MS

Rachel tem 41,27%, contra 35,82% de Bitto na disputa pela OAB, segundo pesquisa do IPR

Rachel Magrini (no centro) passou de 31,21% para 41,27% em pesquisa do IPR (Foto: Divulgação)

Nova pesquisa do IPR (Instituto de Pesquisa Resultado) mantém Rachel Magrini, da chapa “Um Novo Tempo para a OAB/MS”, na liderança com 41,27%, contra 35,82% do candidato Luís Cláudio Alves Pereira, o Bitto, da chapa “Mais OAB”. Disputando como a 3ª via, a advogada Giselle Marques, da chapa “OAB 4.0 – Mudança de Verdade” ficou com 4,91%.

Realizada entre os dias 14 e 16 deste mês, a sondagem ouviu 550 profissionais em 13 cidades e tem margem de erro de 4,1%. Conforme o levantamento divulgado pelo Campo Grande News, Rachel manteve o crescimento iniciado em maio deste ano, quando tinha 31,21%. Ela chegou a 40% no mês passado e agora tem 41,27%.

Veja mais:

Em disputa embolada pela OAB: Rachel cresce 10,91% e Bitto sobe 4,86%, segundo Ipems

Rachel e Giselle lutam para fazer história; Bitto tenta emplacar 3º mandato de grupo na OAB

Primeira mulher a presidir OAB, Elenice fez história e participou grandes momentos do Brasil

Bitto também manteve a oscilação positiva no período, passando de 25,7% em maio para 34,25% no mês passado e, agora, 35,82%. Giselle passou de 1,84%, há cinco meses, para 2,5% no mês passado e, 4,91% neste mês. Como a margem de erro da pesquisa é de 4,1%, há um empate técnico entre Rachel e Bitto. Ela pode oscilar entre 37,17% e 45,37%, enquanto ele varia de 31,72% e 39,95%.

Na espontânea, sem apresentar o nome dos candidatos, Rachel tem 31,8%, contra 30,36% de do candidato de Mansour Elias Karmouche e 2,91% da candidata da 3ª via.

Bitto Pereira passou de 25,7% para 35,82% em cinco meses, segundo IPR (Foto: Divulgação)

A maioria absoluta dos advogados e advogadas defende alternância no comando da OAB. De acordo com o IPR, 62,91% defendem a eleição de uma candidata de oposição. Rachel e Giselle também lutam para fazer história e disputam para ser a segunda mulher a presidir a Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul, em 40 anos.

Já 37,09% dos advogados defendem a continuidade no comando da OAB. Esse grupo apoia a permanência do grupo de Mansour Elias Karmouche no comando da entidade. Ele está no segundo mandato e tenta garantir a permanência dos aliados por mais três anos.

Já a pesquisa do Ranking, divulgada pelo Campo Grande News, mostra Bitto na liderança, com 51,85%, contra 43,85% de Rachel e Giselle, 4,3%. A margem de erro é de 4,5%. Isso significa novo empate técnico. O candidato da situação varia entre 47,35% e 56,35%, enquanto Rachel pode ter entre 39,35% e 48,35%.

As eleições da OAB/MS ocorrem no dia 19 de novembro deste ano.

Giselle Marques passou de 1,84% para 4,91% em pesquisa do IPR (Foto: Divulgação)
Compartilhar
Publicado por
Edivaldo Bitencourt

Posts recentes

  • MS

Tribunal mantém bloqueio de R$ 50,7 mi de ex-secretário em ação de fraude e propina no lixo

João Antônio De Marco não teve a mesma sorte de Nelsinho: turma reduziu o valor,… Ler mais

27/11/2021
  • Opinião

Democracia não é perfeita, mas tem qualidades que não existem na ditadura, diz jornalista

No artigo “A democracia e o autoritarismo”, o jornalista e filósofo Mário Pinheiro destaca que… Ler mais

27/11/2021
  • MS

Com ameaça de nova onda da covid-19, Marquinhos cancela carnaval pelo 2º ano consecutivo

Prefeito anunciou o cancelamento do carnaval de rua em 2022 na Capital (Foto: Divulgação) Com… Ler mais

26/11/2021
  • MS

Jornais ignoram denúncias de corrupção, mas ficam “chocados” com dança de vereador

Vereador causou perplexidade em alguns jornais ao dançar no plenário da Câmara. O que faz… Ler mais

26/11/2021
  • MS

Corregedora de Justiça cobra agilidade de TJ nas sindicâncias contra juiz por venda de sentença

Ministra determinou que Lós envie procedimento contra juiz Aldo Ferreira, que começou há três anos,… Ler mais

26/11/2021
  • MS

André diz que Reinaldo seguiu exemplo, mas MPE insiste na condenação por adesivar ônibus

Puccinelli diz que atual governador também colocou adesivos com slogan do Estado porque não há… Ler mais

26/11/2021

This website uses cookies.