Aos 62 anos, Lanzarini é o 5º político a ser assassinado desde 1999 em MS (Foto: Arquivo)

Baleado com três tiros na manhã desta segunda-feira (24), o secretário estadual especial Dirceu Luiz Lanzarini não resistiu aos ferimentos e morreu aos 62 anos no Hospital do Coração, em Dourados, a 223 quilômetros da Capital. Assessor especial no Escritório de Gestão Política de Mato Grosso do Sul, ele foi prefeito de Amambai por três mandatos, presidente da Fundesporte e ex-secretário estadual da Juventude, Esporte e Lazer.

Uma das principais lideranças políticas da região sul do Estado, ele e o genro, Kesley Aparecido Vieira Matricardi, foram atingidos pelos disparos feitos por um funcionário da fazenda do secretário na manhã de hoje.

Veja mais:

Secretário estadual especial é atingido por três tiros e sofre duas paradas cardíacas

Tucano reduz secretarias, mas paga salário de secretário para 27 pessoas

Ferido na cabeça e nos dois braços, Lanzarini foi transportado inconsciente de Amambai para Dourados em ambulância UTI. Ele teve duas paradas cardíacas, uma no caminho e outra no hospital de Dourados. O secretário perdeu massa encefálica e poderia ficar com sequelas caso sobrevivesse ao atentado.

A morte foi comunicada à família no meio da tarde. Como o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) está ausente de novo, o governador em exercício, Murilo Zauith (DEM) divulgou nota oficial (veja aqui) para lamentar o assassinato e decretou luto oficial por três dias em Mato Grosso do Sul.

O prefeito de Amambai, Edinaldo Bandeira, mais conhecido como Dr. Bandeira (PSDB), também decretou luto oficial no município. O velório deverá ocorrer no Alphaville Club, o principal do município, a partir das 21h desta segunda-feira. O sepultamento deverá ocorrer no final da tarde desta Terça-Feira de Carnaval no Cemitério Municipal.

Natural de São Paulo (SP), Lanzarini era engenheiro agrônomo e reside em Amambai desde 1981. Ele começou a carreira no serviço público na Agraer (Agência Estadual de Desenvolvimento Agrário). Elegeu-se prefeito de Amambai pela primeira vez em 1997 e se reelegeu no ano 2000. Em 2008, ele voltou a ser eleito para o terceiro mandato.

Político influente na região, ele ocupou cargos de destaque nos últimos três governos estaduais. Na gestão de Zeca do PT, ele foi presidente da Fundesporte e secretário estadual da Juventude, Esporte e Lazer.

Na gestão de André Puccinelli (MDB), o ex-prefeito voltou a comandar a Fundesporte. Já no mandato de Reinaldo Azambuja (PSDB), ele foi coordenador regional na Secretaria Estadual de Governo e Gestão Estratégica. Atualmente, Lanzarini era secretário especial, com salário de R$ 28 mil, e era assessor especial do Escritório de Gestão Política. Ele ainda foi presidente da Assomasul (Associação dos Municípios) nos 2003 e 2004.

De acordo com A Gazeta News, Luiz Fernandez, o Luiz Paraguaio, 54, é o principal suspeito do crime. Ele é funcionário da fazenda do secretário e estaria foragido (Foto: A GazetaNews)

Casado com Deise Bianchini e pai de Elisa e Marina, ele é o 5º político assassinado nos últimos 20 anos em Mato Grosso do Sul. A primeira foi a prefeita de Mundo Novo, Dorcelina Folador (PT), em 30 de outubro de 1999.

O presidente da Câmara Municipal de Alcinópolis, Carlos Antônio Carneiro, 40 anos, foi assassinado a tiros na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande, no dia 26 de outubro de 2010. Dois pistoleiros armaram a emboscada em plena luz do dia.

No dia 15 de setembro de 2015, o ex-prefeito de Ponta Porã, ex-deputado estadual e ex-deputado federal Oscar Goldoni, 66 anos, foi executado a tiros em uma das principais avenidas na fronteira do Brasil com o Paraguai.

No dia 17 de janeiro do ano passado, o ex-vereador e ex-candidato a prefeito de Ponta Porã, Chico Gimenez, foi executado a tiros por um grupo de dez homens. Ele era tio do narcotraficante Jarvis Pavão.

Mais sorte teve o prefeito de Paranhos, Dirceu Betoni (PSDB), que foi baleado com três tiros na noite do dia 14 de junho de 2018. Ele sobreviveu ao atentado e vive com segurança 24 horas por dia.