Tag: 1ª vara criminal de campo grande (page 1 of 4)

Justiça mantém sem arma delegado réu por ajudar chefes de grupo de extermínio

Obara se livrou da tornozeleira eletrônica em novembro do ano passado, mas ainda não conseguiu o direito de voltar a portar arma de fogo (Foto: Arquivo)

O delegado Márcio Shiro Obara, preso na Operação Omertà em junho de 2020, vai continuar sem usar arma de fogo. Réu por corrupção passiva, obstrução de Justiça e lavagem de dinheiro, ele pediu a restituição para poder ministrar aulas e garantir a sua segurança pessoal. Sem tornozeleira eletrônica desde novembro do ano passado, o policial obteve autorização para usar armas apenas durante a ministração dos cursos.

Ler mais

Juiz condena guardas a maiores penas e Jamil Name Filho a menor na 1ª sentença da Omertà

Jamil Name Filho, ao lado do pai, foi condenado pela primeira vez por denúncia feita na Operação Omertà (Foto: Arquivo)

A primeira sentença da Operação Omertà, publicada na sexta-feira (17), impôs as maiores penas aos guardas municipais pela manutenção do arsenal de guerra no “paiol” do grupo de extermínio no Jardim Monte Líbano. Acusado de ser chefe da organização criminosa, o empresário Jamil Name Filho foi condenado a quatro anos e seis meses de reclusão em regime fechado.

Ler mais

Sob sigilo por 180 dias, PF retoma investigação desvio no Detran e propina a filho de Reinaldo

Investigação ficou suspensa e foi retomada com aval da Justiça estadual (Foto: Arquivo)

A Polícia Federal retomou a investigação do esquema milionário de desvio no Detran (Departamento Estadual de Trânsito) e do pagamento de propinas ao ex-secretário-adjunto de Fazenda, André Luiz Cance, e ao advogado Rodrigo Souza e Silva, filho do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). No entanto, o inquérito vai tramitar em sigilo por 180 dias, conforme determinou o juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande.

Ler mais

IMOL fará nova perícia para avaliar se Rei da Fronteira volta para a cadeia ou continua em casa

Juiz aguarda perícia para decidir se mantém empresário em casa ou determina o retorno à cadeia (Foto; Arquivo)

O IMOL (Instituto Médico Legal) vai realizar nova perícia para avaliar se o poderosíssimo empresário Fahd Jamil, acusado de chefiar um grupo de extermínio na fronteira, permanecerá em prisão domiciliar. A determinação é do juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande. O Rei da Fronteira teve o direito de ficar detido em casa em maio deste ano e o benefício valia por 180 dias.

Ler mais

Juiz nega desbloquear bens e contas de Jamilson Name em troca de fazenda de R$ 19,2 mi

Jamilson continua com os bens e contas bloqueados após juiz negar para substituir tudo por fazenda herdada do pai (Foto: Arquivo)

O juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande, negou pedido para desbloquear as contas bancárias e bens do deputado estadual Jamilson Lopes Name (sem partido) em troca de uma fazenda avaliada em R$ 19,270 milhões. No despacho, o magistrado destaca que o Ministério Público Estadual pede a elevação do sequestro de R$ 18,2 milhões para R$ 89,8 milhões.

Ler mais

Mais Lama: ação por organização criminosa contra Cance e milionários vai à justiça estadual

Juiz envia para justiça estadual denúncia de organização criminosa contra oito réus na Operação Lama Asfáltica, inclusive milionários e filho de ex-governador (Foto: Arquivo)

Mais uma ação por organização criminosa contra oito réus na Operação Lama Asfáltica, inclusive milionários vai ser encaminhada para a justiça estadual de Mato Grosso do Sul a pedido do ex-secretário-adjunto estadual de Fazenda, André Luiz Cance. Em despacho publicado nesta terça-feira (14), o juiz Bruno Cezar da Cunha Teixeira, declina competência para a denúncia envolvendo os acusados de desviar dinheiro público na gestão de André Puccinelli (MDB).

Ler mais

Advogado é condenado a dois anos e oito meses por se apropriar de R$ 17 mil de idosa

Juiz condena advogada por ter se apropriado de dinheiro de idosa por sete anos: ela só descobriu ao ter bens penhorados pela Justiça (Foto: Arquivo)

O juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande, condenou o advogado Roberto Soligo, 70 anos, a dois anos e oito meses de reclusão no regime aberto por se apropriar de dinheiro de uma idosa. Como é a segunda vez que é condenado por crime semelhante, ele não terá direito a substituição da pena pela prestação de serviços à comunidade.

Ler mais

Esposa de Jamil Name, ex-vereadora afirma que marido “está senil” e “não existe mina”

Ex-vereadora é atuante na área social na Capital e recorreu a comentário nas redes sociais para falar da situação do marido (Foto: Arquivo)

A ex-vereadora Tereza Domingos Name, esposa de Jamil Name, reagiu às revelações feitas pelo empresário aos peritos, de que possui R$ 41 bilhões em precatórios e faturou R$ 1 bilhão com mina de ametista. “Ele (o marido) está senil… nada é verdadeiro”, comentou em uma postagem de O Jacaré na rede social, desqualificando as declarações feitas pelo marido aos peritos nomeados pela Justiça, que avaliam a sanidade mental do empresário.

Ler mais

A peritos, Jamil Name diz faturar R$ 1 bilhão com mina e ter R$ 41 bilhões em precatórios

Empresário diz que valor líquido de precatórios, descontado impostos e deságios, seria de R$ 6 bilhões (Foto: Arquivo)

Acusado de chefiar grupo de extermínio, o empresário Jamil Name, 82 anos, revelou, em depoimento aos peritos nomeados pela Justiça, ser dono de uma fortuna rara. Além de ser dono de mina de ametista, que faturou R$ 1 bilhão, ele ainda contou ter direito a R$ 41 bilhões em precatórios, valor quase três vezes ao orçamento anual do Governo do Estado.

Ler mais

Com renda anual de R$ 2 milhões, “Rei da Fronteira” vai cumprir prisão domiciliar na Capital

Batalhão de Choque escoltou empresário durante cirurgia em hospital particular da Capital devido ao risco de ataque do PCC (Foto: Henrique Kawaminami/CAMPO GRANDE NEWS)

O juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande, acatou pedido da defesa e concedeu prisão domiciliar ao empresário Fahd Jamil, 79 anos, mediante monitoramento eletrônico e fiança de R$ 990 mil. Com graves problemas de saúde e acusado de chefiar grupo de extermínio e com renda anual de R$ 2 milhões, o “Rei da Fronteira” vai entregar o passaporte, ser obrigado a morar no Centro da Capital e não poderá manter contato com réus e testemunhas na Operação Omertà.

Ler mais
« Older posts

© 2022 O Jacaré

Site desenvolvido por Fernando DiasUp ↑