Grupo se concentrou na Praça do Rádio e foi até o CMO na manhã deste domingo (Foto: Divulgação)

Com críticas ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luís Roberto Barroso, ao deputado federal Fábio Trad (PSD) e à senadora Simone Tebet (MDB), a carreata pela volta do voto impresso e contagem pública reuniu centenas de veículos na manhã deste domingo em Campo Grande. Os organizadores não divulgaram a estimativa do número de participantes.

Liderados por um trio elétrico gigante, o grupo saiu da Praça do Rádio e percorreu a Avenida Afonso Pena até chegar no CMO (Comando Militar do Oeste). Dos oito deputados federais, o único que se manifestou oficialmente a favor da proposta foi Dr. Luiz Ovando (PSL), conforme os próprios manifestantes.

Veja mais:

Impulsionado por live polêmica de Bolsonaro, grupo faz ato a favor do voto impresso

Se tiver sorte de chegar ao 2º turno, Mandetta derrotaria Bolsonaro, diz pesquisa do El País

Em meio a ameaça de golpe militar, 2 mil vão às ruas em mais um protesto contra Bolsonaro

“Impressionante como o povo brasileiro está engajado na causa dessa manifestação. Pacífica. Ordeira. Com as cores da nossa bandeira. Movimentos verdadeiramente democráticos, onde cobramos transparência no processo eleitoral. Voto impresso e contagem pública dos votos! É emocionante!”, avaliou o deputado estadual Capitão Contar (PSL), um dos participantes do evento. Coronel David (sem partido) foi procurado, mas não respondeu.

Com a bandeira do Brasil, vestindo verde e amarelo, os manifestantes também defenderam a reeleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Assessores de Ovando aproveitaram para colher assinatura pela criação do partido Aliança pelo Brasil. Bolsonaro planejava se filiar ao novo partido, mas como a criação não foi concretizada até o momento, ele estuda se filiar a um dos partidos do Centrão, como o PP ou PTB.

Capitão Contar disse que ficou impressionado com a manifestação deste domingo (Foto: Divulgação)

“Nós queremos contagem pública de votos”, defenderam os organizadores no alto do trio elétrico. “Cobre o seu parlamentar o voto impresso”, defenderam. Eles também pediram para a população pressionar os deputados federais a aprovar a PEC do Voto Impresso, que voltará a ser discutida em agosto. Para entrar em vigor em 2022, o projeto deve ser aprovado até setembro.

Dois parlamentares foram citados durante a carreata. “Fábio Trad nunca mais”, bradaram, sobre o deputado que vem se posicionando de forma crítica e dura contra Bolsonaro nas redes sociais. “Vamos demitir a Simone Tebet e o Fábio Trad”, pregou outro, referindo-se a senadora que vem ganhando destaque na CPI da Covid do Senado. A emedebista cogita ser candidata a presidente da República pelo MDB.

“Estamos mais de 20 anos sem saber quem conta e como conta nossos votos”, afirmaram, apesar de Bolsonaro ter sido reeleito deputado federal no Rio de Janeiro por vários mandatos e eleito presidente da República pelo atual sistema. “O Japão com toda a sua tecnologia usa voto impresso”, disse um dos manifestantes, sobre o país sede das Olímpiadas desse ano.

Esta informação é contestada pelo TSE (veja aqui). De acordo com o tribunal, 32 países usam urnas eletrônicas, inclusive o Japão, Coréia do Sul, Canadá, Austrália e alguns estados dos Estados Unidos.

Aliás, o ministro Barroso foi um dos principais alvos dos manifestantes. Outro alvo foi o ministro Alexandre de Moraes, que deverá assumir o comando da Justiça Eleitoral. Um boneco gigante com a frase: “Voto impresso auditável? Eu que vou auditar! F.-se o povo!”.

A PEC do Voto Impresso deverá ser votada pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados no início deste mês. Em live na quinta-feira, Bolsonaro foi acusado de espalhar mentiras e publicar vídeos com fake news sobre as urnas eletrônicas. Ele admitiu não ter provas de fraudes nas eleições, mas ressaltou que há indícios.

Centenas de veículos participaram de manifestação pela contagem pública de votos e pela volta do voto impresso (Foto: Reprodução)