Tag: juíza may melke amaral penteado siravegna (page 1 of 2)

Julgamento de filho de Reinaldo por roubo de propina será dia 30 junto com quadrilha

Juíza marca julgamento Rodrigo e mais sete pelo roubo de R$ 300 mil, que seriam para comprar o silêncio de Polaco (Foto: Arquivo)

A audiência de instrução e julgamento do advogado Rodrigo Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), e dos sete integrantes da quadrilha contratada para roubar a propina de R$ 300 mil vai ocorrer a partir das 13h30 do dia 30 deste mês. Como as testemunhas de acusação e as vítimas são as mesmas nos dois processos, a juíza May Melke Amaral Penteado Siravegna, da 4ª Vara Criminal de Campo Grande, uniu as ações para dar maior celeridade ao caso.

Ler mais

Despachante vai ao STJ para transferir ação do roubo da propina de Polaco para Terenos

Ministro Joel Paciornik é o relator de pedido para tirar ação da propina da 4ª Vara Criminal para Vara Única de Terenos (Foto: Arquivo)

O despachante David Cloky Hoffamm Chita quer transferir a ação penal sobre o roubo da propina de R$ 300 mil destinada ao corretor de gado José Guitti Guímaro, o Polaco, da 4ª Vara Criminal para a Vara Única de Terenos. O pedido foi feito em recurso de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça.

Ler mais

TJ nega HC para anular buscas em operação que apura desvio de R$ 2 mi na compra de cestas básicas

Empresários tentaram anular buscas para impedir análise de provas em investigação do desvio milionário na compra de cestas básicas (Foto: Arquivo)

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul negou habeas corpus para anular os mandados de busca e apreensão na Operação Penúria, que apura desvios de R$ 2 milhões na compra de cestas básicas com recursos da covid-19. Com a decisão, o Ministério Público Estadual vai continuar analisando os telefones celulares e computadores apreendidos no dia 21 de agosto deste ano.

Ler mais

Acusados de golpe em 60 mil não conseguem provar veracidade de título de R$ 3,9 bilhões

Operação Ouro de Ofir identificou golpe milionário e prendeu golpistas, que acabaram soltos pelo STF (Foto: Arquivo)

Os empresários Celso Eder Gonzaga de Araújo e Anderson Flores, acusados de dar golpe em 60 mil pessoas, não conseguiram provar a autenticidade das Letras do Tesouro Nacional no valor de R$ 3,948 bilhões. Os títulos foram usados para declarar valor exorbitante no Imposto de Renda e servir de base para aplicar o “golpe do século”, principalmente, em evangélicos.

Ler mais

Juíza nega salvo conduto a casal contra o toque de recolher decretado por Marquinhos Trad

Ruas e avenidas ficam vazias durante o toque de recolher, que é fiscalizado pela Guarda Municipal e pela PM (Foto: Divulgação)

A Justiça negou salvo conduto a um casal contra o toque de recolher determinado pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD). Em decorrência da pandemia do coronavírus, a prefeitura proibiu a circulação de pessoas nas ruas das 22h às 5h de segunda a quarta-feira e das 20h às 5h de quinta a domingo.

Ler mais

Filho de desembargadora é condenado pela 3ª vez, a três anos por porte ilegal de pistola 9 mm

Fim da doce vita: Breno é condenado pela terceira vez, desta vez por porte ilegal de arma de uso restrito (Foto: Arquivo)

A Justiça condenou o empresário Breno Fernando Solon Borges pela terceira vez. Desta vez, o filho da desembargadora Tânia Garcia de Freitas Borges, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, foi condenado a três anos e 30 dias no regime aberto pelo porte ilegal de arma de fogo de uso restrito. O crime foi cometido há três anos, no dia 24 de fevereiro de 2017.

Ler mais

Ações contra Jamil Name na Omertà saem das mãos das mulheres e devem ficar na 1ª Vara

Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal, vai julgar as ações decorrentes da Operação Omertà (Foto: Arquivo)

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul decidiu que todas as ações contra o empresário Jamil Name, decorrente da Operação Omertà, vão ser centralizadas na 1ª Vara Criminal de Campo Grande. Com a decisão, os processos contra o empresário deixam as varas criminais comandadas por mulheres e vão ser julgados pelo juiz Roberto Ferreira Filho, que já julga as ações da Operação Lama Asfáltica.

Ler mais

Operação Omertà: TJ decide amanhã se apenas um juiz julgará ações contra Jamil Name

Advogado alega que ações devem ser centralizadas na 1ª Vara Criminal (Foto: Arquivo)

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul deve decidir nesta terça-feira (28) se unifica todas as ações contra o empresário Jamil Name, 80 anos, preso há quatro meses acusado de chefiar grupo de extermínio. A defesa pede que todas as ações decorrentes da Operação Omertà sejam enviadas à 1ª Vara Criminal de Campo Grande, comandada pelo juiz Roberto Ferreira Filho.

Ler mais

Juíza ressalta poder financeiro e gravidade das denúncias para manter octogenário em presídio

Jamil Name teve pedido de prisão domiciliar negado nesta sexta-feira (Foto: Arquivo)

A juíza May Melke Amaral Penteado Siravegna, da 4ª Vara Criminal de Campo Grande, negou, nesta sexta-feira (25), o pedido de conversão da prisão preventiva em domiciliar para Jamil Name, 80 anos. Ela destaca o poder financeiro do suposto líder do grupo de extermínio e os “delitos extremamente graves” apontados pelo Ministério Público Estadual.

Ler mais

Quebra de sigilo e rastreamento confirmam confissão de réus por roubar propina de Polaco

Promotor Marcos Alex, junto com a PF, cumpriu mandado de busca e apreensão na casa de Rodrigo no ano passado (Foto: Arquivo)

A quebra do sigilo telefônico e o rastreamento dos celulares confirmaram os depoimentos de quatro réus confessos do roubo da propina de R$ 300 mil do corretor de gado José Ricardo Guitti Guímaro, o Polaco. Os detalhes constam da denúncia aceita pela juíza May Melke Amaral Penteado Siravegna, da 4ª Vara Criminal de Campo Grande.

Ler mais
« Older posts

© 2021 O Jacaré

Site desenvolvido por Fernando DiasUp ↑