MS

MPE não vê novas provas e opina pela manutenção de oito anos de prisão de Gilmar Olarte

Ex-prefeito da Capital está preso desde maio e tenta anular sentença, mas MPE diz que não há novas provas de inocência e opina pela manutenção da condenação de oito anos e quatro meses (Foto; Arquivo)

O Ministério Público Estadual manifestou-se pela manutenção na íntegra da sentença que condenou o ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Antunes Olarte (sem partido) a oito anos e quatro meses de prisão em regime fechado por corrupção e lavagem dinheiro. O procurador-geral de Justiça, Alexandre Magno Benites de Lacerda enfatizou que não há novas provas de inocência ou qualquer outra irregularidade no processo.

Preso desde 6 de maio deste ano para cumprir a sentença, que levou quatro anos para sair do papel, o pastor evangélico e empresário insiste que foi vítima de um complô, não teve direito ao contraditório e a ampla defesa e insistiu na revisão criminal. Ao longo de 41 páginas, o MPE repisa os argumentos para a condenação do ex-prefeito, o primeiro a ir para a cadeia por corrupção na história de Campo Grande.

Veja mais:

Preso na Supermáxima, Olarte se diz vítima de “erro do judiciário” e de “mentira deslavada” do MPE

Após 4 anos de recursos, Gilmar Olarte é preso para cumprir pena de oito anos e quatro meses

Por unanimidade, STJ nega recurso que impedia execução de sentença de Gilmar Olarte

Com recurso parado há quase três anos no STJ, juiz nega prisão de Olarte para cumprir sentença

“Efetivamente, latente o fato de que toda insurgência se pauta no mero inconformismo da parte com o resultado do julgamento proferido por este E. Tribunal de Justiça, aliado ainda à busca de meio transverso para contornar a desídia da defesa técnica quanto à escorreita apresentação dos recursos cabíveis – já que manifestamente intempestivos -, evidente se mostra a improcedência do pedido formulado”, destacou Lacerda na manifestação protocolada no dia 24 do mês passado.

O chefe do MPE detalhe os seis fatos de corrupção, como a troca de cheques dos fieis com agiotas e grandes quantias em dinheiro em troca de cargos na prefeitura. Olarte teria garantido que com a cassação do titular, Alcides Bernal (PP), cumpriria o acordo e compensaria pelos empréstimos.

O promotor cita interceptações telefônicas, fotografias, documentos e comprovantes das nomeações para reforçar que a corrupção e a lavagem de dinheiro foram fartamente comprovadas no julgamento da Seção Especial Criminal, ocorrido em 24 de maio de 2017.

“Por fim, revela-se flagrante que o autor pretende apenas rediscutir a matéria, lançando alguns ‘questionamentos’ acerca dos fatos que ensejaram sua condenação, contudo, há de se observar que o farto conjunto probatório que pesou sobre o condenado foi exaustivamente analisado no Acórdão proferido pela Colenda Seção Especial – Criminal”, destacou.

Sobre a competência do foro, o chefe do MPE acusa Olarte de tentar manipular a Justiça ao renunciar em setembro de 2016, quando foi notificado para apresentar as alegações finais. “Nesse ponto, restou inequívoco que a ‘renúncia’ ao cargo de Prefeito de Campo Grande, objetivou ensejar verdadeira MANIPULAÇÃO DA JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA prontamente combatida pela Colenda Seção Criminal quando do julgamento dos autos do Agravo Interno nº 1602581-24.2014.8.12.0000/50008 que, considerando ‘o término da instrução processual’, acertadamente levou, o então réu, ora autor/condenado Gilmar Antunes Olarte, a julgamento perante a Colenda Seção Especial Criminal do E. Tribunal de Justiça Estadual, prestigiando, desta forma, a efetividade do sistema penal e evitar que a prerrogativa de foro se relacionasse à impunidade, sobretudo pelo fato de o processo já se encontrar instruído, tendo sido proferido o despacho que intima as partes para a apresentação de alegações finais, nos termos do art. 11 da Lei nº 8.038/90”, argumentou.

“Assim, o Supremo Tribunal Federal, por maioria, vencido o Ministro Marco Aurélio Mello, entendeu que o ato de renunciar às vésperas do julgamento tratava-se de fraude processual e abuso do direito, não de seu exercício regular”, reforçou, citando julgamento de caso semelhante no STF.

“Por oportuno, insta demonstrar que no momento da RENÚNCIA do mandato do então Prefeito de Campo Grande, Gilmar Antunes Olarte (06.09.2016),a instrução processual já havia sido concluída, uma vez que fora intimado, por duas vezes, ( 08.04.2016-f. 1899 e 2.6.2016 -f.1973) por meio de seu defensor, para apresentar ALEGAÇÕES FINAIS”, lembrou.

“Tecidas tais considerações, efetivamente, não há que se falar em decisão contrária à evidência dos autos, inexistindo, igualmente, contrariedade da decisão ao texto expresso da lei penal, depoimentos, exames ou documentos falsos e sequer novas provas de inocência do condenado Gilmar Antunes Olarte”, concluiu Alexandre Magno de Lacerda.

O pedido de revisão criminal será julgado pela 1ª Seção Criminal do Tribunal de Justiça. O relator é o desembargador José Ale Ahmad Netto.

Compartilhar
Publicado por
Edivaldo Bitencourt

Posts recentes

  • MS

Juiz vira réu pela 3ª vez; TJ rejeita, por 6 a 5, denúncia por corrupção contra 7 advogados

Aldo Ferreira da Silva Júnior virou réu pela 3ª vez no Tribunal de Justiça nesta… Ler mais

16/09/2021
  • Campo Grande

Nelsinho é condenado por desapropriar e pagar por 19 lotes que não eram de ex-vereador

Senador Nelsinho Trad deverá ressarcir, junto com casal de professores, valor pago pela prefeitura por… Ler mais

16/09/2021
  • MS

Mandetta pode ser candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por Ciro Gomes

Em campanha para disputar as eleições presidenciais de 2022, Mandetta não descarta ser vice (Foto:… Ler mais

16/09/2021
  • MS

Antes de receber queixa-crime, juíza vai tentar reconciliação entre governador e Tiago Vargas

Magistrada vai tentar acordo entre vereador e Reinaldo (Foto: Arquivo) Antes de decidir se aceita… Ler mais

16/09/2021
  • MS

Após 3 anos, STJ mantém, por unanimidade, bloqueio de R$ 277 milhões de Reinaldo e família

Governador teve mais uma derrota no STJ ao não conseguir suspender bloqueio dos bens da… Ler mais

15/09/2021
  • MS

Juiz cita STF e livra “vereador sem voto” de devolver R$ 1,4 mi pago acima do teto pela Câmara

Scaff recebeu R$ 1,410 milhão acima do teto, mas acabou se livrando porque Supremo considerou… Ler mais

15/09/2021

This website uses cookies.