Quatro secretários acompanharam a reunião com os deputados estaduais na manhã de hoje (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) anunciou reajuste salarial linear de 10% para os 81.112 servidores públicos estaduais e não vai repor nem a inflação oficial, já que o índice está acumulado em 10,67% nos últimos 12 meses. Este será o 3º reajuste durante os oito anos do tucano, que contabiliza inflação acumulada de 48,24%. O funcionalismo fechará a gestão do PSDB com defasagem acima de 30% nos salários.

No entanto, o índice não considera a reestruturação da carreira de algumas categorias, como policiais militares, bombeiros, policiais civis, agentes educacionais de internação, administrativos da educação e técnicos da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul). Só para se ter ideia, os administrativos das escolas estaduais terão aumento de 14,4% a 18% com a reestruturação das carreiras.

Veja mais:

Servidores administrativos da educação terão reajuste salarial de 14% a 23% a partir de 2022

Só com “milagre” Reinaldo recupera salário de servidor sem reajuste há 4 anos e punido com reforma da previdência

Salário de Reinaldo, vice e secretários terá alta de 33%, contra 6,07% dos servidores em 4 anos

“Pobre” e “pequeno”, MS paga o maior salário de governador do País a Reinaldo Azambuja

Na manhã desta terça-feira (16), o governador se reuniu com os deputados estaduais para apresentar os 15 projetos do funcionalismo. “Eu posso falar que esse volume de ganhos aos servidores públicos de Mato Grosso do Sul vai ultrapassar em 2022 a marca de R$ 1 bilhão. Nós estamos fazendo todo o esforço necessário para que possamos dar um aumento significativo a todas as categorias, mas olhando sempre o equilíbrio fiscal do Estado”, afirmou Reinaldo, por meio da assessoria de imprensa.

O reajuste linear de 10% e a incorporação do abono vão contemplar os 81.112 funcionários. O último aumento salarial foi de 3,07% em 2018, quando Reinaldo disputou a reeleição. Os servidores tiveram o primeiro reajuste no mandato de Reinaldo em 2017, quando a correção linear nos salários foi de 2,94%. Os vencimentos ficaram congelados por três anos, com reposição zero nos anos de 2019, 2020 e 2021.

Conforme o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o IPCA, que mede a inflação oficial no Brasil, ficou em 10,67% nos últimos 12 meses. O índice anunciado hoje não repõe nem a inflação acumulada até o momento. Somente na administração de Reinaldo, desde 1º de janeiro de 2015, a inflação oficial está acumulada em 48,24% – 188% acima da correção de 16,7% no salário do funcionalismo, considerando-se os três reajustes.

Confira os reajustes dados por Reinaldo e a inflação

AnoReajuste
20172,94%
20183,07%
202210%
Inflação
202110,67%
2015-202148,24%

Se for comparar com o aumento dos alimentos, dos combustíveis e até dos serviços públicos, o servidor público estadual vai mais triste, considerando-se que os preços dispararam neste ano.

Já o governador não teve do que reclamar do seu mandato. O salário de Reinaldo acumulou aumento de 33,4% em oito anos, passando de R$ 26.589,67, em dezembro de 2014, para R$ 35.462,27 em janeiro de 2019.

Salário do governador subiu mais: 33%

AnoSalário
201426.589,67
201935.462,27
Variação33%

Reinaldo contou, aos deputados estaduais, que a folha de pagamento acumula aumento de 73,26% no seu mandato, já que passou de R$ 436 milhões para R$ 755 milhões por mês. O acréscimo reflete o aumento nos salários dos comissionados e do governador, promoções e o reajuste de 6,1%.

Além disso, na gestão do PSDB, houve o acréscimo de 4.472 novos cargos públicos, já que o total passou de 76.640 para 81.112, conforme relatório apresentado por Reinaldo nesta terça-feira e informado pelo jornal Midiamax.

Com o reajuste linear de 10% e as reestruturações, a folha saltará para R$ 1,2 bilhão em 2022. Outra novidade apresentada foi a incorporação do abono de R$ 100 a R$ 250 e a antecipação da data-base de maio para janeiro de 2022.

Reinaldo dará reajuste de 16,7% aos servidores em oito anos, mas o salário do governador subiu 33% entre 2014 e 2019 (Foto: Divulgação)