Entidades apontam “vícios” no TCE e pedem afastamento dos três conselheiros investigados

Associações de auditores querem o afastamento de Osmar Jeronymo, Ronaldo Chadid e Waldir Neves e abertura de procedimento administrativo contra conselheiros investigados pela PF (Foto: Arquivo)

Entidades dos auditores cobraram o afastamento dos três conselheiros do Tribunal de Contas do Estado – Osmar Domingues Jeronymo, Ronaldo Chadid e Waldir Neves Barbosa – investigados na Operação Mineração de Ouro, deflagrada ontem (8) pela Polícia Federal. Em nota, elas voltaram a alertar para três vícios cometidos pela corte fiscal, que dificulta o combate à corrupção e a transparência.

A nota foi divulgada pelos presidentes da ANTC (Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo dos Tribunais de Contas do Brasil), Ismar Viana, e da AUDI-TCE/MS (entidade dos auditores do Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul), Fabiana Félix Ferreira.

Veja mais:

PF apura negócios milionários de Osmar Jeronymo com sócio de Beira-mar e preso por tráfico

TCE pagou R$ 80,7 milhões a empresa que contratou parentes de conselheiros e de políticos

Advogado perde R$ 7,7 milhões ao não explorar mina comprada de sobrinho de conselheiro

Operação Mineração de Ouro apreende R$ 1,6 milhão em dois endereços ligados a conselheiros

Alegando “profundo constrangimento” e “preocupação”, eles cobraram que o TCE siga o exemplo do Poder Judiciário e instaure procedimento administrativo-disciplinar para apurar, de forma isenta e imparcial, as acusações feitas contra três dos sete conselheiros do órgão.

“Não se prega, com isso, nenhum tipo de prejulgamento ou de justiçamento sobre os fatos descortinados na operação deflagrada no dia de hoje (terça), já que a presunção de inocência vale para todos e só se pode falar em culpa após o devido processo legal, pautado em acusação fundamentada, defesa altiva e julgamento imparcial”, defenderam.

“É inegável que os fatos denunciados apresentam elevado potencial de colocar em dúvida a credibilidade da instituição responsável pelo controle do dinheiro público que pertence ao povo sul-mato-grossense, cuja missão institucional é o exercício do controle externo de toda a Administração Pública do Estado do Mato Grosso do Sul, com importante papel de prevenir a corrupção e garantir a eficiência do gasto público”, alertaram.

Osmar Jeronymo, Waldir Neves e Chadid são acusados de integrar organização criminosa para desviar recursos públicos, movimentar milhões por meio de nomeação de funcionários fantasmas e de parentes, superfaturamento de obras públicas, venda de decisões, enriquecimento ilícito, entre outras irregularidades.

“Os fatos veiculados, de extrema gravidade, afrontam a ética pública e o bem comum, provocando uma reação de indignação na sociedade brasileira”, frisam, cobrando a aplicação da LOMAN (Lei Orgânica da Magistratura), que prevê o afastamento de juízes e desembargadores envolvidos em denúncias de corrupção.

“Ocorre que, apesar da gravidade e da indignação, já não mais provocam surpresa às entidades signatárias, as quais, reiteradamente, vêm apontando as disfunções institucionais que abrem caminho a interferências e práticas antirrepublicanas descortinadas na referida operação, nos moldes ‘parecer-caneta’”, alertaram.

Em seguida, citam os problemas registrados há bastante tempo no Tribunal de Contas. “Registre-se: a)unidades técnicas de fiscalização e instrução processual sendo coordenadas por servidores comissionados sem vínculo com o Tribunal, indicados pelos relatores a quem têm sido imputada a prática de venda de decisões, de interferências nas fiscalizações e instruções; b) não publicação dos relatórios de auditoria; c) falta de transparência dos Tribunais de Contas dificultando o controle social”, denunciaram.

“Operações dessa natureza, que investigam irregularidades na processualização das competências dos Tribunais de Contas, só corroboram a necessidade de as atividades de fiscalização e investigação nessas instituições serem efetivamente desempenhadas por Auditores de Controle Externo que integram o quadro próprio de pessoal exigido pela Constituição (art. 73, caput) como pressuposto para assegurar as garantias processuais dos jurisdicionados, mediante atuação imparcial, juridicamente conformada e tecnicamente qualificada em todas as fases do processo de controle externo”, reforçaram.

Os três conselheiros foram alvos de busca e apreensão autorizados pelo ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça. Na casa de Chadid, a PF apreendeu mais de R$ 900 mil em dinheiro vivo.

O TCE ainda não se pronunciou oficialmente sobre a Operação Mineração de Ouro. Os três conselheiros investigados também seguem em silêncio.

Compartilhar
Publicado por
Edivaldo Bitencourt

Posts recentes

  • MS

PF investiga se Waldir Neves tinha terras no Maranhão e vendeu fazenda de R$ 17 milhões

Ex-presidente do TCE é investigado por propriedades rurais no Maranhão (Foto: Arquivo) A Polícia Federal… Ler mais

14/06/2021
  • MS

STJ nega agravo e mantém empresa acusada de comprar vereadores réu na Coffee Break

Ministra Assusete Magalhães negou, junto com o voto de quatro ministros, agravo da Mil Tec… Ler mais

14/06/2021
  • MS

Em meio a escândalos do lixo, TJ pode suspender bloqueio de Nelsinho e ex-secretário

1ª Câmara Cível do TJMS conclui amanhã julgamento de recurso e pode liberar totalmente bens… Ler mais

14/06/2021
  • MS

Governo libera venda de bebida e quase tudo funciona no “lockdown” do comércio e bares

Decreto de Reinaldo fechou o comércio, shoppings e restaurantes, mas liberou o restante na Capital… Ler mais

13/06/2021
  • Campo Grande
  • MS

Vereadores citam de trator velho a cheque do cunhado para explicar dinheiro na Coffee Break

Carlão, presidente da Câmara de Campo Grande, diz que ganhou dinheiro revendendo trator velho. (Foto:… Ler mais

13/06/2021
  • Opinião

Guedes quer destruir o Estado com reforma administrativa movida a ódio, diz economista

Poder360 Ideias - Paulo Guedes, jantar no Piantas. Brasilia, 05-02-2019. Foto: Sérgio Lima/PODER 360 No… Ler mais

13/06/2021

This website uses cookies.