Tag: ministro marco aurélio (page 1 of 2)

Ação milionária que pede para anular licença prêmio de juízes vira “abacaxi” para a Justiça

TJMS pagou licença prêmio retroativo a juízes e desembargadores (Foto: Arquivo)

Uma ação popular, que cobra a suspensão do pagamento e a devolução aos cofres públicos da licença-prêmio paga a juízes e desembargadores de Mato Grosso do Sul, transformou-se em “abacaxi” para a Justiça. Desde agosto do ano passado, o processo vem passando de mão em mão sem a análise do pedido de liminar, que pode levar a devolução de aproximadamente R$ 100 milhões.

Ler mais

Ministro chama Jamil Name de “chefe da maior facção criminosa de MS” e STF nega HC

Com negativa do STF, Jamil Name deverá completar um ano atrás das grades (Foto: Arquivo/Marcos Ermínio, Midiamax)

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal negou, por quatro votos a um, o habeas corpus a Jamil Name, 81 anos, preso há quase um ano. Em voto contundente na tarde desta terça-feira (1º), o ministro Alexandre de Moraes afirmou que o empresário é o “chefe da maior facção criminosa de Mato Grosso do Sul” e com “elevado poder bélico”.

Ler mais

Marco Aurélio acata pedido da defesa, mas Jamil Name deverá continuar em Mossoró

Marco Aurélio manteve decisão de junho, mas só que corregedor mudou de opinião (Foto: Reprodução)

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, acatou pedido da defesa de Jamil Name, 81 anos, acusado de chefiar grupo de extermínio. No entanto, como o juiz federal Walter Nunes da Silva Júnior mudou de posição, o octogenário deverá continuar preso isolado na Penitenciária Federal de Mossoró (RN).

Ler mais

Juiz vê “fatos novos” em plano para matar autoridades e aceita manter Jamil Name em Mossoró

Juiz recua e decide manter Jamil Name em Mossóro após “fatos novos” (Foto; Arquivo)

Em nova reviravolta, o juiz corregedor Water Nunes da Silva Júnior, viu “fatos novos” no suposto plano descoberto dentro do Presídio Federal de Mossoró e acatou pedido para manter o empresário Jamil Name, 81 anos, acusado de chefiar grupo de extermínio, no Rio Grande do Norte. Conforme o Ministério Público Estadual, as ordens para matar delegado do Garras, promotor do Gaeco e defensor público estavam em um pedaço de papel higiênico.

Ler mais

Em dia de derrotas, Jamil Name continua em Mossoró e volta a MS será decidida em agosto

Jamil Name tem aval do Ministério da Justiça para continuar em Mossoró (Foto: Arquivo)

Acusado de chefiar grupo de extermínio e planejar o assassinato de autoridades em Mato Grosso do Sul, o empresário Jamil Name, 81 anos, teve dia de derrotas nesta sexta-feira (26). Além de continuar no sistema RDD (Regime Disciplinar Diferenciado) na Penitenciária Federal de Mossoró (RN), o retorno a Mato Grosso do Sul só poderá ocorrer na segunda quinzena de agosto, já que pedido de transferência vai ser analisado no julgamento virtual da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal de 7 a 13 daquele mês.

Ler mais

Em vídeo gravado, Jamil Name oferece até R$ 600 milhões a ministro em troca de liberdade

Empresário é gravado pedindo para juiz levar recado a “amigo lá de cima” para tirá-lo da cadeia em troca de uma fortuna (Foto: Arquivo)

Acusado de chefiar um grupo de extermínio na Capital e réu em quatro ações criminais, o empresário Jamil Name, 81 anos, ofereceu de R$ 100 milhões a R$ 600 milhões em troca da liberdade a um “ministro”. A proposta está gravada em vídeo durante audiência presidida pelo juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande, sobre a apreensão do arsenal de armas de guerra em poder do guarda municipal Marcelo Rios.

Ler mais

MPE adota nova estratégia e dribla STF para manter Jamil Name em presídio federal

Destino de Jamil Name fica indefinido com nova decisão judicial, desta vez, para ele ir para o presídio federal na Capital (Foto: Arquivo)

O Ministério Público Estadual mudou a estratégia e conseguiu liminar para manter Jamil Name, 81 anos, acusado de chefiar grupo de extermínio, no sistema RDD (Regime Disciplinar Diferenciado) em presídio federal. A nova liminar dribla liminar do ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, que havia determinado o retorno do empresário para um presídio estadual em Campo Grande.

Ler mais

Presidente do STF decidirá se houve erro em HC e volta de Jamil Name a MS pode ser suspensa

Dias Toffoli, presidente do STF, poderá suspender transferência de Jamil Name (Foto: Rosinei Coutinho/STF)

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, vai decidir se houve erro na distribuição do habeas corpus e o retorno do poderoso empresário Jamil Name a Mato Grosso do Sul pode ser suspenso. Após ser alertado duas vezes pelo Ministério Público Federal, o ministro Marco Aurélio, que concedeu a liminar, admitiu a possibilidade de que o relator do pedido deveria ser o ministro Luiz Fux.

Ler mais

Marco Aurélio manda soltar pela 2ª vez oficial da PM condenado a 20 anos de prisão

Cristaldo volta a ser beneficiado por novo habeas corpus concedido pelo STF (Foto: Arquivo)

Condenado a 20 anos, quatro meses e oito dias de prisão por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de investigação, o tenente-coronel Admilson Cristaldo Barbosa foi solto por determinação do ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal. É a segunda vez que o magistrado concede habeas corpus ao oficial da Polícia Militar preso na Operação Oiketicus, deflagrada pelo Gaeco contra policiais envolvidos com a Máfia do Cigarro.

Ler mais

Gaeco pede para juiz manter Jamil Name isolado no presídio estadual da Gameleira

Gaeco pediu para juiz encaminhar Jamil Name para a Gameleira, onde ficará no RDD (Foto: Arquivo)

O empresário Jamil Name, 81 anos, deverá ser mantido no sistema RDD (Regime Disciplinar Diferenciado), o mais rigoroso do sistema prisional brasileiro, e ser encaminhado ao Presídio Masculino Fechado da Gameleira. O pedido foi apresentado pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado) para atender a determinação do ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal.

Ler mais
« Older posts

© 2022 O Jacaré

Site desenvolvido por Fernando DiasUp ↑