Promotor Fábio Ianni Goldfinger não se manifestou sobre se havia suspeição entre conduzir processo contra filho do governador e a esposa ocupar cargo com salário de R$ 16 mil (Foto: Arquivo)

Esposa do promotor Fábio Ianni Goldfinger, Ana Paula Rezende de Oliveira Goldfinger ocupa cargo comissionado na administração de Reinaldo Azambuja (PSDB) desde maio de 2019 e ganha salário de R$ 16.039, conforme o Portal da Transparência. Funcionária de carreira da Secretaria Estadual de Saúde, ela teve aumento de 269% no subsídio ao assumir o cargo de coordenadora de Vigilância Epidemiológica.

Goldfinger foi autor do parecer pela absolvição do advogado Rodrigo Souza e Silva, filho do governador, da acusação de ter sido o mandante do roubo da propina de R$ 300 mil destinada ao corretor de gado, José Ricardo Guitti Guímaro, o Polaco. Ele alegou falta de provas para manter a acusação feita pelo antecessor, Marcos Alex Vera de Oliveira, junto com os promotores Adriano Lobo Viana de Resende e Humberto Lapa Ferri.

Veja mais:

Promotor negou ajuda de colegas e não viu lógica em filho de Reinaldo roubar a própria propina

Juíza alega falta de provas e absolve filho de governador do roubo da propina de Polaco

TJ contraria Reinaldo e diz que há “provas suficientes” contra filho em roubo de propina

STJ não vê suspeição do MPE e nega HC para anular ação por roubo contra filho de Reinaldo

Após substituir o “xerife do MPE” na 30ª Promotoria do Patrimônio Público, Fábio Ianni Goldfinger teria dispensado o apoio dos dois colegas no processo contra o herdeiro tucano. No parecer de fevereiro deste ano, ele concluiu que o MPE não logrou êxito em provar a participação do filho de Reinaldo como mandante do roubo. “Não há indícios suficientes que comprovem o envolvimento do acusado na participação desse delito”, concluiu.

“Pelo apurado nas investigações, não pareceu lógico que alguém mande roubar um dinheiro que ela mesma estivesse enviando para um terceiro não lhe delatar ou algo parecido. O suposto roubo de quem paga uma propina, não cumpre a sua lógica”, escreveu Goldfinger.

Em decorrência da investigação contra Rodrigo, o promotor Marcos Alex chegou a ser denunciado pelo advogado e por Reinaldo no Conselho Nacional do Ministério Público. O órgão chegou a abrir procedimento disciplinar contra o promotor por suposta perseguição ao filho de Reinaldo.

Com base no parecer do MPE, a juíza May Melke Amaral Penteado Siravegna, da 4ª Vara Criminal, absolveu Rodrigo Souza e Silva de ser o mandante do roubo da propina de Polaco. O promotor não deverá recorrer da sentença ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Em 2019, a juíza havia rejeitado a denúncia, mas a 2ª Câmara Criminal do TJMS acatou recurso dos três promotores e determinou o recebimento da ação penal.

Esposa de Goldfinger, Ana Paula é especialista em saúde e tinha salário de R$ 3.922,14 até abril de 2019, quando foi nomeado para cargo de direção e assessoramento. Na época, conforme o Portal da Transparência, ela teve acréscimo de 269% no salário e passou a receber R$ 14.491,68 em maio daquele ano.

Com cargo comissionado em maio, esposa de promotor teve aumento de 269% no salário (Foto: Arquivo)

Atualmente, somando os vencimentos como especialista e coordenadora de Vigilância Epidemiológica, ela teve créditos totais de R$ 16.039,27 no mês passado, de acordo com o site da transparência do Governo.

Ana Paula chegou a ocupar cargo comissionado até 2014, na gestão de André Puccinelli, conforme o Portal da Transparência. Ela passou sem acréscimo no salário durante todo o primeiro mandato de Reinaldo e só foi nomeada para novo cargo comissionado no segundo mandato do tucano, em maio de 2019.

No comando da 30ª Promotoria do Patrimônio Público desde setembro de 2020, Fábio Ianni Goldfinger foi procurado para falar se não havia impedimento de conduzir processo contra o filho do governador, mas não se manifestou até o momento.

Ele também é responsável pela condução da Operação Aprendiz, que foi deflagrada pelo antecessor em fevereiro de 2019 para apurar superfaturamento em contratos de publicidade da administração estadual. Antes de deixar o posto, Marcos Alex tinha dito que a investigação estava sendo concluída.

Goldfinger comandou duas operações contra integrantes da administração estadual desde que assumiu a promotoria, como o superfaturamento na compra de produtos de limpeza para as escolas e de subtração de pontos de infrações de trânsito por funcionários do Detran.