Investigados tentam frear investigação sobre desvios milionários no Detran, que começou na gestão de André e continua (Foto: Arquivo)

A cunhada e os sobrinhos do ex-secretário-adjunto estadual de Fazenda, André Cance, iniciaram o movimento para tirar da Polícia Federal o inquérito que apura desvios milionários no Detran (Departamento Estadual de Trânsito). Investigados por receber R$ 2,4 milhões, supostamente propina paga pela Ice Cartões, eles querem a transferência da Operação Motor de Lama, denominação da 7ª fase da Lama Asfáltica, para a Justiça Estadual.

Em despacho de segunda-feira (11), publicado hoje (13), o desembargador Paulo Fontes, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, negou liminar para suspender a quebra do sigilo bancário e fiscal decretada pelo juiz Bruno Cezar da Cunha Teixeira, da 3ª Vara Federal de Campo Grande.

Veja mais:

Com medo de PF descobrir “segredos”, filho de Reinaldo pede devolução de celular e HDs

MPF denuncia Reinaldo, filho, deputado e conselheiro do TCE por propina de R$ 67,7 milhões

Após dois anos, PF volta às ruas para apurar desvios no Detran na 7ª fase da Lama Asfáltica

Rodrigo Silva, filho de Reinaldo foi um dos alvos da PF na Operação Motor de Lama

O pedido de habeas corpus foi protocolado pela defesa de Tereza Nunes Silva, Raphael Nunes Cance e Thiago Nunes Cance, respectivamente, cunhada e sobrinhos do ex-operador do esquema do ex-governador André Puccinelli (MDB).

Conforme a PF, em troca do contrato milionário, a Ice Cartões, em conjunto com a PSG Tecnologia Aplicada, pagava propina a Cance. O suposto esquema criminoso teria continuado na atual gestão e o valor teria sido destinado ao advogado Rodrigo Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). O herdeiro também foi alvo dos mandados de busca e apreensão em novembro e teve os sigilos quebrados pela Justiça.

Os advogados alegam que não há recursos da União para a investigação continuar sendo conduzida pela PF. “Não havendo demonstração de que o suposto esquema de favorecimento em licitações junto ao Detran/MS afetou bens, serviços ou interesses da União, ou que haja conexão ou continência do apuratório com a denominada Operação Lama Asfáltica, é de se reconhecer a ilegalidade da manutenção da investigação perante a Justiça Federal”, alegaram.

Tereza, Raphael e Thiago alegam que “apenas” foram citados como recebedores, por meio de transferências bancárias, do dinheiro supostamente destinado a Cance. Conforme o juiz, a cunhada, os dois sobrinhos e Mário Cassol Neto, funcionário de Ana Cristina Pereira Silva (esposa de Cance), receberam depósitos de R$ 2,4 milhões de Antônio Celso Cortez entre 22 de abril de 2013 e 15 de fevereiro de 2016.

O desembargador Paulo Fontes negou o pedido de liminar porque não houve apresentação da cópia do despacho do juiz. Ou seja, o relator da Operação Lama Asfáltica ainda poderá suspender a investigação após o habeas corpus for devidamente instruído.

Em despacho, juiz cita repasses a cunhada e sobrinhos de André Cance (Foto: Reprodução)

“Os impetrantes não apresentaram cópia do ato ora apontado como coator e também de nenhum outro elemento referente aos supostos delitos imputados aos pacientes”, destacou Fontes.

Até o momento, réus na Operação Lama Asfáltica conseguiram transferir para a Justiça Estadual duas ações. A primeira foi do suposto pagamento de R$ 25 milhões em propinas pela JBS ao ex-governador André Puccinelli. Esta denúncia foi suspensa na véspera do início do julgamento, em abril de 2019, o primeiro do emedebista desde a deflagração da investigação, em julho de 2015.

A segunda denúncia transferida foi decorrente da Operação Aviões de Lama, contra Edson Giroto e João Amorim. Eles conseguiram a mudança na fase das alegações finais. Com a alteração, Amorim se livrou da primeira sentença na Lama Asfáltica.

A transferência pode beneficiar o filho de Reinaldo. Rodrigo Souza e Silva já é réu na 4ª Vara Criminal de Campo Grande por mandar roubar a propina de R$ 300 mil que seria entregue ao corretor de gado José Ricardo Guitti Guímaro, o Polaco. O suposto crime ocorreu em novembro de 2017 e ainda está na fase da defesa prévia. A juíza May Melke Amaral Penteado Siravegna levou mais de um ano para notificar o filho do governador.