Richelieu de Carlo
Robson Martins é preso para cumprir pena por exploração sexual de menor de 18 anos (Foto: Wanderson Lara/MS Notícias)

O ex-vereador de Campo Grande Robson Leiria Martins foi um dos presos durante a Operação Araceli, deflagrada nesta terça-feira (18) para cumprir 27 mandados de prisão e de busca e apreensão contra condenados por crimes praticados contra crianças e adolescentes, a maioria por abuso e exploração sexual.

Robson, 58 anos, tinha um mandado de prisão em aberto desde novembro do ano passado, quando o juiz Marcelo Ivo de Oliveira, da 7ª Vara Criminal, determinou a execução da pena de oito anos, seis meses e 20 dias a qual o ex-vereador foi condenado por extorquir políticos e empresário envolvidos em esquema de exploração sexual de adolescentes.

Veja mais:

Advogado deve ser preso para cumprir pena de 8 anos por extorquir vereador

Juiz aceita denúncia e Ademir Santana vira réu com mais cinco por extorsão majorada

TJ mantém condenação de empresário poderoso a 18 anos por estupro de menina de 13 anos

O ex-parlamentar, inclusive, chegou a ser preso por exploração sexual de menores no início dos anos 2000, e posteriormente condenado a nove anos e quatro meses de detenção. A pena, porém, foi reduzida no Tribunal de Justiça em quase um ano. Robson Martins foi vereador de Campo Grande por um único mandato, de 2001 a 2004, quando renunciou por causa das acusações.

Ao site Campo Grande News, o advogado José Roberto Rodrigues da Rosa explicou que após a condenação em trânsito julgado, a defesa de Robson pediu revisão criminal e com isso conseguiu que o ex-vereador começasse a cumprir a pena no regime semiaberto. Mas ele não quis se apresentar e foi considerado foragido durante o processo de revisão criminal, que acabou sendo negado, e a condenação ao regime fechado, mantida.

No dia 16 de abril de 2015, Robson foi preso em flagrante pela Polícia Civil ao receber R$ 15 mil do vereador Alceu Bueno, que foi assassinado brutalmente em 2016, no estacionamento do supermercado Walmart. Na época, ele foi acusado de extorquir o político para não divulgar fotografias comprovando o envolvimento com uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes.

Na época, Robson acusou Bueno de tê-lo traído. Conforme sua versão, o então vereador o teria contratado para atuar como seu advogado no caso e marcou o encontro no supermercado para manter a discrição do caso.

Operação “Araceli”

Além de Robson Martins, outras 29 pessoas foram presas durante a Operação Araceli, deflagrada pela força-tarefa formada pela entre o Ministério Público de Mato Grosso do Sul, a Polícia Civil e a Polícia Militar de MS.

De acordo com o promotor Marcos Alex Vera de Oliveira, da 69ª Promotoria de Justiça, nos últimos 10 dias, durante os levantamentos de campo para as buscas marcadas para hoje, 10 pessoas foram presas.

“O objetivo hoje era cumprimento de mandados de prisão contra condenados em definitivo pela prática de crimes contra crianças de adolescentes, a maioria contra a dignidade sexual”, declarou Marcos Alex, durante coletiva na manhã desta terça.

A média do tempo de sentença dos alvos é de 14 anos na prisão. A força-tarefa cumpriu mandados nos bairros Aero Rancho, Parque do Sol, Jardim Centenário, Jardim Canguru, Santa Emília, Tarumã, Moreninhas, Jardim Noroeste, Jardim Inápolis e Zé Pereira.

A operação foi batizada como “Aracelli” como lembrança do caso da menina brasileira Araceli Cabrera Sánchez Crespo, assassinada em 18 de maio de 1973, aos 8 anos de idade, na cidade de Serra, no Espírito Santo. O corpo da criança foi encontrado somente seis dias após o crime, desfigurado por ácido e com marcas de violência e abuso sexual. Os acusados pelo crime foram absolvidos e o processo arquivado pela Justiça, fato que instituiu o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.