MS

Apesar do apoio de Bia, Dr. Ovando e Vander, Câmara rejeita “PEC da Vingança” contra MP

Bia Cavassa foi a única deputada do PSDB a votar a favor da PEC que ameaça a autonomia do Ministério Público (Foto: Arquivo)

O apoio de três dos oito deputados federais de Mato Grosso do Sul – Bia Cavassa (PSDB), Dr. Luiz Ovando (PSL) e Vander Loubet (PT) – não foi suficiente para impedir a derrota da “PEC da Vingança”, como ficou conhecida a Emenda à Constituição que ampliava a interferência dos políticos no Ministério Público. Cinco parlamentares sul-mato-grossenses foram contra e ajudaram a impor uma derrota ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP).

O plenário aprovou a proposta com 297 votos a favor, 182 contra e 4 abstenções. Para ser aprovada em primeiro turno, a PEC 05/2021 precisava do apoio de 308 deputados federais. Por 11 votos, fracassou a primeira tentativa de reduzir a autonomia dos promotores.

Veja mais:

Promotores se unem contra “PEC da Vingança”, que acaba com a autonomia do Ministério Público

Assessor de chefe do MPE substitui Marcos Alex e “xerife” deixa combate à corrupção

STF derruba emendas que tiravam autonomia do MPC e amordaçavam combate à corrupção em MS

Os deputados Beto Pereira e Rose Modesto, do PSDB, Dagoberto Nogueira (PDT), Fábio Trad (PSD) e Loester Trutis (PSL) votaram contra a PEC. Pela proposta, o número de integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público passaria de 14 para 17 e os novos seriam indicados pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. O indicado pelo parlamento seria o corregedor nacional do Ministério Público.

A “PEC da Vingança” se tornou prioridade de Lira, réu em várias ações por improbidade administrativa, e acabou unindo promotores e procuradores em todo o País. Eles alertaram para o risco do fim da autonomia do MP, um dos pilares no combate à corrupção no Brasil.

“Sobre a PEC 5: a tramitação prescindiu da análise aprofundada da Comissão Especial, fase imprescindível para o aperfeiçoamento de um projeto que altera a CF. Mérito: existem outros meios de se combater abusos e distorções do MP sem que se comprometa sua atividade finalística”, defendeu o deputado Fábio Trad.

Dagoberto frisou que sempre lutou contra a PEC a pedido de promotores. “Essa PEC, com certeza absoluta, enfraquece o Ministério Público e enfraquece a democracia”, afirmou o pedetista. “Reforço meu posicionamento contra a PEC 5. Nós precisamos fortalecer os mecanismos de combate a corrupção e não ao contrário”, ressaltou.

Dr. Luiz Ovando votou a favor da proposta que ameaça o combate à corrupção (Foto: Arquivo)

Loubet votou a favor da “PEC da Vingança”. O petista foi denunciado na Operação Lava Jato por receber propina e corrupção passiva no esquema de desvio da Petrobras. No entanto, o petista acabou sendo absolvido por unanimidade pelo Supremo Tribunal Federal por falta de provas. Já Loester Trutis votou contra a proposta, mesmo depois de ter sido denunciado pelo MPF na semana passada por supostamente ter simulado o atentado contra si em fevereiro de 2020.

O presidente da Câmara não desistiu de mudar o CNMP. “Nós temos um texto principal, temos possibilidades regimentais. Vamos analisar o que mudou em três votações para fazer uma análise política. O jogo só termina quando acaba”, adiantou Lira. O texto rejeitado foi o substitutivo do deputado Paulo Magalhães (PSD-BA) à PEC. O progressista diz que a PEC “pode representar o fim da impunidade em um órgão muito forte”.

O texto original da proposta ainda precisa ser votado. É do deputado Paulo Teixeira (PT-SP) e mantém a composição do CNMP em 14 membros, mas acaba com a vaga nata do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios. No lugar dela, o Congresso pode eleger mais um conselheiro, que deverá ser membro do Ministério Público.

“Acho que todo poder merece ter seu código de ética, todo poder merece ter imparcialidade nos julgamentos e todos os excessos devem ser dirimidos”, afirmou Lira, deixando claro que a polêmica “PEC da Vingança” pode ser retomada a qualquer momento no Congresso.

Denunciado pelo MPF e inocentado pelo STF, Vander votou a favor da “PEC da Vingança” (Foto: Arquivo)
Compartilhar
Publicado por
Edivaldo Bitencourt

Posts recentes

  • MS

Tribunal mantém bloqueio de R$ 50,7 mi de ex-secretário em ação de fraude e propina no lixo

João Antônio De Marco não teve a mesma sorte de Nelsinho: turma reduziu o valor,… Ler mais

27/11/2021
  • Opinião

Democracia não é perfeita, mas tem qualidades que não existem na ditadura, diz jornalista

No artigo “A democracia e o autoritarismo”, o jornalista e filósofo Mário Pinheiro destaca que… Ler mais

27/11/2021
  • MS

Com ameaça de nova onda da covid-19, Marquinhos cancela carnaval pelo 2º ano consecutivo

Prefeito anunciou o cancelamento do carnaval de rua em 2022 na Capital (Foto: Divulgação) Com… Ler mais

26/11/2021
  • MS

Jornais ignoram denúncias de corrupção, mas ficam “chocados” com dança de vereador

Vereador causou perplexidade em alguns jornais ao dançar no plenário da Câmara. O que faz… Ler mais

26/11/2021
  • MS

Corregedora de Justiça cobra agilidade de TJ nas sindicâncias contra juiz por venda de sentença

Ministra determinou que Lós envie procedimento contra juiz Aldo Ferreira, que começou há três anos,… Ler mais

26/11/2021
  • MS

André diz que Reinaldo seguiu exemplo, mas MPE insiste na condenação por adesivar ônibus

Puccinelli diz que atual governador também colocou adesivos com slogan do Estado porque não há… Ler mais

26/11/2021

This website uses cookies.