reajustou seus preços o posto também comprou com preço reajustado , portanto fica a critério de cada revendedor se repassa ou não”, explicou.

Nesta semana, alguns postos promoveram alta de R$ 0,10 no preço da gasolina em Campo Grande. Conforme a ANP (Agência Nacional do Petróleo), o valor médio é de R$ 5,878 na Capital. O menor preço estava em R$ 5,639, conforme o levantamento concluído no sábado (7). O maior preço está em R$ 5,999.

No interior do Estado, o preço do combustível chega a R$ 6,675. Com o novo reajuste na distribuidora, o sul-mato-grossense vai pagar R$ 6,89, quase R$ 7. Para piorar a situação no Estado, o ICMS teve aumento de 20%, passando de 25% para 30%, graças à política de aumento da carga tributária implementada pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

O encarecimento da gasolina é reflexo do dólar, que tem se mantido em R$ 5,20, e da alta do petróleo no mercado internacional. A expectativa de Bolsonaro é que o preço tenha redução com a medida anunciada ontem, de que postos de combustíveis poderão receber etanol de mais de um distribuidor. Também foi autorizada a venda do álcool pela usina diretamente para os postos.