Um dos principais ministros da equipe de Jair Bolsonaro, Mandetta acaba sendo beneficiado mais uma vez pela Justiça no escândalo do Gisa (Foto: Arquivo)

O inquérito criminal contra o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que apura desvio de R$ 8,1 milhões na implantação do Gisa (Gestão de Informações em Saúde), foi encaminhado, nesta terça-feira (3), para a Justiça Eleitoral. O juiz Dalton Kita Conrado, da 5ª Vara Federal de Campo Grande, levou praticamente um ano e meio para declinar competência.

O inquérito foi aberto em 2015, quando Mandetta ainda era deputado federal, e tramitou por três anos no Supremo Tribunal Federal. Em agosto de 2018, o ministro Luiz Fux declinou competência para a Justiça Federal de Mato Grosso do Sul, seguindo novo entendimento da corte, de que o foro privilegiado ficou restrito aos crimes cometidos no exercício do mandato.

Veja mais:

Supremo envia à Justiça Federal de MS inquérito contra Mandetta por fraude no Gisa

STF manda PF retomar investigação contra Mandetta por supostas fraudes no Gisa
Juiz federal vai julgar três ações contra Nelsinho e Mandetta por fraudes no Gisa

O inquérito chegou à 5ª Vara Federal no dia 20 de setembro de 2018. No primeiro despacho a respeito, em 4 de dezembro do mesmo ano, o juiz Dalton Igor Kita Conrado, determinou sigilo em decorrência da quebra de sigilo bancário e fiscal do ministro. Somente em setembro do ano passado, o inquérito foi enviado para manifestação do Ministério Público Federal.

A Procuradoria da República em Campo Grande levou cinco meses, no dia 27 de fevereiro deste ano, para dar parecer pelo encaminhamento da denúncia para a Justiça Eleitoral. Mais rápido, na terça-feira, o juiz Dalton Kita Conrado declinou competência para a 36ª Zona Eleitoral de Campo Grande, presidida pela juíza Gabriela Muller Junqueira.

“Analisando os autos verifico que assiste razão ao Ministério Público Federal, havendo, a princípio, indícios da pratica, em tese, de crimes eleitorais e crimes comuns, possivelmente conexos”, pontuou o magistrado. Em seguida, ele explica que a medida cumpre determinação do Supremo, que determinou ser competência da Justiça Eleitoral para denúncias criminais envolvendo crimes eleitorais.

“Assim, encaminhem-se os autos ao Juízo da 36ª Zona Eleitoral (…), que decidirá sobre a ocorrência ou não de conexão entre os fatos apurados”, determinou Conrado. Isso significa que a juíza Gabriela Junqueira ainda vai analisar se terá competência para analisar a denúncia contra o ministro da Saúde.

Além da epidemia de dengue, o escândalo Gisa marcou a gestão de Mandetta como secretário municipal de Saúde de Campo Grande. Conforme a CGU (Controladoria-Geral da União), houve favorecimento no processo de implantação do sistema, fraudes e falhas contratuais.

Lançado para modernizar o sistema de saúde da Capital, o programa nunca funcionou e serviu para desviar R$ 8,1 milhões dos cofres públicos – o valor atualizado é de R$ 14 milhões. A Prefeitura de Campo Grande foi condenada a todo o dinheiro ao Ministério da Saúde.

De acordo com denúncia do MPF, Mandetta atuou para garantir a vitória do Consórcio Contisis, composto por três empresas, mas que não tinha condições de implantar o sistema e subcontratou a empresa portuguesa Alert.

Apesar do suposto desvio milionário ter ocorrido em 2010, a Polícia Federal começou a investigar Mandetta em 2015 e até hoje não conseguiu concluir a investigação em decorrência do jogo de empurra entre os integrantes do Poder Judiciário brasileiro.

Enquanto o inquérito segue sem desfecho na área criminal, na cível, três ações de improbidade cobram R$ 49 milhões do ministro e do primo, o ex-prefeito e senador da República, Nelsinho Trad (PSD). No entanto, as principais ações tramitam em segredo de Justiça na 4ª Vara Federal da Capital, cujo titular é o juiz Pedro Pereira dos Santos.

Com tanto escândalo, o sul-mato-grossense só fica, digamos chateado, porque os magistrados sul-mato-grossenses não se espelham no ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que ficou famoso pela rapidez no julgamento das ações por corrupção quando era juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba.