Mato Grosso do Sul está à frente de quatro países na quantidade de mortes pela covid-19. Nesta segunda-feira, o boletim epidemiológico da SES (Secretaria de Estado de Saúde) apontou a marca de 2.398 óbitos em decorrência da doença, que já infectou 136.250 pessoas.

Os dados, tanto de mortes, como de casos, superam o Uruguai, que registrou 211 óbitos e 21.426 infectados. A população uruguaia é de 3,4 milhões de pessoas (dados do Banco Mundial), enquanto a de Mato Grosso do Sul chega a 2,7 milhões de habitantes, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Veja mais:

Luto e dor coletiva: pandemia da covid-19 deixa marcas em todos nós

Boletim Covid-19 – O Jacaré: prefeitura amplia horário de igrejas durante o Réveillon

Advogado sugere que brasileiro vá à Justiça para ter vacina contra covid-19, aplicada em 47 países

Também é menor a quantidade de mortes registrada na Nova Zelândia (25) e de casos (2.181) para uma população de 4,8 milhões de pessoas. Mato Grosso do Sul também está à frente quando a comparação é feita com a Noruega, que tem 5,3 milhões de habitantes. O país registrou 51.034 casos e 449 mortes.

Governo de São Paulo vai pedir à Anvisa autorização para uso emergencial da vacina Coronavac

A notícia, avançada pelo portal UOL, indica que o pedido será apresentado na quinta-feira, dia 7. A partir dessa data, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) terá dez dias para autorizar ou não o produto. A Coronavac é produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, responsável pelo desenvolvimento do imunizante. A Anvisa mantém a análise de quatro vacinas, mas ainda não autorizou o uso de nenhuma.

Ausência de comorbidades é comum a 15% dos mortos por covid-19 em MS

A ausência de uma doença precedente é comum entre 15% das vítimas do Sars-CoV-2 em Mato Grosso do Sul. O apontamento é encontrado no boletim epidemiológico distribuído diariamente pela Secretaria de Estado de Saúde e indica que 360 pessoas que morreram em consequência da covid-19  não tinham outra doença considerada fator de risco.

Desde o primeiro trimestre de 2020, as autoridades de saúde do Estado registraram 2.398 mortes que tiveram a covid-19 como consequência direta ou agravante a um quadro de risco. Entre as vítimas, 32,2% apresentavam uma patologia associada, sendo a principal delas a doença cardiovascular crônica, comum a 1.102 pacientes.

Em segundo lugar entre as doenças de maior frequência reveladas nos pacientes que chegaram ao hospital devido à covid-19 está o diabetes (871 pessoas), seguido pela hipertensão (790) e a obesidade (331).

Ingleses e escoceses entram em novo lockdown, desta vez, por seis semanas

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou nesta segunda-feira o início de um novo bloqueio para Inglaterra e Escócia. Desta vez, as restrições vão durar seis semanas, para que o sistema público de saúde inglês não entre em colapso na metade deste tempo. A decisão de um novo bloqueio foi motivada  pelo aumento das internações, 40% superiores ao primeiro estágio da pandemia, em abril de 2020. Para reduzir a disseminação da nova cepa do coronavírus da covid-19, até 70% mais contagiosa, foram fechadas escolas e serviços não-essenciais.

Fazemos o boletim covid-19 porque:

Em dezembro de 2019, as autoridades de chinesas de informaram a OMS (Organização mundial de Saúde) sobre o surto de uma nova doença, que foi nomeada posteriormente de covid-19. Em 11 de março, a OMS anunciou que as infecções atingiam proporções epidêmicas. Os dados sobre casos e mortes são fornecidos pela Universidade Johns Hopkins, mas podem não representar a totalidade por conta da subnotificação registrada em muitos países, como o Brasil, que mudou a sistemática de divulgação dos indicadores relativos à covid-19.

Quer ajudar a fazer o boletim covid-19 do Jacaré? Mande sua dúvida que vamos responder

Há muitas dúvidas sobre a pandemia e vamos buscar respostas oficiais para os leitores de O Jacaré. Para participar basta mandar uma mensagem para o  e-mail: sandraluz.ojacare@gmail.com que vamos buscar os canais competentes para oferecer a resposta. As perguntas podem ser enviadas até a manhã de quinta-feira. Alertamos que não serão consideradas ofensas aos nossos colaboradores e jornalistas. Ameaças serão devidamente reportadas às autoridades.