O Banco Central informou que a partir desta segunda-feira entra em ação o PIX, um novo meio de pagamento eletrônico criado pela entidade e que, agora, conta com a adesão de 762 entidades. O Pix funcionou em período experimental entre 3 e e 15 de novembro, estava restrito a alguns cliente, 5% da base de total, e funcionalidades. Agora, o acesso foi ampliado. De acordo com o Banco Central, o período experimental serviu para ajustar funcionalidades e garantir o acesso pleno  50 bilhões de clientes.

O que é o Pix?

PIX significa pagamento instantâneo brasileileiro e possibilita transferências a qualquer hora do dia e em qualquer valor.

Veja mais:

Seu Bolso: negociações de débitos com a Energisa terminam nesta sexta-feira

Só mudança no Código do Consumidor livra endividados no fim do auxílio emergencial

Veja o que você precisa saber sobre seguros de vida

Quais contas podem ser cadastradas?

Podem ser utilizadas conta corrente, conta poupança ou conta de pré-pagamento.

O Pix é um meio de pagamento?

Segundo o Banco Central, sim. É um meio de pagamento como o boleto, o TEC, DOC, transferências entre contas e cartões de pagamento, que podem ser de débito, crédito ou pré-pagos.

Qual a diferença entre o Pix e os demais meios de pagamento?

Com o Pix, qualquer tipo de transferência pode ser feita em qualquer dia, mesmo que sejam fins de semana ou feriados.

O Pix funciona como um aplicativo?

Não funciona assim. De acordo com o Banco Central, o Pix é um instrumento de pagamento e será disponibilizado pelos prestadores de serviço de pagamento e os respectivos canais de acesso. Isso quer dizer que ele pode, sim, ser acesso pelo celular, mas não é um aplicativo.

E é seguro usar o Pix?

O Banco Central aponta que todas as transações realizadas por meio do Pix serão assinadas digitalmente e terão a criptografia como proteção. 

É possível comprar ou pagar com Pix?

Sim, porque qualquer transação de pagamento pode ser feita com Pix e isso independe das características. 

Qual é a condição para o funcionamento do Pix?

É a aceitação do recebedor.

Como é feito um Pix?

O Pix utiliza a câmera do celular para fazer a leitura de um QR Code. A transação exige que sejam fornecidos CPF ou CNPJ, bem como e-mail ou telefone celular do recebedor. É disponibilizada, ainda, uma chave aleatória fornecida pela instituição bancária ou pelo aplicativo instalado no telefone.

Existe limite mínimo e máximo por transação?

Não há limite, explica o Banco Central.

Quando custa o serviço?

O Pix é gratuito para pessoas físicas e MEIs (Microempreendedores individuais).