Desembargador Paulo Fontes, relator da Operação Motor de Lama, vai apresentar relatório na 5ª Turma no dia 5 de abril (Foto: Arquivo)

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região decide após a Páscoa, na sessão do dia 5 de abril deste ano, se tira da Polícia Federal o inquérito que investiga desvios milionários e pagamento de propina no Detran (Departamento Estadual de Trânsito). A apelação criminal, feita pelo advogado Rodrigo Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), suspendeu a investigação na Operação Motor de Lama, denominação da 7ª fase da Lama Asfáltica, desde 14 de dezembro do ano passado.

Relator do recurso no TRF3, o desembargador Paulo Fontes trancou a apuração porque, segundo a defesa, não haveria indícios de recursos ou crimes federais. O magistrado sinalizou que os autos deverão ser encaminhados para a Justiça Estadual, como ocorreu com a ação sobre o pagamento de R$ 25 milhões em propinas pela JBS ao ex-governador André Puccinelli (MDB) e da Operação Aviões de Lama, envolvendo Edson Giroto e João Amorim.

Veja mais:

TRF3 concede HC e livra filho de Reinaldo de investigação da PF por desvios no Detran

Juiz quebra sigilo bancário e fiscal de herdeiro tucano, genro de delator e mais 13 acusados

Polícia apreende quase meio milhão em dinheiro em operação contra filho de governador

Rodrigo provará “total ausência de envolvimento em qualquer ato ilícito”, garante advogado

Além de suspender a investigação contra Rodrigo, o desembargador proibiu perícias, análises de documentos, a quebra do sigilo bancário e fiscal e coleta de depoimentos até a turma decidir sobre o futuro da investigação.

Fontes deixou claro que outros órgãos também não poderão analisar ou requisitar os documentos contra o filho do governador, o ex-secretário adjunto de Fazenda na gestão emedebista, André Luiz Cance, Amorim, o poderoso empresário João Roberto Baird, o Bill Gates Pantaneiro, e Antônio Celso Cortez, entre outros.

“DEFIRO A LIMINAR para suspender o trâmite das investigações em relação ao paciente, vedada a prática de quaisquer atos pelo Juízo apontado como coator, bem como pela Polícia Federal, inclusive com proibição de acesso e análise dos documentos apreendidos na busca e apreensão e requisitados a outros órgãos, que deverão permanecer lacrados e acautelados até pronunciamento final da E. 5ªTurma”, determinou em dezembro.

Desde o início da Operação Lama Asfáltica, deflagrada em julho de 2015, a 5ª Turma do TRF3, formada ainda pelos desembargadores Maurício Kato e André Nekatschalow, sempre acompanhou as decisões do relator. Isso significa que a tendência é a investigação dos desvios milionários no Detran ser enviado para o juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal, onde tramitam em torno de 10 ações penais da Operação Lama Asfáltica.

Na Operação Motor de Lama, a PF apontou que houve pagamento de propina pela Ice Cartões Especiais, em parceria com a PSG Tecnologia da Informação, a André Cance em troca do contrato milionário com o Detran. Os policiais reuniram indícios de que o esquema continuou na gestão tucana e a suposta propina passou a ser paga para Rodrigo Souza e Silva.

Quebra do sigilo bancário revelou repasse de R$ 1,9 milhão por Antônio Cortez ao corretor de gado José Ricardo Guitti Guímaro, o Polaco, apontado como operador do herdeiro tucano. Polaco, Rodrigo, Baird e Cortez já foram denunciados pelo MPF por integrar o esquema criminoso de pagamento de propina a Reinaldo pela JBS. A denúncia foi desmembrada na semana passada por determinação do ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça.

Apesar do trancamento do inquérito, o juiz Bruno Cezar da Cunha Teixeira, da 3ª Vara Federal de Campo Grande, negou pedido de Antônio Ignácio de Jesus Filho, da Ice Cartões Especiais, para suspender bloqueio de R$ 18,359 milhões para garantir o ressarcimento do erário no caso dos desvios no Detran.

Além do desvio no Detran, a PF apura a evasão de divisas pelo grupo. O dinheiro teria sido encaminhado ao Paraguai por meio do sistema dólar cabo.

A decisão da 5ª Turma do TRF3 pode garantir o presente de Páscoa dos investigados no suposto esquema com o envio do inquérito para a Justiça Estadual.

Destino da Motor de Lama será definido após a Páscoa (Foto: Arquivo)