Cocaína encontrada na casa de assessor da Câmara Municipal de Campo Grande pesou 41,5 quilos e está avaliada em mais de R$ 1 milhão (Foto: Divulgação/Batalhão de Choque)

Um assessor do vereador do PSDB em Campo Grande foi preso com 41,5 quilos de cocaína na noite desta terça-feira (4) no Bairro São Conrado, na Capital. A droga está avaliada em R$ 1,037 milhão. Preso pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar, Robson José Ximenes, 31 anos, ganha R$ 4,8 mil por mês para atuar no gabinete de Ademir Santana (PSDB).

A droga foi encontrada no quintal da casa do funcionário da Câmara de Vereadores de Campo Grande. Durante o percurso até a delegacia, ele ofereceu cargo de assessor no legislativo para a mulher do amigo, José Torres Júnior, 31, para ele confessar que era o único dono da cocaína.

Veja mais:

Juiz aceita denúncia e Ademir Santana vira réu com mais cinco por extorsão majorada

Gaeco denuncia vereador do PSDB por extorsão e pede reparação de R$ 6,3 mi a vítimas

Garras pediu a prisão de vereador do PSDB por extorsão armada e agiotagem, mas juiz negou

Operação Snow Ball mira vereador tucano e apura extorsão de Name contra empresário

Ademir Santana não se reelegeu no ano passado e acabou assumindo a vaga de vereador em maio do ano passado graças a Reinaldo Azambuja (PSDB). O governador nomeou o presidente municipal do PSDB, João César                 Mattogrosso (PSDB) para o cargo de secretário estadual de Cultura e Cidadania, abrindo a vaga no legislativo para o tucano.

O vereador é réu por extorsão armada ao ajudar os empresários Jamil Name e Jami Name Filho a extorquirem um empresário da Capital. Ele foi alvo da Operação Omertà, deflagrada pelo Garras e Gaeco em outubro de 2020. Conforme a denúncia do Ministério Público Estadual, na ação, a organização criminosa pegou todo o patrimônio construído ao longo de décadas pelo empresário.

Conforme o Campo Grande News, o Batalhão de Choque fazia rondas pelo bairro, quando viu o veículo Prisma, conduzido por Torres, deixar a casa de Robson em alta velocidade. Durante vistoria na casa do assessor de Ademir, os policiais militares encontram duas caixas no quintal. Foram localizados 40 tabletes, que pesaram 41,5 quilos de cocaína.

Presidente da Associação dos Moradores do Bairro São Conrado, Robson José disse que emprestava a residência para o amigo, que tinha livre acesso. Torres contou que era funcionário do assessor parlamentar e tinha pegado as duas caixas no Bairro Santa Luzia como se fossem materiais para “doação”. A droga está avaliada em mais de R$ 1 milhão. Na Europa, a cocaína poderia chegar a custar R$ 4,9 milhões.

O líder comunitário e o amigo foram presos em flagrante por tráfico de drogas. No caminho para a delegacia, Robson tentou convencer José Torres Júnior a assumir ser o único dono da droga em troca de um cargo comissionado para a sua esposa na Câmara Municipal de Campo Grande.

O Jacaré procurou o vereador Ademir Santana. Ele anunciou que irá divulgar uma nota sobre a prisão do assessor.

Conforme o Portal da Transparência da Câmara Municipal, Robson atuava como assessor parlamentar desde maio, quando Santana retornou ao cargo de vereador com a ajuda do governador Reinaldo Azambuja.

Como Mattogrosso deve retornar ao cargo no próximo mês, Ademir Santa deixaria de ser vereador. Ele estava cotado para assumir o comando da Funesp (Fundação Municipal de Esportes).

A população da Capital aguarda com expectativa a reação dos vereadores e do presidente da Câmara, Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), que reagiram com indignação com dança de colegas no plenário da Casa.