Empresa está com inadimplência de 22,7% devido à pandemia do coronavírus (Foto: Arquivo)

A Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) ameaça demitir funcionários em decorrência da crise causada pela pandemia da Covid-19, apesar de ter contabilizado lucro de R$ 83,4 milhões no ano passado. Proibida de cortar o fornecimento de água e esgoto, a concessionária viu a inadimplência atingir 22,7% em abril deste ano.

Concessionária do serviço de água em esgoto em 68 dos 79 municípios, a estatal conta com cerca de 2,5 mil empregados, sendo 1.560 diretos e em torno de mil terceirizados. O fantasma da demissão foi mencionado em comunicado feito ontem (5) pelo diretor de Administração e Finanças, André Luís Soukef Oliveira. Ele destaca que a crise será de longa duração e cita os resultados negativos.

Veja mais:

Ação quer anular taxa extra que rendeu R$ 296 milhões e garantiu lucro à Sanesul na gestão tucana

Delação da JBS trava venda da Sanesul, mas controladora da Águas Guariroba pode assumir esgoto

“Estamos pagando os salários de todos os empregados hoje. Esperamos que todos contribuam com sua parte para superarmos essa crise e que nós não sejamos parte da triste estatística do desemprego no futuro”, alertou o dirigente. O comunicado é prenúncio de dias sombrios para os trabalhadores, porque se até empresas estatais e concessionárias do serviço público não estão conseguindo manter os empregos, imagine a iniciativa privada que não tem o respaldo da máquina pública.

Trecho do aviso aos empregados pelo diretor de Administração e Finanças, André Soukef (Foto: Reprodução)

No mês passado, a Solurb, que recebe em torno de R$ 100 milhões por ano da Prefeitura Municipal de Campo Grande, demitiu cerca de 200 trabalhadores. A concessionária do lixo alegou redução de serviços pelo município.

A Sanesul fechou o ano de 2019 com faturamento de R$ 618 milhões – aumento de 10,73% em relação a 2018, quando a receita bruta somou R$ 558,1 milhões. O lucro da estatal teve queda de 12,56%, de R$ 95,4 milhões para R$ 83,446 milhões.

Conforme o balanço publicado no mês passado, o gasto com encargos e salários do pessoal totalizou R$ 133,4 milhões em 2019, alta de 5,31% em relação aos R$ 126,7 milhões contabilizados no ano anterior.

Por outro lado, o montante gasto com honorários e salários da diretoria e do conselho teve aumento de 41,5%, de R$ 1,204 milhão para R$ 1,704 milhão. A dívida da empresa é de R$ 181 milhões, incluindo a de curto e longo prazo.

No entanto, não é apenas a pandemia que ameaça os lucros milionários da concessionária de água. O Ministério Público Estadual pediu o cancelamento da taxa extra de 17,96%, criado em agosto de 2015, para garantir os investimentos da Sanesul. De acordo com a denúncia, a medida não tem amparo legal, apesar de ter sido aprovada pela Agepan (Agência de Regulação dos Serviços Públicos).

O pedido para suspender a cobrança tramita na 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande. O juiz José Henrique Neiva de Carvalho e Silva aguarda manifestação do poder público para analisar o pedido de liminar.

Além disso, a empresa pode ter investimento da iniciativa privada para ampliar a cobertura de esgoto no Estado. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) recorreu a PPP (Parceria Público-Privada) para garantir os investimentos. A empresa Aegea, controladora da Águas Guariroba, é a favorita a ficar com a parceria.

Reinaldo e o presidente da Sanesul, Walter Carneiro Jr: se estatal pode demitir, imagine as empresas privadas (Foto: Arquivo)