Presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, negou dois habeas corpus de Wilson Tavares de Lima e manteve julgamento de juiz acusado de corrupção (Foto: Arquivo)

O ministro Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça, negou, na manhã desta quarta-feira (7), pedidos de liminares em dois habeas corpus do advogado Wilson Tavares de Lima. Com a decisão, está mantido o julgamento das três ações penais contra o juiz Aldo Ferreira da Silva Júnior, acusado por vários crimes. O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul vai fazer sessão presencial para analisar o caso.

Lima ingressou com HC no STJ porque tinha solicitado a sustentação oral da defesa durante o julgamento, mas o pedido não havia sido analisado. Então, ele pediu a suspensão do julgamento. Martins negou dois pedidos do advogado para adiar o julgamento. Esta seria a 3ª vez que o tribunal adiaria a análise das denúncias.

Veja mais:

Lós pede vista e adia julgamento de ações que podem condenar juiz a pagar R$ 78,3 milhões

Advogado vai ao STJ para suspender julgamento sigiloso do maior escândalo da Justiça de MS

Juiz, esposa e empresários viram réus e têm R$ 24,3 mi bloqueados por fraude em precatório

Inicialmente, as ações penais contra Aldo Ferreira seriam analisadas pelo Órgão Especial em fevereiro. No entanto, houve pedido de vista do desembargador João Maria Lós, que é relator de um procedimento administrativo contra o magistrado, e nova data foi agendada para o início de maio. Novo pedido de vistas, de um desembargador mantido em sigilo pela corte, adiou para esta quarta-feira.

Para evitar novo adiamento, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Carlos Eduardo Contar, convocou os 15 desembargadores para a realização de sessão presencial. A assessoria de imprensa confirmou a medida. Os advogados poderão fazer a sustentação oral por meio de videoconferência.

O Ministério Público Estadual pede a condenação do Silva Júnior por vários crimes e cobra o ressarcimento de R$ 78,379 milhões na esfera criminal.

Wilson Tavares de Lima, o juiz e a esposa do magistrado, a advogada Emmanuelle Alves Ferreira da Silva, junto com outros 20 réus foram denunciados pelos crimes de associação criminosa, falsidade ideológica, corrupção ativa de testemunha e corrupção passiva. Eles podem ser condenados a perda de R$ 5,451 milhões, reparação de R$ 5,451 milhões e ao pagamento de danos morais de R$ 27,256 milhões.

A segunda denúncia contra Aldo inclui mais oito pessoas, inclusive o pai, Aldo Ferreira da Silva. Eles são acusados de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e podem ser condenados a pagar reparação de R$ 29,232 milhões a título de danos morais. O MPE pede a perda do cargo de magistrado.

A terceira ação criminal envolve o juiz e mais cinco pessoas. O procurador Paulo Cezar dos Passos pediu a condenação por falsidade ideológica, corrupção passiva e supressão de documento. Ele pede a condenação a pagar R$ 10,9 milhões, referente a perda de R$ 439,2 mil, reparação de R$ 1,758 milhão e R$ 8,792 milhões a título de danos morais.

Além das ações penais, a corte analisará um agravo interno criminal, que pode levar a suspensão do julgamento das três ações. O escândalo veio a tona em outubro de 2019 com a Operação Espada da Justiça, deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

No ano passado, o juiz ingressou com vários recurso para protelar a análise das denúncias pelo Órgão Especial. Ele tentou tirar o desembargador Luiz Gonzaga Mendes Marques da relatoria das ações penais e até impedir Carlos Contar de analisar os pedidos de suspeição. O presidente da corte até o ano passado, desembargador Paschoal Carmello Leandro, declarou-se suspeito para analisar os recursos.

Sessão será secreta para julgar magistrado afastado por suspeita de corrupção (Foto: Arquivo)