Ex-ministro da Saúde passou a ser o único presidenciável no novo partido, que terá tempo de TV e dinheiro de sobra, mas ainda patina nas pesquisas (Foto: Arquivo)

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), passou a ser o único nome para ser lançado a presidente da República pelo União Brasil, novo partido a ser criado com a fusão do Democratas com o PSL. O apresentador do programa policial Brasil Urgente, da Band, José Luiz Datena, trocou o PSL pelo PSD. O médico campo-grandense também pode ser indicado como candidato a vice-presidente.

Inicialmente, o novo partido contava com três presidenciáveis. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, trocou o DEM pelo PSD, para ser candidato a presidente com o apoio do partido de Gilberto Kassab. Ele tenta se viabilizar até as convenções no próximo ano para ser o nome da 3ª via, como vem sendo chamada a alternativa ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Veja mais:

Caso não dispute a presidência, Mandetta pode ser candidato a deputado pelo Rio de Janeiro

Com volta de Moro ao cenário, Mandetta mantém-se com 4% na disputa presidencial

Mandetta cai de 5% para 3% e perde espaço para Leite no Centro-Oeste, diz PoderData

Mandetta cresce em pesquisa para presidente e chega a 9% no Centro-Oeste, diz PoderData

Datena chegou falando grosso e até detonando Mandetta, de que não teria tamanho para ser candidato a presidente da República. No entanto, o apresentador da TV Bandeirantes não se sentiu bem acolhido pelo DEM, chefiado pelo ex-prefeito de Salvador, ACM Neto. Nesta terça-feira (2), ele anunciou a desfiliação o PSL.

O jornalista também se filiou ao PSD de Kassab para ser candidato a senador por São Paulo nas eleições de 2022. Datena deixou de ser um dos cotados para representar a 3ª via.

Com a debandada, Mandetta acabou se tornando o único presidenciável do União Brasil, partido que terá tempo de sobra no horário eleitoral gratuito e polpudo fundo eleitoral no próximo ano. A nova sigla ficará com o maior montante a ser destinado aos candidatos em 2022.

No entanto, a concorrência para ser o nome da 3ª via ainda vai ser acirrada, considerando-se que o ex-juiz Sergio Moro deixou o trabalho nos Estados Unidos para voltar ao Brasil e iniciar as articulações para ser candidato a presidente pelo Podemos. Ele tem o dobro das intenções de votos de Mandetta nas pesquisas.

O outro nome é o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), que vem mantendo artilharia pesada contra Lula para se tornar opção dos anti PT. Ainda tem o nome a ser escolhido pelo PSDB. Os tucanos realizam neste mês as prévias para definir quem será o candidato a presidente. Estão na disputa os governadores João Doria, de São Paulo, e Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul, e o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio.

Mandetta ainda tem a opção de ser indicado como vice de Ciro, de Moro ou dos tucanos. O ex-ministro da Saúde até selou acordo com os presidenciáveis de que abre mão da disputa em favor do nome melhor colocado nas pesquisas.

Em último caso, o democrata pode trocar Mato Grosso do Sul para disputar uma vaga na Câmara dos Deputados pelo Rio de Janeiro.