Viaturas da PF na prefeitura de Corumbá: investigação mira 101 servidores (Foto: Diário Corumbaense)

Nesta quinta-feira (15), a Polícia Federal deflagrou a segunda fase da Operação Cornucópia, que apura o desvio de R$ 60,608 milhões na Prefeitura Municipal de Corumbá, a 424 quilômetros da Capital. É a segunda ofensiva federal contra corrupção no município em uma semana.

Na terça-feira passada (6), policiais federais foram às ruas na Operação Offset, que apura esquema de desvio de dinheiro público e fraude em licitações envolvendo dois assessores municipais e Márcio Aguilar Iunes, irmão do prefeito Marcelo Iunes (PSDB), que é candidato à reeleição. Nesta história, uma gráfica da Capital prestaria todo tipo de serviço. O valor desviado não foi divulgado.

Veja mais:

Operação da PF contra desvio de dinheiro mira irmão de prefeito e ex-assessor do Governo

Sem limites! Tribunal suspende “negócio de família” feito com dinheiro público em Corumbá

Coincidência da política: empresário se filia ao PSDB e ganha isenção do IPTU por 10 anos

Hoje, a PF cumpre sete mandados de busca e apreensão, sendo seis em Corumbá e um em Campo Grande. De acordo com a corporação, os integrantes da organização criminosa elevavam de maneira ilegal a folha de pagamento dos servidores municipais de Corumbá para ampliar a margem para empréstimos consignados. O dinheiro era sacado e repassado aos criminosos.

A primeira fase da Operação Cornucópia ocorreu em 14 de novembro de 2013. Na época, os policiais estimaram o prejuízo aos cofres públicos em R$ 5 milhões. As irregularidades teriam ocorrido entre 2008 e 2013, período em que o prefeito era Ruiter Cunha de Oliveira (PSDB). Na ocasião, servidores municipais foram presos.

Com base no material recolhido há cinco anos, a PF definiu o tamanho do rombo na Operação Cornucópia II e concluiu que é 12 vezes superior ao previsto inicialmente.

Segundo a assessoria da superintendência, na primeira fase, os líderes da organização criminosa foram indiciados. Além do sequestro dos bens para ressarcir o erário, a nova fase investiga o envolvimento de 101 servidores com o esquema de desvio de dinheiro público.

Os integrantes do grupo investigado vão ser indiciados pelos crimes de peculato e organização criminosa. O termo Cornucópia é símbolo de abundância na mitologia grega e faz alusão à riqueza dos envolvidos.

Veículos apreendidos durante a Operação Cornucópia II na Capital (Foto: Divulgação)