Professores pressionaram, mas não conseguiram se sensibilizar deputados, que aprovaram em primeira a redução nos salários dos convocados (Foto: Divulgação)

Em dezembro do ano passado, os deputados estaduais aprovaram reajuste de 16,38% nos próprios salários, que passariam de R$ 25.322,25 para R$ 29,4 mil. Nesta quarta-feira, 18 parlamentares votaram para reduzir em 30% os salários de 9 mil professores convocados na rede estadual. Só quatro foram contra a medida do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que também teve aumento de 16,38% neste ano.

O projeto de lei complementar, que prevê tabelas diferentes para  professores efetivos e convocados, só teve os votos contrários dos deputados estaduais Capitão Contar (PSL), Professor Rinaldo (PSDB), Pedro Kemp e Cabo Almi, ambos do PT.

Veja mais:

Achou vereador caro? Mandado de deputado estadual custa R$ 1,7 milhão em MS

Assembleia mantém farra e conselho fará auditoria em 63 aposentadorias

Londres aprova aposentadoria de R$ 30,4 mil para mulher, prefeita de Fátima

Salários de Reinaldo e secretários vão subir 33%, apesar de servidor só ter tido reajuste de 6,07%

Reinaldo turbina salários e comissionados recebem até 35% acima do previsto em lei

MS estoura gasto com pessoal e servidores devem ser penalizados com mais medidas amargas 

Ex-secretário de Fazenda ganhou R$ 220 mil em um mês e R$ 950 mil em 2019

Sem crise! Governo paga salário de R$ 92 mil a secretário de Administração

A proposta foi aprovada com facilidade, com 18 votos a favor, e deve prejudicar 50% dos docentes da rede estadual. Pela proposta, que deve ser votada em segundo turno amanhã (11), eles vão receber 30% menos a partir de 2020.

Reinaldo ainda reduz de 50% para 30% a gratificação paga aos profissionais que atuam nos presídios. A bonificação pelo trabalho em escolas de difícil acesso não será de 10%, mas de até 10%. O Governo vai ficar livre para definir os critérios e pagar menos.

Veja quem votou contra os professores:

1Antônio Vaz (PRB)
2Barbosinha (DEM)
3Coronel David (PSL)
4Eduardo Rocha (MDB)
5Evander Vedramini (PP)
6Felipe Orro (PSDB)
7Gerson Claro (PP)
8Herculano Borges (SD)
9Jamilson Name (PDT)
10João Henrique (PR)
11Lídio Lopes (Patri)
12Londres Machado (PSD)
13Marçal Filho (PSDB)
14Márcio Fernandes (MDB)
15Neno Razuk (PTB)
16Onevan de Matos (PSDB)
17Renato Câmara (MDB)
18ZéTeixeira (DEM)

De acordo com o líder do Governo no legislativo, deputado Barbosinha (DEM), a economia aos cofres públicos será de R$ 130 milhões. Em mensagem distribuída nos grupos de aplicativos e redes sociais, Lídio Lopes (Patri) diz que o Estado pode ficar sem dinheiro para pagar professores e atrasar salários sem o corte.

Só que não faltou dinheiro para aprovar o reajuste de 16,38% nos salários do governador, do vice-governador e dos secretários no ano passado. Em dezembro, a Assembleia aprovou a reestruturação administrativa, que previa 3.064 cargos comissionados. Em relação ao último ano de gestão de André Puccinelli (MDB), o número de cargos de confiança praticamente dobrou.

Confira as diferenças

ProfissãoSalárioJornada
DeputadosR$ 25.322terça, quarta e quinta de manhã
ProfessorR$ 6.07040h – de segunda a sexta

Os deputados encontraram dinheiro de sobra até para elevar os próprios salários em 16,38%, de R$ 25.322 para R$ 29,4 mil. No entanto, o reajuste não deveria ser concedido, porque não houve aumento nos vencimentos dos deputados federais e senadores.

Como o legislativo não divulga o contracheque dos parlamentares e funcionários no Portal da Transparência, a sociedade não tem mecanismos para checar se houve a correção no salários dos deputados.

Com aposentadoria de R$ 30 mil e mais salário de deputado, Londres Machado ri durante sessão que aprovou redução de salários dos professores (Foto: Luciana Nassar/ALMS)

A manobra, de elevar os próprios salários e os maiores vencimentos e de reduzir o valor pago aos professores, Reinaldo e os 18 deputados retomam o costume antigo, de prometer mais investimentos em educação, mas, na prática, só reduzir o dinheiro.

O salário do professor é uma das maneiras de melhorar a qualidade de ensino. Não há milagres nem cidade, estado e país desenvolvido apenas prometendo melhorias a cada campanha, mas restringindo as promessas ao gogó.