Reinaldo e o deputado estadual Eduardo Rocha (de azul): nomeação deve desfalcar palanque de André (Foto: Arquivo)

O deputado estadual Eduardo Rocha, marido da senadora Simone Tebet, deve assumir a Secretaria Estadual de Governo, e abrir a vaga na Assembleia Legislativa para o ex-prefeito de Corumbá, Paulo Duarte. De acordo com o site Campo Grande News, eles devem ganhar os cargos ao abandonar o ex-governador André Puccinelli (MDB) para dar apoio ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

A estratégia tem o objetivo de reforçar a candidatura a governador do secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel (PSDB), e esvaziar o palanque do emedebista. A estratégia foi definida por Sérgio de Paula, chefe da Casa Civil e presidente regional do PSDB.

Veja mais:

Secretário usa Segov para exigir cargo ao Podemos e amplia crise; Murilo vê “grande fogo amigo”

Presidente do Podemos usa avião do Estado para acertar filiação de prefeito em Corumbá

Acusado de usar cargo para enfraquecer PSDB, Murilo deixa Segov e fortalece Sérgio de Paula

A medida pode ser considerada uma tacada de mestre, porque garante um nome forte para o tucano em Corumbá, onde o atual prefeito, Marcelo Iunes, trocou o PSDB pelo Podemos. Duarte perdeu a última eleição justamente para Iunes e é uma das principais lideranças do Pantanal.

Com a ida de Rocha para o Governo, Reinaldo pode ganhar o apoio de Simone, que tem enfrentado dificuldade para disputar a reeleição e para se viabilizar como candidata a presidente da República pelo MDB em 2022. Em 2018, quando Puccinelli foi preso e desistiu de disputar o Governo, ele apostou as fichas na senadora, mas ela acabou desistindo da disputa alegando motivos pessoais e abrindo caminho para a reeleição de Reinaldo.

De acordo com o Campo Grande News, outras lideranças importantes devem desfalcar o MDB no próximo ano. O site não menciona nomes, mas insinua que vão abalar a candidatura do ex-governador, já fragilizada com as denúncias de corrupção na Operação Lama Asfáltica.

Os boatos de que Paulo Duarte trocaria o MDB pelo PSDB, partido que lhe impôs duas derrotas na disputa da prefeitura de Corumbá por duas vezes, começaram há algumas semanas. Ele até participou de reunião dos sindicalistas da sua categoria com o governador no mês passado.

Com a experiência de secretário de Governo, de Receita e de Infraestrutura na gestão de Zeca do PT e prefeito de Corumbá por um mandato, ele já passou pelo PT, PDT e MDB. Ao lhe garantir a vaga de deputado em troca de apoio, Reinaldo garante o apoio de Duarte para a campanha de Riedel.

Rocha e Simone são importantes lideranças em Três Lagoas, onde o tucano perdeu os dois turnos para o juiz federal aposentado Odilon de Oliveira (sem partido) nas eleições de 2018.

O presidente municipal do MDB, Ulisses Rocha, não acredita que Rocha e Paulo Duarte vão migrar para o ninho tucano. Para o dirigente emedebista, os dois deputados do partido, inclusive Márcio Fernandes, sempre votaram com o Governo no legislativo. A ida do deputado para a articulação política do Governo não significa, na sua avaliação, adesão automática ao projeto do PSDB em 2022.

Contudo, na política sul-mato-grossense, o cargo de deputado estadual ou federal sempre serviu de moeda de troca de apoio. No primeiro mandato do tucano, a nomeação de Márcio Monteiro na Secretaria de Fazenda garantiu o apoio de Elizeu Dionizio, então no PSB, ao tucano.

A dança de cadeiras deverá ser confirmada depois do feriado da Proclamação da República. O Jacaré não conseguiu falar com o ex-deputado Paulo Duarte sobre o acordo com o Reinaldo.

Eduardo Rocha deve ocupar o cargo ocupado interinamente pelo ex-vereador de Campo Grande, Flávio César de Oliveira. Ele foi nomeado após a demissão de Sérgio Murilo, presidente regional do Podemos, que foi acusado de usar a estrutura do Governo para reforçar o palanque de Rose Modesto em 2022.

Depois de passar pelo PT, PDT e MDB, Paulo Duarte deve abandonar Puccinelli e migrar para o PSDB (Foto: Arquivo)