No 11º mandato, Londres é o campeão de gastos na Assembleia, mas o dinheiro é do povo (Foto: ALMS)

O decano Londres Machado (PSD), no 11º mandado, é o campeão em gastos da cota parlamentar em plena pandemia e com sessões remotas desde meados de março deste ano. Poderoso e milionário, ele gastou R$ 208,2 mil de janeiro a junho deste ano com a CEAP (Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar), em média de R$ 34,7 mil por mês. No total, os 24 deputados gastaram R$ 4,380 milhões no primeiro semestre, conforme o Portal da Transparência.

O mais econômico na utilização do dinheiro do povo foi o Felipe Orro (PSDB), com R$ 67,7 mil. No entanto, o tucano só informou gastos até maio deste ano, enquanto a maioria dos parlamentares já apresentou as notas até do mês passado. Em média, Orro usou R$ 13,5 mil mensais da cota.

Veja mais:
Com sessão remota, três deputados gastam até 68% a mais; Dagoberto e Trutis são campeões
Em plena pandemia, Nelsinho Trad é o campeão em gastos do Centro-Oeste no Senado
Três senadores de MS gastam mais de R$ 14 milhões em 2019; Nelsinho é o campeão em gastos
Apesar de atividades restritas, Trutis eleva gastos em 154% e vira campeão da cota em março

O segundo menor gasto foi do deputado estadual Marçal Filho (PSDB), que desistiu de ser candidato a prefeito de Dourados, apesar de liderar todas as pesquisas de opinião pública. Ele teria usado R$ 90,2 mil em seis meses, média de R$ 15.034 por mês.

Campeão na farra com o dinheiro público, Londres manteve os gastos, apesar do legislativo estar com as atividades a distância desde o início da pandemia. De janeiro a junho deste ano, ele manteve o desembolso com combustível, em torno de R$ 1,7 mil a R$ 2,2 mil por mês, R$ 5 mil com aluguel, entre outras.

O vice-campeão em gastos é Antônio Vaz (Republicanos), com R$ 196 mil. O menor gasto dele foi R$ 24,9mil em abril deste ano. Nos demais meses, apesar da pequena redução em relação aos meses “normais”, ele manteve a média de desembolso alta, apesar das recomendações das autoridades para evitar aglomerações. As sessões da Assembleia são virtuais.

Em terceiro lugar ficou o deputado estadual Márcio Fernandes (MDB), com R$ 195,7 mil em seis meses. Candidato a prefeito de Campo Grande, com a missão de suceder a estrela emedebista André Puccinelli, o parlamentar praticamente zerou o gasto com gasolina. Por outro lado, Márcio passou a usar praticamente toda a cota a que tem direito com o pagamento de consultoria e pesquisa.

De acordo com o Portal da Transparência, o valor destinado a consultoria passou de R$ 14,5 mil nos meses de janeiro e fevereiro para R$ 31,5 mil em abril, quando as atividades foram suspensas por causa da pandemia. Em maio e junho, quando o gasto com combustível voltou a ficar próximo de R$ 4 mil, o pagamento de consultoria caiu para R$ 26,5 mil.

No mês de julho, Márcio destinou R$ 31,8 mil para o pagamento de consultoria e pesquisa, que representa quase 90% do valor destinado para o custeio da atividade parlamentar (R$ 36,3 mil).

Gerson Claro (Progressista) ficou em 4º lugar em gasto, com R$ 195,7 mil, seguido por Eduardo Rocha (MDB), com R$ 190 mil. O emedebista, marido da senadora Simone Tebet (MDB), teve gasto expressivo, de R$ 28 mil a R$ 31 mil com consultoria e pesquisa, repetindo procedimento semelhante ao adotado por Fernandes.

Confira o gasto da cota de cada deputado em 2020

Deputados2020De jan a jun
Londres Machado (PSD)244.035,90208.257,32
Antônio Vaz (Republicanos)227.422,17196.087,33
Márcio Fernandes (MDB)232.011,16195.718,79
Gerson Claro (Progressistas)225.784,98195.707,44
Eduardo Rocha (MDB)216.000,00190.000,00
Pedro Kemp (PT)216.039,17186.546,12
Jamilson Name (sem partido)219.841,17183.991,72
Onevan de Matos (PSDB)206.756,61178.492,97
Evander Vendramini (Progressista)211.922,75178.119,73
Renato Câmara (MDB)219.909,76173.618,23
Cabo Almi (PT)203.373,15172.652,68
Lucas de Lima (SD)166.910,37
Neno Razuk (PTB)196.633,87166.164,55
Lídio Lopes (Patriotas)180.494,77153.394,90
Capitão Contar (PSL)146.760,40
Herculano Borges (SD)171.792,88144.607,66
Barbosinha (DEM)164.586,36143.848,22
Zé Teixeira (DEM)162.008,47140.271,54
Professor Rinaldo (PSDB)161.907,04139.007,04
Coronel David (sem partido)154.171,28134.551,28
Paulo Corrêa (PSDB)133.716,72
João Henrique (PL)146.404,65117.072,65
Marçal Filho (PSDB)103.894,5390.208,52
Felipe Orro (PSDB)67.742,10
Fonte: Portal da Transparência

O deputado João Henrique (PL) teve o 3º menor gasto, de R$ 117 mil. O presidente da Assembleia, Paulo Corrêa (PSDB), ficou em 4º lugar no ranking dos menores gastos, com R$ 133,7 mil de janeiro a julho. No mês de junho, o tucano não apresentou nenhum gasto.

A maioria dos deputados reduziu o gasto com a cota parlamentar neste ano. No total, o gasto foi de R$ 4,380 milhões de janeiro a julho deste ano. No ano passado, eles gastaram R$ 9,155 milhões.

No total, deputados gastaram R$ 4,380 milhões com a cota de janeiro a julho deste ano, apesar da pandemia (Foto: ALMS)