Ricardo foi condenado pea segunda vez, agora por obstrução de investigação policial ao destruir dois telefones celulares (Foto: Arquivo)

O segundo sargento da Polícia Militar Ricardo Campos Figueiredo, 42 anos, foi condenado três anos e seis meses por obstrução de investigação de organização criminosa na tarde desta terça-feira. É a segunda condenação do ex-motorista do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). No total, o policial, que está preso desde 24 de maio deste ano, pode cumprir pena de 22 anos e quatro meses em regime fechado e perder o cargo na PM.

A sentença é do juiz Alexandre Antunes da Silva, da Auditoria Militar. O Conselho de Sentença o considerou culpado a denúncia de obstrução de investigação. Conforme a denúncia, ao ser alvo de mandado de busca e apreensão na Operação Oiketicus, Ricardo teria se trancado no banheiro e destruído os dois telefones celulares.

Veja mais:
Ex-motorista de Reinaldo é condenado a 18 anos de prisão por três crimes
Ex-motorista de tucano recebeu R$ 500 mil em propina, denuncia Gaeco
STJ mantém na cadeia ex-motorista de governador de MS
Ex-motorista de Reinaldo vira réu por obstruir investigação de organização criminosa
MPE denuncia ex-motorista de governador por posse ilegal de armas e munições de fuzil
Com salário de R$ 16 mil, ex-motorista de governador iria construir mansão de R$ 1,5 milhão
Meu herói: Reinaldo infla em 64% salário de motorista com promoções por bravura, mas dá reajuste de 2,94% à PM
Antes de ser preso, motorista do governador teve nove punições canceladas em um dia, diz TV

Segundo o promotor do Fernando Martins Zaupa, do Gaeco (Grupo de Atuação de Repressão Crime Organizado), o militar disse que iria procurar os telefones e se trancou no banheiro. Em seguida, ele entregou os aparelhos danificados.

A defesa do sargento negou que ele tenha obstruído a Justiça e tentou provar, por meio de perícia, que os telefones foram destruídos no dia anterior pela sua esposa.

O militar foi condenado a 18 anos, 10 meses e 11 dias de prisão em regime fechado por corrupção passiva, continuidade delitiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Ele teria recebido R$ 500 mil em propinas da Máfia do Cigarro entre 2015 e este ano.

Conforme a denúncia do Gaeco, o sargento usava o filho e um  amigo para ocultar os bens supostamente recebidos por meio ilícito.

A sentença do militar, que teve cargo de chefia e assessoramente na Secretaria Estadual de Governo desde o dia 1º de janeiro de 2015, foi a maior entre os presos na Operação Oiketicus julgados até o momento.

O tenente coronel Admilson Cristaldo Barbosa foi condenado por corrupção e obstrução de investigação a penas somadas de 10 anos de reclusão em regime fechado. Assim como Ricardo, ele não poderá recorrer contra a sentença em liberdade.

O 2º sargento da PM foi exonerado pelo governador Reinaldo Azambuja logo após a prisão em maio deste ano. Na ocasião, o Governo anunciou a abertura de sindicância para apurar os crimes.

O governador vem reiterando que os policiais foram presos por corrupção graças a atuação da Corregedoria da Polícia Militar, que trabalhou em parceria com o Gaeco. Ele também negou que Ricardo tenha atuado como seu motorista.