Os maiores gastadores foram Trutis, Dagoberto e Beto Pereira: parlamentares antecipam o fim da crise e elevam gasto com o dinheiro do povo (Foto: Arquivo)

O gasto dos deputados federais de Mato Grosso do Sul já supera em 12% o total da cota parlamentar utilizado no ano passado. De janeiro a outubro deste ano, os oito parlamentares gastaram R$ 2,619 milhões, enquanto em todo o ano de 2020, o montante ficou em R$ 2,326 milhões. Eleito com o discurso de fazer a diferença e combater a velha política, Loester Trutis (PSL) é o campeão absoluto em gastos.

Denunciado no Supremo Tribunal Federal por supostamente simular um atentado para chamar a atenção dos eleitores no ano passado, o polêmico deputado utilizou R$ 453,4 mil da cota parlamentar em 10 meses. Houve aumento de 18% em relação ao total gasto no ano passado, quando as sessões foram virtuais por causa da pandemia e o total usado foi de R$ 383,7 mil, conforme o Portal da Transparência da Câmara dos Deputados.

Veja mais:

Bancada eleva gasto com cota em 21%; Trutis é campeão ao superar políticos tradicionais no semestre

Campeão na pandemia: Nelsinho eleva gasto com cota e contrata mais funcionários

PGR denuncia Trutis ao Supremo por três crimes por forjar o próprio atentado a bala

Beto, Bia, Rose, Ovando e Trutis aprovam fim do 13º, férias e FGTS a trabalhadores jovens

O segundo maior gastador foi o deputado Dagoberto Nogueira (PDT), com R$ 411,4 mil. O valor é inferior ao registrado em 12 meses do ano passado, quando foram usados R$ 446,4 mil. O terceiro no ranking dos gastadores do dinheiro público é o Beto Pereira (PSDB ), com R$ 401,4 mil. O tucano usou R$ 446,7 mil no ano passado.

O deputado Fábio Trad (PSD) manteve a tradição e é o parlamentar que menos utiliza a cota parlamentar durante o mandato. O advogado usou apenas R$ 60,2 mil de janeiro a outubro deste ano, contra R$ 61,1 mil em 2020.

Vander Loubet (PT) ficou em 4º lugar no ranking de gastos, com R$ 366 mil, contra R$ 375 mil no ano passado. O petista sempre se revezou na ponta com Dagoberto. Com a repercussão na sociedade da divulgação dos gastos com a cota parlamentar, ele passou a ser mais prudente e deixou o título para o novato Trutis, que foi eleito detonando políticos que não tinham dó de gastar o dinheiro público.

Faltando incluir os dados de novembro e dezembro, Dr. Luiz Ovando (PSL) já elevou em 69% o gasto com a cota parlamentar. Neste ano, o médico utilizou R$ 365,9 mil, contra R$ 216,2 mil no ano passado.

Confira o gasto de janeiro a outubro: R$ 2,619 milhões

DeputadoGasto 2021
Loester Trutis (PSL)453.436,40
Dagoberto Nogueira (PDT)411.470,09
Beto Pereira (PSDB)401.470,50
Vander Loubet (PT)366.061,78
Dr. Luiz Ovando (PSL)365.955,30
Rose Modesto (PSDB)281.573,99
Bia Cavassa (PSDB)279.292,65
Fábio Trad (PSD)60.279,22
Fonte: Portal da Câmara dos Deputados

Bia Cavassa e Rose Modesto, ambas do PSDB, também elevaram os gastos em relação ao ano passado, mas ficaram na ponta debaixo da tabela. A professora gastou R$ 281,5 mil até o momento, aumento de 48% em relação ao ano passado, quando foram R$ 189,5 mil. Ela pretende ser candidata a governadora em 2022. Já a corumbaense elevou os gastos em 35%, de R$ 206,5 mil para R$ 279,2 mil.

Gasto por ano

AnoGasto
20192.819.992,70
20202.326.027,62
20212.619.559,92

No total, os oito deputados federais de MS gastaram R$ 2,619 milhões da cota parlamentar, o que representa aumento de 12% em relação aos R$ 2,326 milhões do ano passado. O valor deste ano não inclui os gastos feitos em novembro e dezembro, conforme o portal. A expectativa é de que bater o recorde ao superar os R$ 2,819 milhões registrados em 2019, quando hão havia crise nem pandemia.

Só que a crise nem a pandemia ainda não acabaram em 2021, mas os parlamentares já se anteciparam para gastar o dinheiro do povo.

Trutis foi premiado como um dos parlamentares mais atuantes pelo Ranking dos Políticos (Foto: Divulgação)