Miguel Vieira se aposentou em outubro, com direito a salário integral no MPE. (Foto: Arquivo)

Caminhando a passos lentos há sete anos e com nove mil páginas, a ação de improbidade administrativa contra o ex-procurador-geral do MPE (Ministério Público Estadual), Miguel Vieira da Silva, agora terá prioridade de tramitação.

O pedido partiu da defesa, que alegou, em junho de 2020, que o réu é idoso e tem doença grave (câncer). No fim de novembro deste ano, o juiz da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, Ariovaldo Nantes Corrêa, determinou que o caso tenha prioridade, como prevê o Código de Processo Civil.

Veja mais:

Réu por improbidade, ex-chefe do MPE se livra de punição e se aposenta com salário integral

Suspeito de cobrar “mensalão”, procurador tinha poupança em casa para não pagar tarifa bancária

Suspeito de receber propina de R$ 300 mil por mês, ex-chefe do MPE pode perder R$ 880 mil

Miguel Vieira, 69 anos, foi denunciado por acordo para proteger o então prefeito de Dourados, Ari Artuzi (já falecido), alvo de operações policiais. Em troca, teria pagamento de R$ 300 mil. A existência desse mensalão, relativo ao ano de 2010, veio  à tona numa gravação  da operação Uragano, em que  o ex-deputado estadual Ary Rigo (já falecido) cita o valor.

No total, conforme a denúncia do Ministério Público, o ex-chefe da instituição movimentou R$ 880 mil sem comprovação da origem. O montante inclui depósito de R$ 249 mil sem origem comprovada, compra de apartamento da Plaenge em Campo Grande (R$ 211 mil), um imóvel em Bonito (R$ 50 mil) e aquisição de apartamento em Maceió (R$ 320 mil). No despacho do último dia 30, o juiz determinou que Miguel Vieira esclarecesse a origem e destino de remessa no valor de R$ 49.851,79, conforme solicitado por perito.

Até então, a justificativa para o valor de R$ 249 mil foi uma poupança particular. Ou seja, mantinha dinheiro em espécie para se livrar das taxas bancárias.

Apesar de o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) ter recomendado a expulsão do procurador, ele se aposentou em outubro deste ano com direito a salário integral.