Jamil Name está na cela 17 do Centro de Triagem. (Marcos Ermínio, Midiamax)

A situação do empresário Jamil Name ficou um tanto mais complicada nesta segunda-feira (30). O juiz David de Oliveira Gomes Filho decidiu não aliviar para o octagenário e converteu em prisão preventiva a detenção em flagrante por posse de munições e espingarda irregular durante a Operação Omertà, deflagrada na sexta (27).

Agora são duas prisões preventivas a serem cumpridas pelo patriarca da família Name, sendo que a primeira foi decretada por ser apontado como chefe de uma milícia responsável por pelo menos quatro execuções em Campo Grande.

Atualmente, Jamil Name está na famosa cela 17 do Centro de Triagem Anízio Lima, que já abrigou figuras ilustres como o ex-governador André Puccinelli (MDB), João Amorim, e ainda conta com a presença do ex-secretário estadual Edson Giroto, único preso remanescente da Operação Lama Asfáltica.

Veja mais:

Octogenário, Jamil Name fica preso e só advogado tem sorte no plantão do TJ

Ápice da apuração contra grupo de extermínio, Omertà recolhe armas e dinheiro vivo

Dono de R$ 20 milhões, Giroto faz café com “rabo de tatu” e usa banheiro sem papel na prisão

Há pelo menos 72 horas que Jamil Name e Jamil Name Filho, que foi alvo da operação junto com o pai, compartilham a cela com o ex-candidato a prefeito de Campo Grande, outros sete investigados da Omertà, e o restante de detentos menos conhecidos, de acordo com o site Campo Grande News.

Após a decisão de David de Oliveira Gomes, titular da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, que cumpriu plantão nas audiências de custódia hoje, a defesa de Jamil Name terá de derrubar as duas prisões por tempo indeterminado, para conseguir colocar seu cliente em liberdade. Na casa de Name, foi encontrado um carregador de pistola Glock, com 17 cartuchos, e, em seu haras, uma espingarda calibre 12.

Também foram ouvidos na audiência Frederico Maldonado Arruda, 56 anos, Luiz Fernando da Fonseca, 53, e Arthur Cunha D’alecio, 30, que tiveram as prisões em flagrante transfomadas em preventivas; e Elton Pedro de Almeida, 52, que teve liberdade provisória concedida sob fiança de R$ 2.994, mas segue preso porque era uma dos alvos dos mandados de prisão expedidos para a operação.

Preocupado – Filho de Jamil Name, o deputado estadual Jamilson Name (PDT) divulgou uma nota, nesta segunda-feira, em que diz estar preocupado com a saúde do pai e que seu foco no momento está em auxiliar sua mãe e seus sobrinhos (veja abaixo).

Nota Oficial

Em relação aos recentes fatos que envolvem meu pai e meu irmão:

Minha preocupação atual é com a saúde do meu pai, um homem de 80 anos que nunca teve uma condenação.

A minha atenção está voltada para cuidar da minha mãe e dar apoio aos meus sobrinhos.

Agora é uma questão que está com os advogados. Tenho pleno respeito e confiança nas instituições.

DEPUTADO ESTADUAL JAMILSON NAME