No segundo Boletim Covid-19 de O Jacaré, você ficará sabendo como está a segunda fase da saída do confinamento na Itália e como a Espanha está tentando retomar o turismo. Rússia está recorrendo a remédio japonês que começou a ser estudado em 2015.

E também confira os últimos números da pandemia em Mato Grosso do Sul, no Brasil e nos estados e países vizinhos.

Veja mais:

O Jacaré divulgará boletins diários com resumo e as principais novidades sobre a Covid-19

Com povo sem máscara, pandemia tem novo recorde e número de casos passa de mil em MS

MS tem recorde de casos de Covid-19, mas boletim apresenta falhas nos cálculos por cidade

Itália entra no dia 3 de junho na segunda fase de desconfinamento

Beijos e abraços em público permanecem proibidos na Itália, que afrouxa as medidas de contenção para propagação do novo coronavírus. Para ir às ruas, os cidadãos ainda devem utilizar uma máscara, mesmo ao ar livre.

Também serão retomadas as atividades de cinemas e permitidos os shows ao livre, com número limitado de participantes. Quem estiver com febre acima de 37º C, contudo, permanece em quarentena obrigatória.

Espanha avalia abrir fronteira para turistas, mas somente europeus

O governo espanhol está abrindo a competição pelo dinheiro dos turistas e avalia atrair turistas alemães, franceses e escandinavos. A proposta deve avançar até junho, mais cedo que o previsto, que seria 1º de julho.

Os primeiros roteiros liberados devem ser Andaluzia e Catalunha, mas ainda não está decidido. O relaxamento das restrições para turistas integra um projeto piloto espanhol para avaliar como serão reduzidas as perdas econômicas em decorrência da pandemia de covid-19 para o setor.

Rússia aprova medicamento antiviral eficaz contra o coronavírus

O nome da droga é Avifavir e teve a fabricação financiada por um fundo russo e uma empresa privada. A joint venture assumiu a fabricação do medicamento após pesquisas chinesas apontarem a eficácia para tratar pacientes de covid-19. Esse medicamento, contudo, é estudado desde 2015 por cientistas japoneses como alternativa para o tratamento de formas graves de influenza.

Cientistas trabalham em teste de saliva para detectar a covid-19

A Universidade de Oxford financia pesquisa de testes menos invasivos para detectar a presença do Sars-Cov-2 na saliva de pacientes com suspeita de covid-19. Hoje, além do teste de sangue, é realizado o exame da mucosa nasal, considerado desconfortável.

A eficácia do teste de saliva será a mesma dos atuais modelos já disponíveis pelos serviços de saúde.

Os números da pandemia em MS e seus vizinhos

LocalCasosCuradosMortes
MS1.41850719
Mato Grosso2.36157
Goiás3.585122
Minas Gerais9.630263
São Paulo107.1427.532
Paraná4.473181
Brasil498.440200.89228.834
Paraguai96446611
Bolívia8.731749300