Juiz nega pedido de Fahd Jamil para ficar em prisão domiciliar (Foto: Arquivo)

A Justiça negou pedido de habeas corpus para conceder prisão domiciliar a Fahd Jamil, 79 anos, foragido há seis meses, desde a Operação Armagedon, denominação da 3ª fase da Omertà. Réu por organização criminosa, tráfico internacional de armas e corrupção ativa, o empresário tem cinco presídios como opção para ficar detido e continuar usando o aparelho de oxigênio no período noturno.

O pedido foi negado pelo juiz Olivar Augusto Roberti Coneglian, em substituição na 1ª Vara Criminal, na quinta-feira (17). O titular, Roberto Ferreira Filho, está afastado após testar positivo para covid-19.

Veja mais:

Foragido há 6 meses e respirando com ajuda de oxigênio, Fahd Jamil insiste na prisão domiciliar

Fahd Jamil alega sete doenças, mas STJ nega pedido de prisão domiciliar pela 2ª vez

Gaeco vê ligação de grupo de Fahd Jamil, foragido pela 2ª vez, com nove execuções brutais

Fahd Jamil, Name e delegado viram réus por corrupção e obstruir investigações de homicídios

A defesa pediu a conversão da preventiva em prisão domiciliar devido à idade avançada e aos graves problemas de saúde. O empresário apresentou cinco atestados médicos à Justiça. Neste último, os advogados juntaram parecer do pneumologista Arthur Rothman, do Hospital Albert Einstein, de São Paulo, feito com base na consulta realizada no dia 9 de outubro do ano passado.

Ele atesta que o Fahd Jamil sofre de doença pulmonar obstrutiva crônica severa com predomínio de enfisema pulmonar difuso, que exige tratamento contínuo e oxigenioterapia domiciliar, com uso de oxigênio no período noturno e nas viagens de avião. Em ofício encaminhado à defesa no dia 18 do mês passado, a diretoria da Agepen atesta que não há unidade prisional no Estado para receber o empresário.

Antes de decidir, Goneglian pediu informações sobre a situação dos presídios à direção da Agepen e ao juiz corregedor do sistema prisional.

O diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, informou à defesa do empresário que não havia unidade prisional disponível para a realização do tratamento. “Considerando que os privados de liberdade diagnosticados com doenças crônicas necessitam de monitoramento e tratamento diário, vimos informar que no momento, não apresentamos nenhuma unidade prisional no Estado que possa atender as especificidades apresentadas pelo Sr Fahd Jamil, para que o mesmo continue a realizar seu tratamento, conforme relatórios médicos”, atestou o dirigente, que acabou tendo o ofício usado pela defesa para reforçar o pedido.

No entanto, à Justiça, o diretor substituto da agência, Acir Rodrigues, informou que há tratamento médico nas unidades. Ele disponibilizou à Justiça que Fahd Jamil poderá ficar na Penitenciária de Segurança Máxima, Instituto Penal, Presídio Fechado da Gameleira, Presídio de Trânsito e Centro de Triagem Anísio Lima.

O juiz Alexandre Antunes da Silva, em substituição na 1ª Vara de Execuções Penais, enfatizou que já autorizou a manutenção de outros presos em situação semelhante. Fahd terá a sua disposição cela com ponto de energia. Em último caso, conforme o magistrado, a Justiça poderá autorizar acesso de médico particular para atender o custodiado.

No despacho, Olivar Coneglian ressalta que Fahd está foragido, mas poderá ser submetido a avaliação médica em caso de apresentação e a prisão domiciliar ser reavaliada. Ou seja, ele só poderá comprovar a gravidade do estado de saúde se acatar a determinação judicial e cumprir a prisão preventiva, decretada em 15 de junho deste ano.

“Se só isso não bastasse, o Superior Tribunal de Justiça possui precedentes no sentido de indeferir a concessão da prisão domiciliar cautelar a réu foragido e apontado como chefe de organização criminosa, como é alegado no caso”, concluiu o juiz.

Com a negativa, a defesa poderá recorrer ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul e ter o pedido avaliado no plantão.