Tarifa cobrada dos consumidores desde outubro de 2015, que elevou conta em quase 18%, garante investimentos e lucros milionários da empresa na gestão de Reinaldo (Foto: Arquivo)

O Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública querem anular a taxa extra criada em agosto de 2015, que já gerou R$ 296 milhões e vem garantindo os lucros da Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) na gestão de Reinaldo Azambuja (PSDB). O tucano vem garantindo os investimentos milionários da concessionária graças à tarifa imposta aos consumidores, que elevou a conta de água em 17,92% sem qualquer respaldo legal e contratual.

A ação coletiva de consumo foi proposta na quarta-feira (1º) pelo promotor Luiz Eduardo Lemos de Almeida e pelo defensor público Homero Lupo Medeiros contra a Sanesul e a Agepan (Agência de Regulação dos Serviços Públicos). Eles pedem a suspensão imediata da cobrança, o depósito em juízo dos valores e a devolução em dobro aos usuários de 68 dos 79 municípios sul-mato-grossense.

Veja mais:

Delação da JBS trava venda da Sanesul, mas controladora da Águas Guariroba pode assumir esgoto

Sem passar cargo ao vice e com atraso, Reinaldo comunica à Assembleia ida a pesqueiro de luxo

Servidor exemplar? Reinaldo pesca com amigos na Argentina no horário do expediente

Reinaldo exclui 22 mil famílias do Vale Renda em MS, onde 85 mil vivem na extrema pobreza

O juiz José Henrique Neiva de Carvalho e Silva, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, só vai decidir sobre o pedido de liminar após a manifestação dos órgãos estaduais. Ele deu 72 horas para a manifestação.

Conforme a ação, a Sanesul pediu reajuste extraordinário de 27,356% em agosto de 2015, primeiro ano da gestão de Reinaldo, e alegou aumento no custo da energia (32%) e do dólar (que impactava na compra de tubos, conexões e hidrômetros). Técnicos da Agepan constataram que não houve aquisição de hidrômetros e o órgão regulador autorizou reajuste de 3,84%.

No entanto, sem realização de audiência pública e respaldo legal, o presidente da Agepan, Youssif Domingos, autorizou ao reajuste de 21,76%. Na surdina, sem dar publicidade, os diretores da Sanesul e da Agepan concordaram em criar a “Tarifa Adicional para Geração de Recursos para Investimentos”, que representou acréscimo de 17,92% na conta dos clientes da concessionária de água e esgoto. A taxa extra valeria até 31 de dezembro de 2018.

Em novembro de 2018, Youssif, novamente sem qualquer respaldo legal e realizar qualquer debate com a sociedade, prorrogou a cobrança da taxa extra até dezembro de 2021.

“Jamais poderia ter sido instituída a denominada ‘Tarifa Adicional para Geração de Recursos para Investimentos’, mecanismo para extrair a fórceps recursos financeiros dos usuários-consumidores e destiná-los para o atendimento de possíveis dificuldades financeiras contingenciais da Sanesul no cumprimento de metas contratuais e na execução do plano de saneamento”, pontuaram Almeida e Medeiros.

A tarifa adicional garantiu à concessionária manter as contas no azul e os investimentos bilionários pregados por Reinaldo. A diferença dele para o antecessor, André Puccinelli (MDB), é que na gestão emedebista a empresa passou a registrar lucro sem salgar a conta do consumidor.

Somente no primeiro período, de outubro de 2015 a outubro de 2018, o Governo ganhou R$ 214 milhões com a cobrança da tarifa considerada ilegal pelo MPE e Defensoria. Como a ação pede a devolução em dobro, o Governo pode ser obrigado a devolver R$ 594 milhões aos usuários da Sanesul.

A denúncia cria grande expectativa na sociedade. No entanto, mesmo que a cobrança seja ilegal e sem amparo legal, conforme pontuam o promotor e o defensor público, o Poder Judiciário tem dificuldade em suspender fontes de receita do Poder Executivo.

Sanesul conseguiu prorrogar cobrança até dezembro de 2021 (Foto: Arquivo)

A cobrança ocorre há mais de quatro anos, desde outubro de 2018, e somente neste mês, o MPE e a Defensoria recorrem à Justiça para suspender a tarifa. Com a cobrança da taxa, a Sanesul manteve o lucro milionário e se prepara para “privatizar” a parte do esgoto.

Em janeiro, a concessionária lançou o edital para Parceria Público-Privada na área de esgotamento sanitário, que prevê investimento de R$ 1 bilhão. A favorita para ganhar é a Aegea, controladora da Águas Guariroba em Campo Grande.

Só houve um momento em que o consumidor teve vitória contra uma concessionária. Em 2007, a Enersul, atual Energisa, cobrava uma das tarifas de energia mais cara do País e houve movimento, que uniu consumidores e parlamentares, que acabou reduzindo em quase um terço o preço da energia elétrica no Estado.