Policiais federais cumpriram pela primeira vez mandado da Lama Asfáltica na casa do filho do governador de MS (Foto: Arquivo)

O advogado Rodrigo Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), foi um dos alvos da Operação Motor de Lama, denominação da 7ª fase da Operação Lama Asfáltica. Conforme a assessoria da Polícia Federal, ele é acusado de integrar o suposto esquema criminoso de corrupção e desvio de dinheiro no Detran (Departamento Estadual de Trânsito).

Esta é a primeira vez que um aliado do tucano é alvo da Operação Lama Asfáltica, que estava parada desde 28 de novembro de 2018. Nesta terça-feira (24), 46 policiais federais, junto com servidores da CGU (Controladoria-Geral da União) e Receita Federal, cumprem 11 mandados de busca e apreensão, quatro de medidas cautelares e o sequestro de R$ 40 milhões.

Veja mais:

MPF denuncia Reinaldo, filho, deputado e conselheiro do TCE por propina de R$ 67,7 milhões

Após dois anos, PF volta às ruas para apurar desvios no Detran na 7ª fase da Lama Asfáltica

TJ aceita denúncia e filho de governador vira réu por mandar roubar propina de Polaco

TJ contraria Reinaldo e diz que há “provas suficientes” contra filho em roubo de propina

Quebra de sigilo e rastreamento de celular confirmam confissões de quatro réus por roubo de propina

O alvo é esquema de desvio na emissão de carteiras de motorista, vistoria veicular e compras feitas pelo Detran. O grupo é investigado por evasão de divisas, com o envio do dinheiro desviado dos cofres públicos por meio de uma rede de doleiros.

O advogado Gustavo Passarelli acompanhou o cumprimento dos mandados de busca e apreensão no apartamento de Rodrigo, no Jardim dos Estados. “Ainda não tivemos acesso aos autos, por isso não podemos ainda nos manifestar”, afirmou o defensor.

Esta é a 3ª operação contra Rodrigo Souza e Silva. O filho do tucano foi alvo da Operação Vostok, que apura o pagamento de R$ 67,7 milhões em propinas pela JBS ao seu pai, Reinaldo, em troca de incentivos fiscais. Neste caso, ele acabou sendo denunciado junto com o governador ao Superior Tribunal de Justiça.

A outra operação foi para apurar o suposto roubo da propina de R$ 300 mil destinada ao corretor de gado José Ricardo Guitti Guímaro, o Polaco. Neste caso, Rodrigo virou réu por roubo em denúncia aceita pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça em setembro do ano passado.