Quebra de sigilo e rastreamento confirmam confissão de réus por roubar propina de Polaco

Promotor Marcos Alex, junto com a PF, cumpriu mandado de busca e apreensão na casa de Rodrigo no ano passado (Foto: Arquivo)

A quebra do sigilo telefônico e o rastreamento dos celulares confirmaram os depoimentos de quatro réus confessos do roubo da propina de R$ 300 mil do corretor de gado José Ricardo Guitti Guímaro, o Polaco. Os detalhes constam da denúncia aceita pela juíza May Melke Amaral Penteado Siravegna, da 4ª Vara Criminal de Campo Grande.

Na terça-feira passada (17), a 2ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul aceitou a denúncia contra o advogado Rodrigo Souza e Silva, 30 anos. O filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) é acusado de ser o mandante do roubo e se tornou o 8º réu no processo. O caso se transformou em escândalo nacional ao ser reproduzido domingo (22) no Fantástico, da TV Globo.

Veja mais:

Mídia nacional repercute denúncia contra filho de tucano; em MS, reação vai do silêncio à fúria

TV destaca ação contra filho de Reinaldo, mas ignorou denúncia para não prejudicar a reeleição

TJ aceita denúncia e filho de governador vira réu por mandar roubar propina de Polaco

Quadrilha diz que roubou propina de R$ 270 mil paga pelo Governo a Polaco

Para evitar delação de Polaco, filho de governador cogitou matá-lo, diz laranja de construtora

A denúncia é assinada pelos promotores Clóvis Amauri Smaniotto e Marcos Alex Vera de Oliveira e foi aceita pela juíza em 17 de agosto do ano passado. O primor de Reinaldo, o sargento da reserva da Polícia Militar, Hilarino Silva Ferreira, o Lino, 53 anos, é acusado de contratar o grupo para roubar o dinheiro e de ter entregue a propina.

O intermediador entre ele e o grupo, conforme o MPE, foi o seu sobrinho, o despachante David Cloky Hoffmam Chita, 35. O líder do grupo era o pedreiro aposentado Luiz Carlos Vareiro, o Véio, 63.

Dos cinco presos pelo Batalhão de Choque no dia 6 de dezembro do ano passado, quatro confessaram participação no crime. Eles contaram que foram contratados a pedido de Rodrigo Souza e Silva para roubar a propina destinada a Polaco. Como o dinheiro era ilícito, eles tinham certeza de que sairiam impunes do episódio, porque o corretor de gado não registraria queixa na Polícia Civil.

A expectativa era de que Polaco fosse receber a propina. No entanto, ele pediu para um amigo, o comerciante Ademir José Catafesta encontrar Lino no estacionamento do Supermercado Comper da Rua Joaquim Murtinho. O empresário aquidauanense confirmou o encontro e o pedido de Polaco.

Este versão, conforme os promotores, foi confirmada com a quebra do sigilo telefônico. No dia do encontro, Catafesta ligou três vezes para o primo do governador, que entregou os R$ 300 mil, e duas vezes para Polaco.

Trecho da denúncia aceita pela Justiça no ano passado (Foto: Arquivo)

Rastreamento dos telefones celulares e imagens das câmeras de segurança indicam que Hilarino Silva Ferreira saiu da empresa e no carro da Trucadão, que pertence a Rodrigo Souza e Silva, e se encontrou com Catafesta no supermercado. O dinheiro foi transportado no porta-malas dos veículos.

No dia do roubo da propina, Vareiro ligou três vezes para David Chita, que teria repassado o local da entrega da propina e o itinerário de Catafesta. O MPE identificou 22 ligações entre os telefones de ambos.

Os promotores destacam que o músico Jozué Rodrigues das Neves, o Cézar Cantor, 43, fez 312 ligações para Vinícius dos Santos Kreff, 26, responsável pela interceptação de Ademir Catafesta na BR-262. O rastreamento dos celulares confirma que o quinteto estava em Terenos na tarde do crime.

O MPE confirmou 18 ligações de Lino para Polaco entre os 19 de outubro e 29 de novembro de 2017, período em que teria ocorrido a negociação para pagar a propina. Houve ligações do telefone do filho do governador, mas esses dados constam da ação que tramita em segredo.

Dos oito réus neste escândalo, dois estão presos: Fábio Augusto de Andrade Monteiro, 25, e Jefferson Braga de Souza Júnior, o Neguinho. A prisão não tem ligação com este crime.

Conforme a denúncia, o total roubado não foi de R$ 270 mil, como vinha sendo divulgado, mas R$ 300 mil. Os acusados de participar do assalto ficaram com R$ 70 mil, enquanto Vareiro ficou com o restante para entregar ao primo e ao filho do governador do Estado.

Os promotores não incluíram na denúncia o suposto crime de queima de arquivo, porque o grupo não tentou matar Polaco. Conforme depoimento de Véio ao Fantástico, em maio de 2017, o corretor escapou porque estava acompanhado da mulher e do filho. Ele disse que o objetivo era jogá-lo fora da rodovia e mata-lo sem usar arma de fogo.

Já na segunda vez, Polaco escapou porque mandou o comerciante Ademir Catafesta em seu lugar.

Governador reage à denúncia contra o filho, que classificou como “covardia” para atingi-lo (Foto: Kísie Ainoã/Campo Grande News)

Os réus na 4ª Vara Criminal

  • Hilarino Silva Ferreira, sargento da PM, 53
  • David Cloky Hoffmam Chita, despachante, 35
  • Luiz Carlos Vareiro, o Véio, aposentado, 63
  • Jozué Rodrigues das Neves, o Cézar Cantor, músico, 43
  • Vinícius dos Santos Kreff, autônomo, 26
  • Fábio Augusto de Andrade Monteiro, autônomo, 25 (preso)
  • Jefferson Braga de Souza, o Jê ou Neguinho (preso)

À TV Globo, o advogado do corretor, José Roberto Rodrigues da Rosa, negou que seu cliente tenha recebido propina para não fazer delação premiada.

O advogado de defesa de Rodrigo, Gustavo Passarelli, destacou que não há provas contra o seu cliente. Ao Correio do Estado, ele anunciou que recorrerá até ao Superior Tribunal de Justiça e provará a inocência do filho de Reinaldo durante a instrução processual.

No sábado e ontem, em entrevista ao Campo Grande News, o governador voltou a defender Rodrigo. Ele classificou a denúncia contra o filho de “covardia”. (veja aqui). Ele classificou os réus confessos como “bandido da pior qualidade”. “A verdade sempre prevalece a mentira”, destacou, citando o julgamento do STJ que o inocentou da denúncia feita pelo Fantástico no dia 28 de maio de 2017.

A juíza May Melke Amaral Penteado Siravegna rejeitou a denúncia contra o filho do tucano. No entanto, no ano passado, ela determinou mandado de buscas e apreensão na casa do advogado. Como o Tribunal de Justiça aceitou a denúncia, ela vai conduzir o julgamento contra os oito suspeitos do roubo da propina.

Luiz Carlos Vareiro, o Véio, em depoimento exibido no Fantástico: teor foi confirmado por quebra de sigilo e rastreamento (Foto: Reprodução)
Compartilhar
Publicado por
Edivaldo Bitencourt

Posts recentes

  • MS

Mandetta patina e Simone tem 0,7% para presidente; instituto testa potencial de senadora

Na primeira pesquisa nacional, Simone ficou com menos de 1% no cenário mais provável (Foto:… Ler mais

29/07/2021
  • MS

PF investiga movimentação atípica de R$ 4 mi de Polaco e assombra outros alvos da Vostok

Depoimento de Polaco ocorreu na tarde de ontem na PF em Campo Grande (Foto: Leonardo… Ler mais

29/07/2021
  • MS

MPE não vê novas provas e opina pela manutenção de oito anos de prisão de Gilmar Olarte

Ex-prefeito da Capital está preso desde maio e tenta anular sentença, mas MPE diz que… Ler mais

29/07/2021
  • MS

De olho na presidência, Mandetta imita Lula e fará tour pelo Nordeste em agosto

Mandetta vai fazer tour pelos estados do Nordeste em busca de viabilidade para disputar a… Ler mais

28/07/2021
  • MS

Grupo americano entra na luta contra construtora da casa de Giroto por contrato do Aquário

Contrato milionário do Aquário para na Justiça e mantém ameaça de travar obra emblemática e… Ler mais

28/07/2021
  • MS

Após TJ livrar juiz por falta de quórum, CNJ vai investigar Aldo por venda de sentença

Corregedora-nacional de Justiça, ministra Maria Thereza, não concordou com decisão do TJ e abriu procedimento… Ler mais

28/07/2021

This website uses cookies.