PF apreendeu moeda estrangeiro durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão da Motor de Lama (Foto: Arquivo)

O juiz Bruno Cezar da Cunha Teixeira, da 3ª Vara Federal de Campo Grande, manteve o bloqueio de R$ 18,359 milhões dos acusados de integrar esquema criminoso de desvio no Detran (Departamento Estadual de Trânsito). Ele manteve o sequestro apesar do Tribunal Regional Federal da 3ª Região mandar parar a investigação a pedido do advogado Rodrigo Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Apesar das provas e evidências do crime, o desembargador Paulo Fontes, relator da Operação Lama Asfáltica no TRF3, concedeu a liminar porque não há indícios de verba federal nem de crimes de competência da 3ª Vara Federal. A investigação está suspensa desde dezembro do ano passado.

Veja mais:

TRF3 concede HC e livra filho de Reinaldo de investigação da PF por desvios no Detran

Juiz quebra sigilo bancário e fiscal de herdeiro tucano, genro de delator e mais 13 acusados

Polícia apreende quase meio milhão em dinheiro em operação contra filho de governador

Rodrigo provará “total ausência de envolvimento em qualquer ato ilícito”, garante advogado

Com base nesta decisão, que sinaliza para incompetência da 3ª Vara Federal, a Ice Cartões e o sócio, Antônio Ignácio de Jesus Filho, pediram a suspensão total ou parcial do bloqueio determinado na Operação Motores de Lama, denominação da 7ª fase da Lama Asfáltica. Além de Rodrigo, a PF investiga o ex-secretário-adjunto de Fazenda, André Luiz Cance, os empresários João Roberto Baird, João Amorim e Antônio Celso Cortez, e o correto de gado, José Ricardo Guitti Guímaro, o Polaco.

“A decisão proferida vem esteada em robusto acervo probatório indicativo da existência de um esquema de pagamento de vantagens indevidas pela empresa investigada a ANDRÉ LUIZ CANCE, favorecimento licitatório junto ao DETRAN/MS, repasse de recursos públicos à empresa PSG TECNOLOGIA APLICADA, posteriormente dissipados e remetidos para diversas pessoas investigadas (e denunciadas) e misturado também a valores supostamente remetidos para o exterior”, pontuou o magistrado, em despacho publicado nesta segunda-feira (8). A decisão é de sexta-feira (5).

“A avaliação acerca da necessidade e proporcionalidade da medida não se vincula precipuamente à realidade atual da empresa, ou à estrita contemporaneidade dos crimes supostamente praticados; busca-se garantir a futura indenização ou reparação à vítima, o pagamento das despesas processuais ou penas pecuniárias ao Estado ou evitar a obtenção do lucro pela prática criminosa. Assim, o periculum in mora que é requisito para imposição da medida cautelar diz respeito à possibilidade de dissipação patrimonial ou a frustração de reparação futura por ausência de patrimônio e não a indícios de existência de prática criminosa ainda em andamento”, concluiu, negando o pedido.

Conforme o magistrado, o bloqueio de R$ 18.359.375,65 continuará em vigor. Ele deverá repetir o mesmo que ocorreu na denúncia do suposto pagamento de propina ao ex-governador André Puccinelli (MDB). A 3ª Vara Federal manteve o bloqueio, mesmo com o encaminhamento do processo à 1ª Vara Criminal de Campo Grande. O Ministério Público Estadual ratificou o pedido e a decisão acabou mantida pelo juiz Roberto Ferreira Filho.

Além do desvio no Detran, Paulo Fontes suspendeu a investigação de evasão de divisas contra Baird e Cortez, que teriam enviado dinheiro ao Paraguai por meio de doleiros.

Conforme a PF, o esquema de pagamento de propina pela Ice Cartões começou na gestão de André Puccinelli (MDB). Os repasses eram feitos para Cance e parentes indicados pelo então operador financeiro do emedebista. O suposto esquema continuou com o filho de Reinaldo. Há depósitos de Cortez para Polaco.

Magistrado negou pedido de empresa acusada de desvio milionário: para suspender parte ou totalmente o bloqueio na Motor de Lama (Foto: Arquivo)