Campeão em gastos com dinheiro do contribuinte: R$ 470.467 no ano passado (Foto: Arquivo/Senado)

O senador Nelsinho Trad (PSD) foi o campeão em gastos ao torrar quase meio milhão de reais da cota parlamentar e da verba destinada ao auxílio do mandato, conforme o Portal da Transparência do Senado. No fim do mandato e cotada para disputar a presidência da República, Simone Tebet (MDB), ampliou os gastos em 65%. Eleita na onda de sepultar os costumes da velha política, Soraya Thronicke (PSL) reduziu a utilização da verba em 41%.

De acordo com a prestação de contas, o ex-prefeito de Campo Grande gastou R$ 470,4 mil em 2021, mais que o dobro desembolsado pelo mandato de Soraya no mesmo período, de R$ 193,3 mil. A emedebista usou R$ 269,5 mil.

Veja mais:

Nelsinho não segue exemplo do irmão e é campeão em gastos; Simone amplia uso de cota

Gasto de deputados em 10 meses já supera total de 2021; Trutis é o campeão no uso da cota

Três senadores gastam mais de R$ 14 milhões em 2019; Nelsinho é o campeão em gastos

Nelsinho usou R$ 390,7 mil da cota para o exercício da atividade parlamentar, R$ 34,9 mil em viagens oficiais, R$ 41 mil com Correios e R$ 3,7 mil com outros materiais. O maior gasto do senador foi com marketing digital e áudio visual, com o pagamento de R$ 294,2 para a Home Mix Assessoria e Marketing.

O pessedista reduziu o valor em relação a 2020, quando usou R$ 394,8 mil. No entanto, em relação a 2019, quando a vida seguia normal e sem pandemia, houve aumento, já que naquele ano houve o uso de R$ 361,8 mil.

Confira o gasto do seu senador ou senadora em 2021

SenadorGasto
Nelsinho Trad (PSD)470.467
Simone Tebet (MDB)269.574,65
Soraya Thronicke (PSL)193.380,35
Fonte: Portal da Transparência do Senado

Simone ficou em segundo lugar no ranking com a utilização de R$ 269,5 mil no ano passado. Somente da cota, a senadora utilizou R$ 227,4 mil, aumento de 65% em relação a 2020, quando foram usados apenas R$ 137,6 mil. O valor gasto em 2021 é o maior em sete anos de mandato da sul-mato-grossense e coincide com maior exposição na mídia com a CPI da Covid, a candidatura à presidência do Senado e com a intenção de disputar a sucessão de Jair Bolsonaro (PL).

Presidenciável, Simone gastou em 2021 o maior valor em sete anos de mandato (Foto: Arquivo/Senado)

O maior gasto da verba foi com aluguel, R$ 94,6 mil, que inclui a locação, água, luz e monitoramento. Em segundo ficou o gasto com divulgação do mandato, com a destinação de R$ 42,1 mil para a Mais Resultado.

Estreante na política e no Senado, Soraya passou a ser mais comedida nos gastos. Em 2021, a advogada usou R$ 193,3 mil. Só a cota para o exercício da atividade parlamentar, ela usou R$ 150,9 mil, redução de 41% em relação ao ano anterior, quando foram gastos R$ 258,6 mil. Em 2019, Soraya tinha gasto R$ 248,5 mil.

A maior parte dos gastos foram com locomoção (R$ 51,5 mil) e passagens (R$ 38,4 mil), de acordo com o Portal da Transparência do Senado. Soraya foi a que menos gastou com Correio (R$ 10,8 mil), enquanto Nelsinho utilizou R$ 41 mil e Simone, R$ 38,9 mil.

No Senado, um político tradicional foi o campeão em gastos, enquanto na Câmara foi o estreante Loester Trutis (PSL).

Soraya foi a que menos gastou em 2021: R$ 193.380. Ela reduziu o uso da cota em 41% em relação a 2020 (Foto: Arquivo/Senado)