Marcelo Iunes, ao lado do governador, anulou licitação após TCE descobrir irregularidades gravíssimas (Foto: Arquivo)

Mais um escândalo marca a gestão do prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes (PSDB). Desta vez, o Tribunal de Contas do Estado encontrou indícios de restrições à competitividade, irregularidades gravíssimas e superfaturamento de 506% em obra a ser executada com recursos do Fonplata (Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata). Ao invés de corrigir o edital, o tucano decidiu anular a licitação de R$ 6,899 milhões, conforme o Diário Oficial de quarta-feira.

O novo escândalo ocorre na Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, comandada por Ricardo Campos Ametlla, que foi alvo da Operação Offset, da Polícia Federal. Apesar de ser candidato à reeleição, o tucano não afastou o secretário do cargo nem anunciou medidas para coibir o desvio. O irmão do prefeito, Márcio Iunes, também é investigado por integrar o suposto esquema criminoso.

Veja mais:

PF volta às ruas pela 2ª semana seguida e apura desvio de R$ 60 mi na Prefeitura de Corumbá

Operação da PF contra desvio de dinheiro mira irmão de prefeito e ex-assessor do Governo

Sem limites! Tribunal suspende “negócio de família” feito com dinheiro público em Corumbá

As irregularidades na concorrência da obra para revitalização do Portal da Cidade, com duplicação da Avenida Gaturama e implantação de ciclovia, constam de despacho do conselheiro Osmar Domingues Jeronymo, do TCE, publicado no dia 19 deste mês (veja aqui). O contrato envolve R$ 6,899 milhões.

“A omissão de partes do projeto e a divergência entre as planilhas orçamentárias promovem dúvidas relevantes, como a qualidade dos serviços, dos materiais a serem empregados e os métodos de execução, podendo resultar em sobrepreço ou obtenção de serviços de qualidade inferior”, alertou o conselheiro.

“No que tange ao valor estimado da obra, a equipe técnica desta Corte de Contas informa que ‘em que pese a baixa qualidade do projeto básico, a planilha orçamentária permitiu observar o emprego de métodos mais custosos para a realização do serviço’”, alertou. Este foi o caso do valor previsto para a demolição de concreto. A prefeitura queria pagar R$ 56,48 pelo metro cúbico, 506% acima dos R$ 9,31 previstos na tabela do Sinapi, usada como referência pelo poder público.

“No entanto, não há nos autos o motivo que justifica a não utilização da demolição mecanizada tendo em vista que esta é considerada mais rápida e menos custosa”, ressaltou Jeronymo.

Outros problemas foram exigências para restringir a competição, como a de que o tanque deveria ter capacidade para 20 mil litros de material betuminoso. De acordo com o conselheiro, a obra não será executada em três frentes para exigir um tanque maior.

Após TCE suspender certame por suspeita de irregularidades, prefeitura anulou edital (Foto: Reprodução)

“Portanto, detectadas as irregularidades no procedimento licitatório Concorrência n. 6/2020 e diante da iminência da prática de atos que podem prejudicar a competitividade do certame e podem ocasionar prejuízos ao erário, e, ainda, presentes o fumus boni iuris e o periculum in mora, o deferimento do pedido de concessão de medida cautelar para a suspensão do certame é a medida que se impõe”, concluiu o conselheiro do TCE.

“Assim, detectados os indícios de irregularidades no procedimento licitatório Concorrência n. 6/2020, de responsabilidade do Município de Corumbá, por intermédio da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, e presentes o boni iuris e o periculum in mora, a aplicação de medida cautelar para a suspensão da licitação busca evitar grandes danos aos cofres públicos do Município”, determinou.

O prefeito de Corumbá não teve a preocupação em corrigir os detalhes do edital, mas cancelou a licitação. Conforme o edital assinado por Osana de Lucca, publicado na quarta-feira (28), a licitação de R$ 6,899 milhões foi anulada.

Como lidera as pesquisas de intenção de voto na cidade, apesar dos escândalos, Iunes deverá lançar nova licitação após o primeiro turno, previsto para o dia 15 de novembro, ou no segundo mandato, caso vença o pleito.

Nos últimos 30 dias, a prefeitura de Corumbá foi alvo de duas operações de combate à corrupção da Polícia Federal. Iunes ainda teve contrato suspenso pela Justiça por favorecer empresa em nome do irmão e da esposa, só para citar alguns casos envolvendo o polêmico prefeito.

Revitalização do acesso à cidade custaria R$ 6,899 milhões (Foto: Arquivo)