Ex-ministro ampliou vantagem sobre presidente em eventual 2º turno diz pesquisa do Atlas Político (Foto: Arquivo)

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), ampliou a vantagem e derrotaria o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em eventual disputa no segundo turno, segundo levantamento do Instituto Atlas Político, divulgado hoje (30) pelo jornal espanhol El País. No entanto, o campo-grandense vai precisar de muita sorte para passar do primeiro turno.

Conforme a pesquisa realizada com de 26 a 29 deste mês em todo o País, o cenário extenso com vários pré-candidatos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria 39,1%, contra 35,9% de Bolsonaro. Mandetta ficaria em 7º lugar, com apenas 2,3%, mesmo percentual do apresentador de TV, Danilo Gentili (sem partido).

Veja mais:

Bolsonaro sobe e reduz vantagem de Mandetta em eventual 2º turno, diz pesquisa do El País

Mandetta derrotaria Bolsonaro no 2º turno, mas o desafio será chegar lá, diz pesquisa

Bolsonaro lidera com folga e Doria bate Mandetta em MS, diz 1ª pesquisa para presidente

Na frente do ex-ministro estariam o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), com 6,2%, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com 3,5%, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), com 3,1%. O apresentador da Bandeirantes, José Luiz Datena (sem partido), teria 1,6%, o senador Tasso Jereissati (PSDB), 1,3%.

A pesquisa apontou que Mandetta derrotaria Bolsonaro em eventual segundo turno por 42,9% a 37,5%. A vantagem do ortopedista campo-grandense passou e 1,9% em maio para 5,4% neste mês. O levantamento reflete o desgaste do presidente com as denúncias de corrupção na compra de vacina e as insinuações sem provas de que houve fraude na eleição com urna eletrônica.

Bolsonaro ainda seria derrotado por Lula (49,2% a 38,1%), Ciro (43,1% a 37,7%) e pelo ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), por 41,9% a 38,1%. O presidente derrotou o petista ao se eleger presidente nas eleições de 2018. Doria derrotaria o capitão por margem menor, em empate técnico, por 40,6% a 38,1%.

Já o presidente venceria o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro (sem partido), por 34,7% a 31,7%, e Eduardo Leite, o primeiro governador assumidamente gay do País, por 37,5% a 32,2%. Lula venceria Ciro por 37% a 20,6%.

O Atlas sondou a imagem positiva dos candidatos: Lula tem 43%, seguido por Bolsonaro (37%), Haddad (34%), Ciro (32%) e Mandetta, com 31%, mesmo percentual do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão (PRTB).

A percepção positiva de Mandetta é superior a outros pré-candidatos a representar a 3ª via, como Moro (28%), Doria (27%), Datena (22%), Leite (20%), Gentili (19%) e Tasso (13%).

Por outro lado, Mandetta tem uma das menores rejeições. Para 44% dos brasileiros, a imagem do ex-ministro da Saúde é negativa, abaixo dos índices de Bolsonaro (62%), Doria (56%), Moro (55%) e Lula (54%), Haddad (52%), Ciro (50%) e Datena (47%).

Para tentar decolar nas pesquisas, Mandetta planeja percorrer o País a partir de agosto. Na primeira ofensiva, ele quer seguir o exemplo de Lula e percorrer os estados do Nordeste, como Bahia, Pernambuco e Paraíba. O ex-ministro pretende se reunir com médicos e profissionais de saúde e políticos do Democratas.