Postagem de Siqueira tem causado a fúria dos bolsonaristas (Foto: Reprodução)

Inimigo do PT e um dos primeiros a ir às ruas pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT), Vinicius Siqueira (PROS) é mais um dos arrependidos de ter pedido voto em Jair Bolsonaro (sem partido) em 2018. Defensor da candidatura presidencial do ex-juiz Sergio Moro (Podemos), o ex-vereador passou a detonar diuturnamente o presidente e vem perdendo milhares de seguidores nas redes sociais.

De acordo com Siqueira, apenas no Instagram, ele perdeu 2,8 mil seguidores. Antes de criticar Bolsonaro, ele contava com 15,5 mil. Cerca de 2,7 mil eleitores o deixaram seguir. Atualmente, ele tem 12,8 mil seguidores na rede social. E deve perder mais, já que faz questão que os bolsonaristas tomem conhecimento das críticas. “Às claras! Prefiro perder votos dos bolsonaristas a enganá-los”, justificou-se.

Veja mais:

Vinicius e nome do PT devem acirrar disputa pela sucessão de Reinaldo em 2022

“É hora de romper com as velhas práticas”, afirma Capitão Contar ao declarar apoio a Vinicius

No lugar de Trutis, Vinicius propõe varredura em contratos e asfalto com tecnologia dos EUA

Na última postagem, o ex-vereador não perdoa nem a ex-aliada, a ministra da Agricultura e Pecuária, Tereza Cristina, a quem responsabiliza junto com o Governo do capitão pela disparada da inflação dos alimentos. “Ministério da Agricultura e Abastecimento tem responsabilidade na alta interna dos alimentos. O Governo federal zerou os estoques públicos de grãos da Conab, que eram responsáveis pelo controle dos preços. Agora o Brasil come em dólar. Barbeiragem”, lamentou.

Siqueira foi filiado ao DEM de Tereza Cristina até o início do ano passado, quando se filou ao PSL para disputar a Prefeitura de Campo Grande. Aliás, na campanha, ele já estava mais distante do bolsonarismo. O ex-vereador ficou em 4º na disputa, atrás de Marquinhos Trad (PSD) e Pedro Kemp (PT). O defensor de Bolsonaro, Sérgio Harfouche (Avante) ficou em 2º.

O ex-vereador não foi contemplado com a onda bolsonarista em 2018, quando disputou uma vaga de deputado estadual e acabou não sendo eleito. Ele só pediu voto para Bolsonaro no segundo turno, quando a disputa ficou restrita entre Bolsonaro e o ex-ministro da Educação, Fernando Haddad (PT).

Nas postagens, Siqueira critica Bolsonaro e repete o lema “mas o traíra é o Moro”. “Bolsonaro arrebenta a Lei de Improbidade e enfraquece o combate à corrupção, mas o traíra é o Moro”, postou, fazendo referência as novas regras, sancionadas pelo presidente da República, que vão dificultar o combate ao desvio do dinheiro público, conforme opinião de juízes e promotores.

Vinicius culpa o Governo federal pela disparada da inflação dos alimentos (Foto; Reprodução)

“2,4 milhões – Bolsonaro gastou nas suas férias (com dinheiro público)”, afirmou, fazendo referência ao triplex do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em outra manifestação, Siqueira critica a aliança do capitão com o Centrão, o polêmico grupo de partidos formados por políticos réus ou condenados por corrupção. “Denunciado na Lava Jato, Ciro Nogueira é o principal ministro do Bolsonaro”, lamentou, sobre o ministro chefe da Casa Civil.

“Bolsonaro se junta ao chefe do esquema dos Correios, do Mensalão e do Petrolão”, postou o ex-vereador, criticando a aliança com o presidente afastado do PTB, Roberto Jefferson, o deputado Valdemar Costa Neto (PL), que foi condenado a sete anos de prisão, e de Ciro Nogueira, envolvido nos desvios da Petrobras.

 “Eu sou do Centrão, nasci lá”, repete frase de Bolsonaro, para destacar que o presidente e os filhos sempre criticaram os políticos do Centrão. Ele deve se filiar nos próximos dias ao PL de Costa Neto.

“Após sair do Governo, Sergio Moro avisa o Brasil: Bolsonaro quer intervir na PF para proteger os filhos e seus amigos. Agora, os delegados e diretores estão afastados ou exonerados”, lamentou, em outra postagem.

Vinicius avisa que vai manter as críticas, porque não pretende enganar os eleitores nem os bolsonaristas. E não se importará em continuar perdendo seguidores. Ele já tem o ódio dos petistas e seguidores de Lula. O ex-vereador vai tentar conquistar os eleitores da 3ª via, os chamados nem-nem.

Ex-vereador aposta na campanha a presidência da República de Sergio Moro, que pode ser candidato a senador em 2022 (Foto: Reprodução)