Simone admite que pode ser pré-candidata do MDB a presidente da República (Foto: Arquivo)

Mato Grosso do Sul pode ter dos pré-candidatos a presidente da República. O MDB se prepara para anunciar o programa de governo e a candidatura da senadora Simone Tebet no final de agosto. Já o DEM bateu o martelo que o candidato ideal é o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e deve anuncia-lo oficialmente em setembro. As informações são do jornal Folha de São Paulo desta segunda-feira (19).

Os dois sul-mato-grossenses são cotados para ser o representante da 3ª via e quebrarem a polarização entre o atual presidente, Jair Bolsonaro (sem partido), e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Os dois lideram as pesquisas e deixaram os adversários comendo poeira, com menos de dois dígitos, em todos os levantamentos.

Veja mais:

Mandetta fica em 4º lugar e bate Datena e candidatos a presidente do PSDB em 2022, diz XP/Ipesp

MPE insiste na devolução de R$ 10 mi de Simone, Nelsinho e outros notáveis por salário ilegal

Sem cargo oficial, Simone Tebet brilha na CPI da Covid e ganha destaque na mídia nacional

No entanto, com a expectativa de viabilizar um nome de centro-direita, nove partidos criaram um grupo em aplicativo de mensagens para discutir uma alternativa: MDB, DEM, Solidariedade, PV, Podemos, PSL, Cidadania, PSDB e Novo.

De acordo com o jornal paulista, Simone já conta com o apoio dos principais grupos do MDB para ser lançada como candidata a presidente da República. O lançamento será no final de agosto, quando o partido lançará o plano de governo denominado “Ponto de equilíbrio”, elaborado pela Fundação Ulysses Guimarães.

O MDB nunca chegou a presidência da República pelo voto direto, apesar de já ter comandado País três vezes. José Sarney assumiu com morte antes da posse de Tancredo Neves, eleito indiretamente pelo colégio eleitoral. Itamar Franco assumiu com a cassação do presidente Fernando Collor de Mello, enquanto Michel Temer chegou ao posto mais lato com o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

“O nome que vamos apresentar vai defender esse projeto de país e um dos nomes favoritos para defende-lo é o da Simone”, afirmou o deputado federal Baleia Rossi, presidente nacional do MDB. Simone vem ganhando destaque nacional com a atuação na CPI da Covid do Senado, mesmo não fazendo parte da comissão. Ela conseguiu dar a volta por cima, após ser derrotada na disputa do Congresso pelo senador Rodrigo Pachedo, do DEM, de Minas Gerais.

Em setembro será a vez do DEM oficializar o nome de Mandetta como pré-candidato a presidente da sigla. Os democratas nunca tiveram desempenho bom nas eleições presidenciais e só chegaram ao cargo de vice-presidente com Marco Maciel nos dois mandatos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), quando o partido ainda se chamava PFL.

Oscilando entre 1% e 5% nas pesquisas, Mandetta ganhou notoriedade no Ministério da Saúde e no início da pandemia, quando concedia entrevistas diariamente para defender as medidas de contenção da doença. Ele chegou a ser apresentado como o candidato da 3ª via pela revista Veja, que se notabilizou em lançar candidatos, como Collor nos anos 90, FHC em 1994 e Aécio Neves em 2014.

De acordo com a Folha de São Paulo, o DEM concluiu, com base em pesquisas, que Mandetta possui o perfil ideal desejado pela população brasileira. O democrata foi secretário de saúde da Capital na gestão de Nelsinho Trad, quando se envolveu no polêmico escândalo do Gisa, e deputado federal.

Simone Tebet foi prefeita de Três Lagoas, deputada estadual, vice-governadora na gestão de André Puccinelli (MDB) e senadora. Ela chegou a ter os bens bloqueados por suspeita de desvios na obra do balneário quando comandou o município, mas teve a denúncia arquivada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Desde Jânio Quadros, que se elegeu presidente da República em 1961, Mato Grosso do Sul não teve nenhum candidato na disputa do maior cargo no País.

Mesmo patinando nas pesquisas, Mandetta é visto como nome ideal para ser o nome da 3ª via pelo DEM (Foto: Arquivo)