Farturão tem contratos que totalizam R$ 51,8 milhões com a administração estadual desde a posse de Reinaldo (Foto: Henrique Arakaki/Midiamax)

Investigada na Operação Penúria por superfaturar cesta básica destinada às famílias carentes durante a pandemia, a empresa Tavares & Soares, o Farturão, firmou contratos de R$ 51,837 milhões com o Estado na gestão de Reinaldo Azambuja (PSDB). Conforme o Portal da Transparência, entre 2015 e este ano, o grupo já recebeu R$ 49,733 milhões dos cofres estaduais.

O Ministério Público Estadual apura superfaturamento de R$ 2 milhões na compra de 60 mil cestas básicas pela Sedhast (Secretaria Estadual de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho) do Farturão. Contratada sem licitação por R$ 5,820 milhões, a empresa cobrou R$ 5,820 milhões para entregar os alimentos durante a pandemia da covid-19.

Veja mais:

Operação contra desvio em recursos da covid-19 prende três por posse de armas de fogo
Governo diz que Controladoria-Geral vai acompanhar denúncia de desvio na compra de cesta
Operação Penúria apura superfaturamento de R$ 2 mi na compra de cesta por Reinaldo

No entanto, além da secretaria, neste ano, o Governo contratou o Farturão por meio do Fundo Especial de Saúde para fornecer cesta básicas. Este contrato totaliza R$ 5,320 milhões, segundo informações disponibilizadas no Portal da Transparência.

Só neste ano, o Governo irá pagar R$ 11,148 milhões ao grupo, sendo que R$ 9,715 milhões já foram quitados. O promotor Adriano Lobo Viana de Resende apura o superfaturamento em apenas um contrato, o firmado em regime de emergência e com recursos da covid-19, que totaliza R$ 5,820 milhões.

No entanto, a Operação Penúria, com o apoio do Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado) e do GECOC (Grupo Especial de Combate à Corrupção), cumpriu 13 mandados de busca e apreensão, autorizados pela juíza May Melke Amaral Penteado Siravegna, da 4ª Vara Criminal de Campo Grande.

Inicialmente, conforme a denúncia do deputado estadual Capitão Contar (PSL), o Estado pagou R$ 97 em cada uma das cestas básicas. No varejo, a mesma quantidade de produto custa R$ 81. O caso chegou a irritar o governador, que acionou o parlamentar na Justiça para ele provar o superfaturamento de R$ 1 milhão.

Contratos somam R$ 51,8 milhões entre 2015 e 2020

AnoValor
2015R$ 7,364 milhões
2016R$ 8,291 milhões
2017R$ 8,422 milhões
2018R$ 8,151 milhões
2019R$ 8,457 milhões
2020R$ 11,148 milhões
Fonte:Portal da Transparência MS

Ao verificar a denúncia, o MPE elevou o valor superfaturado para R$ 2 milhões. A operação deflagrada ontem tem o objetivo de constatar a venda superfaturada nas cestas básicas.

A empresa tem contrato com o Governo do Estado há vários. Em média, o valor pago por ano é de R$ 8,1 milhões a R$ 8,4 milhões. No total, entre 2015 e este ano, a empresa firmou contrato de R$ 51,837 milhões com a administração estadual, sendo que R$ 49,733 milhões já foram pagos.

O Governo informou que a Controladoria-Geral do Estado vai acompanhar a apuração feita pela promotoria de Defesa do Patrimônio Público.

Nesta sexta-feira, três homens foram presos por porte ilegal de arma de fogo durante o cumprimento dos mandados. De acordo com o site do Tribunal de Justiça, Luciano Rufino da Silva e Mauro Márcio Narcizo Fialho pagaram um salário mínimo de fiança e foram colocados em liberdade.

No sistema, não há informações sobre Celso Rodrigues, que teria sido flagrado com um revólver calibre 32.