Plenário virtual do STF decide a partir do dia 3 se solta ou mantém preso grupo preso desde 8 de maio na Operação Lama Asfáltica (Foto: Arquivo)

A guerra contra a impunidade e a corrupção terá uma semana decisiva em Mato Grosso do Sul. Além de julgamentos importantíssimos no Supremo Tribunal Federal e no Tribunal de Justiça, a semana será decisiva para definir as alianças nas eleições deste ano, com o lançamento de novos candidatos a governador e a definição dos postulantes às duas vagas de senador.

A semana começou quente com a desistência do ex-governador André Puccinelli (MDB), preso desde o dia 20 deste mês na Operação Lama Asfáltica. Como parte da estratégia para facilitar a concessão do habeas corpus, o emedebista abriu mão da disputa eleitoral e lançou a senadora Simone Tebet (MDB) para disputar o Governo do Estado.

Veja mais:
Preso há nove dias, André desiste e MDB vai lançar Simone para disputar o Governo
Giroto e Amorim batem recorde na cadeia, plenário virtual do STF vai julgar soltura
TJ decide dia 1º de agosto se salva Olarte e anula sentença avalizada até pelo Supremo

A decisão frustrou o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que profetizou a adesão do MDB à sua candidatura em março deste ano. No entanto, mesmo com a oposição dos emedebistas, o tucano vem conseguindo montar o maior arco de alianças da história da sucessão estadual.

Até o momento, ele já conseguiu o apoio do PTB, que lançará o ex-prefeito da Capital, Nelsinho Trad, em uma das vagas de senador; do PSB, do deputado Elizeu Dionizio; do PP, do ex-prefeito da Capital, Alcides Bernal; do PSD, do prefeito da Capital, Marquinhos Trad; e dos governistas PPS e Solidariedade.

O DEM decide se apoiará a candidatura de Reinaldo e indica o candidato a vice-governador, que deverá ser o ex-prefeito de Dourados, Murilo Zauith.

Outro mistério a ser desfeito é o destino do senador Pedro Chaves (PRB), que não encontrou espaço na pesadíssima chapa de Reinaldo, e estuda duas opções: disputar a reeleição ou tentar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Na quarta-feira, Tribunal de Justiça decide o futuro do ex-prefeito Gilmar Olarte, que acredita em “milagre” (Foto: Arquivo)

Depois de homologação das candidaturas a governador de Odilon de Oliveira (PDT) e Humberto Amaducci (PT), as convenções podem definir novos postulantes, como o procurador de Justiça, Sérgio Harfouche (PSC), e os já anunciados, João Alfredo (PSOL), Simone e Reinaldo.

O combate à impunidade, uma marca sul-mato-grossense, terá novo capítulo na quarta-feira, quando o Órgão Especial do Tribunal de Justiça decide se mantém ou anula a condenação do ex-prefeito Gilmar Olarte, que segue solto apesar da condenação em segunda instância a oito anos e quatro meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Michel Temer e André, as mais importantes lideranças do MDB, devem reforçar campanha de Simone (Foto: Arquivo)

Na sexta-feira, o Supremo Tribunal Federal começa a julgar o pedido de soltura do empresário João Amorim, preso desde 8 de maio na Operação Lama Asfáltica. O julgamento será feito pelo plenário virtual e ocorrerá até o dia 9. A concessão de habeas corpus ao dono da Proteco será estendido aos outros sete presos, inclusive o ex-deputado federal Edson Giroto.

A decisão do STF será fundamental para a pequena força-tarefa encarregada pela Operação Lama Asfáltica. Eventual manutenção de prisão preventiva poderá ajudar no surgimento de novas delações premiadas, comprometendo ainda mais o suposto esquema que já teria desviado mais de R$ 300 milhões dos cofres públicos.

Paralelamente, o ex-governador André Puccinelli tentará obter habeas corpus para deixar a prisão, onde está há 10 dias. Ele nega as acusações e tem manifestado a amigos que está indignado em ficar preso em uma cela lotada com mais 23 pessoas.

A semana será decisiva para definir o futuro político do Estado, tanto nas candidaturas, como nas ações de combate à corrupção.