MS

Juiz nega desbloquear bens e contas de Jamilson Name em troca de fazenda de R$ 19,2 mi

Jamilson continua com os bens e contas bloqueados após juiz negar para substituir tudo por fazenda herdada do pai (Foto: Arquivo)

O juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande, negou pedido para desbloquear as contas bancárias e bens do deputado estadual Jamilson Lopes Name (sem partido) em troca de uma fazenda avaliada em R$ 19,270 milhões. No despacho, o magistrado destaca que o Ministério Público Estadual pede a elevação do sequestro de R$ 18,2 milhões para R$ 89,8 milhões.

Réu na Operação Omertà por lavagem de dinheiro e integrar organização criminosa, o deputado teve R$ 18,250 milhões bloqueados em dezembro do ano passado. Na ocasião, a juíza Eucélia Moreira Cassal, da 3ª Vara Criminal, também determinou a suspensão das atividades da Pantanal Cap em decorrência da suspeita de lavar dinheiro do jogo do bicho e do grupo de extermínio.

Veja mais:

Juíza mantém bloqueio de prédio da Pantanal Cap e de três empresas de Jamilson Name

Além de fechar Pantanal Cap, 6ª fase da Omertà mira o deputado estadual Jamilson Name

Sem Name, seis grupos disputam jogo do bicho e contravenção entra, de novo, na mira da polícia

Em fevereiro deste ano, o MPE pediu para elevar o valor bloqueado para R$ 89,8 milhões. De acordo com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), o montante é referente a movimentação do jogo do bicho nos últimos cinco anos. Os promotores estimam que a atividade movimentava R$ 50 mil por dia em Campo Grande.

O advogado Gustavo Passarelli contestou a alegação da promotoria. “Como não bastasse, requereu, ainda, o bloqueio de R$ 89.900.000,00, baseado na fantasiosa premissa de que a atividade do jogo do bicho proporcionaria rendimentos de R$ 50.000,00/dia e, durante o período de cinco anos, alcançar-se-ia a cifra igualmente imaginária”, criticou.

O juiz Roberto Ferreira Filho negou o pedido para ampliar o bloqueio, mas manteve o sequestro de até R$ 18,250 milhões de Jamilson, do pai, Jamil Name, e do irmão, Jamil Name Filho. Ele acatou pedido do MPE para ampliar o bloqueio para planos de previdência, ativos em instituições financeiras e até precatórios.

Os promotores recorreram ao Tribunal de Justiça para insistir na ampliação do bloqueio para R$ 89,8 milhões. Jamilson também recorreu à corte, mas para suspender o sequestro determinado em setembro doa no passado.

O advogado Gustavo Passarelli pediu a substituição dos bens e valores bloqueados em contas bancárias pela Fazenda São Rafael, de 14,8 mil hectares em Corumbá. Conforme a ação, o imóvel está avaliado em R$ 19,270 milhões e cobre, com folga, os R$ 18,2 milhões sequestrados pela Justiça na Operação Omertà.

Em despacho publicado na última quarta-feira (6), o juiz Roberto Ferreira Filho, negou o pedido. Ele destacou que a propriedade é herança de Jamil Name, que faleceu no presídio federal após contrair covid-19 em junho deste ano. Conforme o magistrado, o deputado só terá direito a um quinhão da herança e não poderá dar todo o imóvel como garantia.

“É preciso destacar que os valores foram sequestrados devido à indicação de que podem se tratar de proveito do delito de lavagem de capitais, tendo sido requerida a perda dos valores no bojo da denúncia oferecida na ação penal n. 0950780-08.2020.8.12.0001. Neste ponto, ainda não há certeza sobre a licitude dos valores bloqueados, o que impede o desbloqueio imediato, conforme já consignado em decisões anteriores”, justificou Ferreira Filho.

Ele também citou que o TJMS ainda não julgou o recurso do Ministério Público para ampliar o valor bloqueado. “Outrossim, o imóvel pertence ao espólio de Jamil Name, e não ao investigado Jamilson Lopes Name, que, enquanto um dos herdeiros necessários, terá direito a um quinhão, ao que se presume, não podendo dispor livremente sobre o imóvel desta forma”, destacou.

O deputado é réu na 1ª Vara Criminal de Campo Grande. No primeiro mandato, Jamilson cogita disputar a reeleição. O partido favorito para receber o parlamentar é o PSDB, que já filiou o vereador Ademir Santana, réu por extorsão armada e integrar o grupo de Jamil Name.

Compartilhar
Publicado por
Edivaldo Bitencourt

Posts recentes

  • MS

Após Bolsonaro lamentar alta, Petrobras anuncia 11º reajuste e gasolina deve superar R$ 7,50

Em Campo Grande, gasolina é encontrada a R$ 6,33 no preço à vista e pode… Ler mais

25/10/2021
  • MS

Esquema de notas frias uniu empresários e ex-comando da Agepen para desviar R$ 13,7 mi

Coronel Deusdete de Oliveira foi diretor-presidente da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário, O… Ler mais

25/10/2021
  • MS

Ao ser atingido por cerveja, prefeito é acusado de reagir e derrubar dona de casa com soco

Prefeito de Camapuã entrou em briga de assessora e teria agredido mulher com um soco… Ler mais

25/10/2021
  • MS

Além de confirmar Pacheco, Kasssab lança Marquinhos para disputar o Governo de MS

Evento no PSD no Rio de Janeiro contou com a presença do senador Nelsinho Trad… Ler mais

24/10/2021
  • MS

Ensaísta cita ministra alemã para criticar elite brasileira que é contra ajudar os mais pobres

No artigo “7 a 1: Angela Merkel e sua lição para a elite brasileira”, o… Ler mais

24/10/2021
  • Campo Grande

Entidades afirmam que exame toxicológico é “inconcebível, absurdo e criminaliza” professor

Presidente da Fetems, Jaime Teixeira, cutuca e diz que vereador deveria ser o primeiro a… Ler mais

23/10/2021

This website uses cookies.