Juiz aguarda perícia para decidir se mantém empresário em casa ou determina o retorno à cadeia (Foto; Arquivo)

O IMOL (Instituto Médico Legal) vai realizar nova perícia para avaliar se o poderosíssimo empresário Fahd Jamil, acusado de chefiar um grupo de extermínio na fronteira, permanecerá em prisão domiciliar. A determinação é do juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande. O Rei da Fronteira teve o direito de ficar detido em casa em maio deste ano e o benefício valia por 180 dias.

“A defesa de Fahd Jamil requereu, às fls. 784/792, a manutenção da prisão domiciliar cautelar decretada às fls. 309/319, alegando que o requerente permanece com a situação de saúde debilitada, o que poderia ser observado por meio dos diversos documentos médicos juntados ao longo do procedimento”, destacou o magistrado.

Veja mais:

“Sustentado pelos filhos” e “perseguido por bandidos”, Fahd Jamil se entrega no Garras

Perito conclui que Fahd Jamil não tem condições de saúde para permanecer em presídio

Com enfermeira 24h, Fahd vai completar um mês na cadeia e sentar pela 1ª vez no banco dos réus

O Ministério Público, por sua vez, opinou pela submissão do requerente à avaliação médica pelo IMOL. Jamil está em casa, onde todas as visitas, saídas para exames médicos e consultas precisam ser aprovados com antecedência pelo magistrado.

O empresário ficou foragido por 10 meses e se entregou em abril deste ano ao alegar que era sustentado pelos filhos e estava se sentindo ameaçado pelo PCC (Primeiro Comando da Capital), como é conhecida a organização criminosa que surgiu nos presídios de São Paulo. Em maio, após perícia médica, o juiz autorizou o empresário a trocar a cela do Garras pelo apartamento da filha no Centro de Campo Grande.

“Inicialmente, é oportuno esclarecer que os fundamentos para manutenção da prisão preventiva permanecem, tendo em vista os graves fatos imputados ao requerente nas ações penais n. 0949160-58.2020.8.12.0001 e 0949166-65.2020.8.12.0001, que aguardam o encerramento definitivo com as diligências requeridas na fase do artigo 402”, pontuou o juiz, sobre as ações penais em que Fahd Jamil é acusado de corrupção, organização criminosa, tráfico de armas, entre outros crimes.

“No entanto, conforme observado na decisão proferida às fls. 309/319, a situação médica, aparentemente, do requerente exige cautelas adicionais por parte deste Juízo”, ponderou, sobre o estado de saúde do réu.

“O Parecer n. 140/2021 (fls. 223/242), elaborado pela equipe do IMOL encaminhado em maio de 2021 apresentou elementos que apontavam para a necessidade, naquele momento, de ‘tratamento emergencial em ambiente hospitalar’”, disse. “Pois bem, considerando que já se passaram mais de 150 (cento e cinquenta) dias, determino que o requerente Fahd Jamil seja novamente reavaliado pelo IMOL”, determinou.

Fahd Jamil também é acusado pelas mortes do chefe da segurança da Assembleia Legislativa, Ilson Martins Figueiredo, do ex-servidor estadual Alberto Aparecido Nogueira, o Betão, e um policial civil. Os processos estão na fase de instrução e a Justiça ainda vai decidir se levará o padrinho da fronteira a júri popular.

Ele acabou sendo preso na Operação Omertà, uma das mais emblemáticas ofensivas da Polícia Civil e do Gaeco contra o crime organizado, que levou para a prisão poderosos e influentes empresários, como é o caso de Fahd Jamil e Jamil Name. Aliás, a operação causou uma grave crise na corporação, no qual uma delegada se negou a repassar nomes de investigados ao delegado geral, Adriano Garcia Geraldo. Ele está de férias e o caso passou a ser investigado pela corregedoria.