Tereza Cristina ganha destaque na mídia nacional ao afirmar que brasileiro não passa fome porque comem mangas (Foto: Agência Câmara)

O Brasil passou a colecionar frases polêmicas desde a posse do presidente Jair Bolsonaro (PSL). A última a aderir à onda foi a ministra Tereza Cristina, da Agricultura, Abastecimento e Pecuária. Em depoimento na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (9), a sul-mato-grossense afirmou que os brasileiros não passam fome porque temos mangas.

A frase da ministra ganhou espaço na mídia nacional como mais uma das anedotas lançadas pelos integrantes do Governo federal. Ao falar para a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, a ministra buscou interpretação para minimizar a miséria nacional.

Veja mais:

Advogada de MS vira chacota ao “revelar” que índios não foram os primeiros a habitar o Brasil

Com Tereza no comando, só restou aos índios de MS apelar ao mundo
De técnica de André a negócios com a JBS, Tereza vira ministra de MS na gestão Bolsonaro
“Musa do PL do Veneno”: até Caetano adere à campanha de ambientalistas contra deputada de MS
Deputada dá calote de R$ 4,5 milhões e guerra judicial revela uso da mãe para fazer negócios com a JBS

“Não passamos muita fome porque temos mangas nas nossas cidades”, afirmou Tereza Cristina. Com certeza a democrata fez a declaração com base na realidade de Campo Grande, onde é comum mangueiras nos quintais, parques e vias públicas.

Uma assessora da ministra já tinha virado chacota nacional ao reinterpretar a história brasileira. De acordo com a secretária adjunta de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Luana Ruiz Silva Figueiredo, os índios não foram os primeiros habitantes do Brasil.

Na versão incorporada pela advogada sul-mato-grossense, os indígenas expulsaram os primeiros habitantes e, por isso, mereciam ser expulsos pelos europeus.

Contra a demarcação de terras indígenas, porque atinge áreas da família, Luana ainda afirmou que os índios sul-mato-grossenses estão obesos, com pressão alta e diabetes.

Crianças colhem mangas no Parque das Nações Indígenas: Campo Grande é uma cidade que tem muita manga e pode ter inspirado a ministra (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Com a história da manga, Tereza Cristina entra para um seleto grupo de trapalhões. A ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, causou polêmica ao defender que meninos vestem azul e meninas, rosa.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, reinterpretou a história mundial ao anunciar que o nazismo alemão era de esquerda.

Na curta temporada como ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, foi o recordista. Ele enviou carta às escolas com o slogan da campanha de Bolsonaro e determinando que filmassem as crianças cantando o hino nacional.

Vélez acusou os brasileiros de serem canibais e roubarem tudo nas viagens, de objetos no hotel até o assento do avião. Ele ainda defendeu a mudança nos livros didáticos para apresentar o golpe militar de 1964 como revolução.

Agora é só aguardar o próximo besteirol.